sexta-feira, setembro 22, 2017

Pesquisar a privacidade no Google - 2ª parte

É de notar que não é necessário ligar o GPS para que a localização seja determinada com grande precisão, sobretudo em áreas urbanas, onde o número e posicionamento das antenas das redes móveis permitem uma triangulação quase perfeita, com margem de erro insignificante, a qual é reforçada por outras conexões usando os vários protocolos que possam estar activos.

No caso de outros protocolos como o "bluetooth", NFC ou os que são utilizador pelas redes locais estarem activos, a possibilidade de autenticação em locais de passagem que disponibilizem este tipo de comunicação, é elevada, sendo exemplo disso o aparecimento de uma mensagem do tipo "como foi a sua visita ao local xxx?", o que é confirmado recorrendo ao Google Maps e verificando que tal está presente nos locais visitados, eventualmente com um pedido de uma avaliação do mesmo.

Aliás, vários outros programas, seja o conjunto do universo Google, mas também outros que funcionam de forma complementar ou mesmo concorrente, podem utilizar este tipo de informação posicional, com alguns, sobretudo ligados a redes sociais, a implementar funcionalidades que, sendo aparentemente vantajosas para o utilizador, são efectivamente muito mais intrusivas e reveladoras do que as do próprio Google.

Acendendo ao "Timeline", estão presentes diversos conjunto de informações e dados que ilustram trajectos ao longo do tempo, com possibilidade de efectuar várias filtragens, bem como a possibilidade de pausar o histórico da localização, o que fará com que a sua recolha pare, deixando, presume-se, de ser enviada para os servidores do Google.

quinta-feira, setembro 21, 2017

19ª Edição do catálogo da Bearmach

Encontra-se disponível para consulta "on line" ou em formato PDF, que pode ser descarregado para uma unidade de armazenamento local, a 19ª edição do catálogo da Bearmach, um dos fornecedores de peças e acessórios para Land Rover mais conhecidos no mercado e com uma linha de produtos mais extensa.

Deste ficheiro, com perto de 57 Mb, consta um total de 428 páginas que incluem desde simples peças de substituição a motores completos a acessórios complexos e algo dispendiosos, como grades de tejadilho ou suspensões, passando pela iluminação, interiores ou mesmo lubrificantes.

Estão abrangidos praticamente todos os modelos da Land Rover, exceptuando-se apenas os que foram recém lançados, com cada peça constante do catálogo a incluir fotografia, referência, designação, descrição e modelos de veículo compatíveis, faltando, naturalmente, o preço, que, por razões óbvias, terá que ser inquirido junto de um dos revendedores da marca.

Tal como os catálogos de outros fornecedores, como a Britpart ou Terrafirma, cujas ligações disponibilizamos no passado, também sugerimos aos nossos leitores que descarreguem este catálogo que possui alguns items que não estão presentes nos da concorrência, e porque nele podem encontrar ideias e inspiração para efectuar reparações ou melhoramentos nos respectivos veículos.

quarta-feira, setembro 20, 2017

Pesquisar a privacidade no Google - 1ª parte

Serão inúmeros os utilizadores do Google Maps, recorrendo a esta plataforma para tarefas tão simples como localizar uma rua ou mais sofisticadas, como a navegação de um ponto para outro, selecionando um de entre vários trajectos alternativos e obtendo informações de tráfego em tempo real.

A maioria destes utilizadores recorre a um dispositivo Android, que na maior parte dos casos pode ser um telemóvel, mas que poderá também ser um equipamento de navegação ou outro igualmente baseado nesta plataforma, sendo comum, e quase inevitável, ter procedido a algum tipo de autenticação ou "login" através de um endereço de correio electrónico do próprio Google.

Através destes dispositivos, seja pela própria identificação única dos mesmos, seja pela autenticação do utilizador, que permite consolidar a informação proveniente dos vários equipamentos que este usa, do que resulta um conjunto de dados relevante e, dependendo do seu uso, preocupante em termos de privacidade, podendo, no limite, revelar-se intrusivo e perigoso.

Com um dispositivo Android, que na sua esmagadora maioria possuem o sistema de mapas do Google activo, caso não seja desactivado pelo utilizador, irá ser efectuado um registo de percursos, fácil de consultar em opções como o "Your places", na opção "Visited", no caso da lingua inglesa, onde estão presentes locais que foram referenciados pela geolocalização do equipamento.

terça-feira, setembro 19, 2017

Google só guarda cópias de segurança de Android dois meses após último acesso

Embora surgindo em diversos artigos que o Google apaga as cópias de segurança de dispositivos Android sem aviso prévio, o facto é que tal não corresponde à verdade, por esta possibilidade estar nas condições de utilização do serviço do Google Drive, numa das muitas alíneas que os utilizadores não lêm.

Quando um utilizador, por qualquer razão, deixa de utilizar um dispositivo Android, autenticado com uma conta específica do Google, é emitido um aviso, quinze dias depois do último acesso, sendo os dados constantes da cópia de segurança apagados, sem possibilidade de recuperação, dois meses após a última utilização registada.

Assim, caso alguém não utilize um dispositivo Android associado a uma conta durante mais do que dois meses, a cópia no Google Drive é apagada, sendo reposta a partir de um equipamento quando é efectuado um novo acesso, caso este os tenha armazenado, mas, caso este seja um dispositivo novo e o utilizador espere recuperar os dados a partir de um "backup", o facto é que tal não irá acontecer.

Este problema pode afectar utilizadores cujo equipamento se avaria e, transitoriamente, mas por mais do que dois meses, usem outro que não tenha Android, como um telemóvel convencional ou um "smartphone" iOS, e que ao voltar a utilizar um dispositivo Android não verão os seus dados repostos, facto para o qual deixamos aqui um alerta para que façam pelo menos um acesso recorrendo a esta plataforma antes de expirar o prazo, como forma de repor o contador a zero.

segunda-feira, setembro 18, 2017

O 3DF Zephir da 3D Flow - 2ª parte

A versão gratuita tem diversas limitações, como o permitir apenas um total de 50 fotografias ou "frames" de um filme, ou excluir diversas possibilidades de suporte de dispositivos mais complexos ou sofisticados, mas permite conhecer o produto e obter bons resultados, adequados para uma utilização doméstica.

A versão gratuita, bem como versões de demonstração das que são pagas, podem ser descarregadas do servidor da empresa que desenvolveu o "software", onde estão explicitadas as diferenças e capacidades, bem como informações que facilitam a sua aprendizagem e utilização, incluindo exemplos práticos para quem não possuam as imagens que permitam criar um objecto tridimensional.

Todas as instruções, exemplos, ajudas ou mesmo fóruns incluídos no "site" permitem uma aprendizagem rápida, seguindo cada um dos passos ilustrados com imagens exemplificativas, podendo os exemplos fornecidos serem substituídos por fotos do próprio utilizador, dando assim origem a uma renderização que pode ser visualizada em diversos formatos ou exportada e impressa como objecto tridimensional.

Este é um programa muito específico, destinado a um conjunto de utilizadores com interesse numa área que evolui muito rapidamente e será da maior importância no desenvolvimento rápido de objectos para os mais diversos fins, complementando de forma decisiva os progressos notáveis na impressão tridimensional, já muito popular entre nós.

domingo, setembro 17, 2017

Guias podem adicionar vídeos ao Google Maps

Os Guias Locais podem agora adicionar vídeos de curta duração ao Google Maps, recebendo 7 pontos por cada nova adição, num processo muito simples e que visa ilustrar melhor a realidade local, permitindo a potenciais visitantes um contacto mais directo e ilucidativo antes de optar por uma visita pessoal.

Caso se esteja no local da filmagem, o processo para adicionar um vídeo é, após selecionar o ponto de origem no mapa, escolher a opção de adicionar uma foto, na parte inferior od écran, tocar na "Câmara" e manter o butão premido durante até 10 segundos para proceder à gravação.

Vídeos previamente gravados, com duração até 30 segundos, podem igualmente ser adicionados ao Google Maps, sendo essencial que, antes de se proceder ao envio, se proceda ao posicionamento correcto do ponto de origem no mapa para que este fique correctamente referênciado.

Apesar do enorme trabalho do Google, a solução dos seus mapas depende em muito das actualizações e adições dos utilizadores, que complementam uma estrutura sofisticada com os conteúdos específicos que lhe conferem vida e autenticidade, sendo oferecidas pequenas recompensas, sob a forma de pontos que permitem algumas vantagens, a quem contribua com avaliações, fotos ou, agora, vídeos.

sábado, setembro 16, 2017

Lisboa, cidade fechada - 34ª parte

Em período eleitoral, para além da pressa em finalizar obras em curso, uma maior presença de candidatos em zonas intervencionadas, algumas delas submetidas a alterações profundas, pode sugerir a possibilidade do início de um novo ciclo, com a eventual substituição de executivos nos vários níveis do poder autárquico.

De acordo com as competências atribuídas ou delegadas, assim um maior peso dos vários orgãos na vida dos residentes, afectados não apenas pelas decisões a nível local que os afectam directamente, mas também, e sobretudo, por opções com impacto estruturante, que condicionam e limitam a apertada teia em que os decisores mais próximos dos cidadãos se movimentam.

A evolução da cidade nos anos mais recentes, num aparente conluio entre poder central e autárquico, não obstante melhoramentos em áreas específicas, evolui no sentido errado, tal como o País, baseada num modelo de desenvolvimento errado e comprometedor do futuro, onde o imediatismo esmaga a sustentabilidade e destrói a esperança de gerações futuras se instalarem em Lisboa, cada vez mais um mero expositor para gáudio dos turistas que a visitam.

Quase desprovida de habitantes nas zonas mais centrais e típicas, expulsos para dar lugar a instalações ou estabelecimentos que destroem a essência da cidade em troca de um lucro rápido, o destino de Lisboa, caso o fluxo turístico diminua, será um rápido declínio, com o colapso das finanças autárquicas e a incapacidade de revitalizar atempadamente uma cidade cada vez mais desprovida de residentes e de um tecido produtivo que confira um mínimo de sustentabilidade.

sexta-feira, setembro 15, 2017

O 3DF Zephir da 3D Flow - 1ª parte

No seguimento dos textos sobre o Scann3d, destinado a dispositivos móveis Android, apresentamos resumidamente uma alternativa para computadores pessoais com Windows, disponível em versão gratuita e em três versões pagas, cada uma com funcionalidades e capacidades distintas.

O 3DF Zephir, da 3D Flow, é um programa de fotogrametria, capaz de modelar objectos tridimensionais a partir de um conjunto de fotografias, que podem ser obtidas por simples câmaras ou recolhidas por "drones", podendo recorrer a sistemas laser 3D, num processo automatizado, mas que permite ao utilizador um grande controle e numerosas opções.

Destinado a computadores, este programa é muito mais potente do que os que são destinados a Android, e os resultados espelham bem essa diferença que resulta também da possibilidade de utilizar fotos com muito maior resolução, como as que são obtidas por câmaras digitais profissionais, recorrendo a uma maior capacidade de memória e processamento para dar origem a objectos de elevada qualidade.

Entre as versões pagas, destaca-se a que é designada por "Aerial", por possuir um conjunto de funcionalidades importantes a nível de extração de informação e georeferenciação que permite ser utilizada em actividades industriais, agrícolas ou mesmo na protecção civil, monitorando diversos dados que permitem a detecção de perigos e a emissão de alertas.

quinta-feira, setembro 14, 2017

O Scann3d da Smartmobilevision - 2ª parte

O conjunto de fotos obtido pode ser utilizado por programas de melhor qualidade, pagos e que correm em computadores pessoais com plataforma Windows, resultando numa renderização e em modelos tridimensionais muito mais perfeitos, onde mesmo pequenos detalhes são bem visíveis e as formas ficam bem mais definidas.

Exportando o resultado final em formato STL, após selecionar a escala pretendida, pode-se proceder à impressão tridimensional, numa impressora com a definição suficiente para o modelo em causa, num processo simples, embora um pouco moroso, e que ilustra o que já hoje se pode fazer com equipamentos simples.

Não sendo uma solução dedicada, como um "scanner" 3D, onde câmara e objecto estão fixos, com este último a rodar e ser fotografado de forma automatizada, de acordo com os requisitos do "software", não podemos esperar o mesmo tipo de resultado de um equipamento não especializado e que enfrenta diversos condicionalismos, mas esta é uma abordagem interessante e a experimentar por todos quantos se interessem por este tipo de tecnologia.

Este programa gratuito pode ser instalado em dispositivos Android, em versões 4.4 ou superior, com os resultados a depender, para além da qualidade do equipamento, do próprio objecto fotografado e digitalizado, bem como do seu enquadramento, condições de luminosidade e da paciência do operador.

quarta-feira, setembro 13, 2017

Taxa de Protecção Civil de Gaia é inconstitucional - 2ª parte

Já tinhamos abordado a questão desta taxa, no caso concreto de Lisboa, considerando-a como ilegal, não apenas pela forma como foi aplicada, mas pelo facto de querer que os munícipes paguem a sua protecção, algo inerente aos deveres do Estado e que deverá ser suportado através dos impostos.

A ideia de cobrar por serviços básicos, como a segurança ou a defesa, tal como se estes fossem opcionais e não se encontrassem entre as funções de soberania que definem um Estado, sempre nos surgiu com absurda e uma simples forma de financiamento suplementar, sendo certo de que a parte da taxa recolhida que efectivamente veio engrossar o orçamento da Protecção Civil Municipal não corresponde à totalidade das receitas assim obtidas.

Se este conceito pegasse, facilmente se podia ir alargando, com os impostos as sustentar apenas a máquina do Estado e as taxas a suportar todo e qualquer serviço, resultando numa destruição da estrutura contributiva, tal como a conhecemos, e resultando numa flagrante injustiça, não apenas pelo aumento da carga fiscal, mas também pelo consequente desequilibrio da sua distribuição, destruindo mecanismos básicos de solidariedade e subsidariedade.

Esperamos que o Tribunal Constitucional decida rapidamente quanto ao caso de Lisboa, acabando assim com esta taxa que consideramos tão absurda quanto injusta e obrigue a autarquia a devolver as quantias cobradas, repondo-se assim um conjunto de princípios que consideramos essenciais para o equilíbrio entre os impostos e taxas pagas e o retorno obtido.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin