segunda-feira, agosto 10, 2020

Piloto morre em queda de Canadair - 1ª parte

A morte de um piloto na queda de um Canadair no Gerês, junto da fronteira luso-espanhola, quando combatia as chamas no concelho de Ponte da Barca durante o dia de sábado, elevou para cinco o número de mortos no combate aos fogos deste Verão, um número particularmente elevado e que se concentra num curto espaço de tempo.

O outro tripulante, um piloto espanhol, foi transportado para o hospital de Braga, onde permanecia em observação, mas fora de perigo, depois de ter sido evacuado numa operação que, pelo local e circunstâncias, era inevitavelmente complexa.

O Canadair, um avião anfíbio pesado, caiu do lado espanhol da fronteira, numa zona montanhosa de difícil acesso, aparentando, pela posição do aparelho, que não conseguiu subir o suficiente para ultrapassar uma elevação, tendo vindo a colidir, mas apenas o inquérito, a cargo das autoridades aeronáuticas espanholas, poderá confirmar o que efectivamente sucedeu.

Esta aeronave concreta tinha 46 anos, quase certamente de vida dura, por ser um modelo concebido para o combate aos fogos e que, portanto, cumpria apenas este tipo de missão, sendo certo que, por muito cuidada que fosse a manutenção, quase meio século de operações pode ter efeitos numa estrutura submetida a grandes esforços.

domingo, agosto 09, 2020

Aumento de atrasos nos CTT - 2ª parte

É de notar de envios a partir de Inglaterra demoravam aproximadamente três semanas, enquando aqueles que eram provenientes de países europeus com os quais existem menores relações comerciais, como antigos países do Bloco de Leste, tinham prazos de entrega que rondavam as cinco semanas, sendo que qualquer destes prazos é completamente inaceitável, mesmo nos tempos que atravessamos.

Dado que temos um conjunto apreciável de pequenos objectos em trânsito, enviados periodicamente, que funcionam como autênticas sondas, podemos ir aferindo do número de dias necessários a entregas, com especial incidência sobre as provenientes do exterior, e com uma foque particular nas enviadas a partir da China, país onde são fabricados numerosos equipamentos ou dispositivos electrónicos de que necessitamos regularmente.

Estas situações, que não merecem qualquer tipo de resposta concreta por parte dos CTT, que no limite, nas raras vezes que respondem, se limitam a lamentar os inconvenientes, por vezes responsabilizando a pandemia, mas omitindo que os atrasos eram anteriores a esta, são sempre reportados junto da ANACOM, para que o supervisor avalie o desempenho da empresa que tem concessionado o serviço postal universal.

A degradação do serviço dos CTT é mais do que evidente, sendo óbvio o desinvestimento na sua infraestrutura e nos meios disponíveis, pelo que a tendência para que os atrasos aumentem é inevitável, com todos os custos e prejuizos que tal acarreta e o impacto profundamente negativo que tem na economia nacional e no bem estar dos portugueses, pelo que consideramos que o serviço postal universal deve ser entregue a uma empresa que cumpra o contratualizado.

sábado, agosto 08, 2020

Princesinho, uma década de ausência

Foi há precisamente uma década que o Princesinho partiu, e ainda hoje este é, de todos os amiguinhos que aqui viveram, um dos mais especiais, com características únicas e, não obstante a sua curta vida, e ainda mais curta residência nesta casa, uma das presenças mais marcantes e inesquecíveis.

Muito independente, mas ao mesmo tempo terno e carinhoso, o Princesinho nunca perdeu os hábitos de gato de rua, um pouco como acontece com o Jaguar, mas, sendo jovem e pequeno, era bastante mais vulnerável, sobretudo por causa das doenças de que padecia e que, em parte, pode ter herdado na mãe, pelo que o nunca conseguiu impor-se e evitar os riscos inerentes à presença de outros gatos.

Não obstante, o Princesinho sempre se revelou extremamente corajoso, um caçador exímio e um amigo fantástico, que cumpria com precisão o que parecia ser um horário laboral, ausentando-se perto doas 00:00 e regressando oito horas depois, muitas vezes arrastando uma presa que depositava, carinhosamente, na cama, contribuindo assim para a economia doméstica.

Não deixa de ser impressionante como um gatinho que teve apenas um ano e meio de vida, e que, portanto, nunca chegou à idade adulta, deixou tantas recordações e, ainda hoje, desperta tantas emoções, o que demonstra bem que era um ser muito especial e que, efectivamente, mais do que a duração, é a intensidade da vida que deixa marcas.

sexta-feira, agosto 07, 2020

Acidentes graves aumentam após confinamento - 1ª parte

Após o fim do período de desconfinamento, durante o qual houve uma flagrante redução de tráfego rodoviário e do número de acidentes, os números têm vindo a piorar, ultrapassando os do periodo homólogo de 2019, e confirmando uma tendência anterior, apenas interrompida pelo conjunto de circunstâncias anómalas que determinaram uma menor circulação de veículos.

Enquanto o número de acidentes com vítimas leves diminui, aqueles em que existem vítimas graves ou mortais, os que contribuem para estabelecer o índice de gravidade, tem vindo a aumentar, estando entre estes um elevado número de colisões e despistes, normalmente ocorridos a velocidade elevada.

Ou seja, com muito menos acidentes, e a redução é muito substancial em termos anuais, há mais vítimas mortais, com um mês de Junho a ser pior do que no ano anterior, Julho, com dados provisórios, a piorar ainda mais e uma antevisão de Agosto que não aponta para nada de positivo.

Não havendo ainda uma análise, nem números defenitivos, a problemática da sinistralidade rodoviária volta a ser preocupante, num ano com muitas excepções, uma das quais a possibilidade de adiar inspecções periódicas obrigatórias, do que resulta a possibilidade de um cada vez maior número de veículos circular sem condições, algo que se agrava como resultado da perda de poder de compra e, consequentemente, de uma quebra nos níveis de manutenção e envelhecimento do parque automóvel.

quinta-feira, agosto 06, 2020

O Google Maps como génese de rede social - 2ª parte

Manifestamente, o Google tem intenções de promover comunidades, facilitando a interacção entre conjuntos de utilizadores, e integrando cada vez mais as suas aplicações, de modo a que interajam e se complementem de forma cada vez mais transparente, no que acaba por ser cada vez mais uma plataforma consolidada com múltiplas vertentes, a que se pode aceder por diversas vias.

Após o encerramento do Google Plus, que nunca concorreu directamente com outras redes sociais, esta passou a ser uma vertente que falta à Google, algo dificil de entender numa altura em que a interacção é fundamental e a concorrência ao universo do Facebook parece ser insuficiente, resultando num quase monopólio que necessita de ser contrariado.

Não será de estranhar que outros produtos do Google caminhem na mesma direcção, sendo patente que os sistemas de partilha ou funcionalidades colaborativas têm vindo a aumentar, com a disponibilização de novos recursos a todos os utilizadores, como aconteceu com o Meet, construindo uma rede polivalente, integrada, mas onde a vertente social continua longe da concorrência mais directa.

Após o encerramento do Google Plus, que nunca concorreu directamente com outras redes sociais, esta passou a ser uma vertente que falta à Google, algo dificil de entender numa altura em que a interacção é fundamental e a concorrência ao universo do Facebook parece ser insuficiente, resultando num quase monopólio que necessita de ser contrariado.

quarta-feira, agosto 05, 2020

Aumento de atrasos nos CTT - 1ª parte

Para quem recorre a compras "online", o desempenho actual dos CTT é motivo de terror, com os atrasos a aumentarem mensalmente, do que resultam prejuízos que podem corresponder à perda efectiva do bem encomendado, por ser necessário recorrer a uma alternativa ou porque, quando chega, o propósito se perdeu, mas também porque pode comprometer todo um projecto, para o qual foram feitos outros investimentos em material e em tempo.

Temos vindo a registar os prazos de entrega de material vindo da China, verificando que, no final do mês passado, as entregas correspondiam a encomendas efectuadas, sensivelmente, 3 meses antes, o que representa um aumento do tempo de entrega em perto de duas semanas face ao mês anterior.

A última entrega, infelizmente solitária, o que dificulta o seu tratamento estatístico por pouco significativo, efectuada no final de Julho, foi de um objecto, que, tal como todos os restantes, não carece de processamento alfandegário, fora enviado perto de três meses e meio antes, do que decorre que, um mês após as entregas anteriores, o prazo aumento noutras duas semanas.

Efectivamente, este aumento do prazo de entrega não nos espanta, e vem em linha com a degradação do serviço dos CTT, sendo que ainda nos recordamos quando um objeto enviado da China, ou de outro país asiático, era entregue em entre três e quatro semanas, o mesmo período em que, actualmente, são entregues noutros países europeus, como Inglaterra, e que ganha assim uma grande vantagem competitiva face a Portugal.

terça-feira, agosto 04, 2020

O Google Maps como génese de rede social - 1ª parte

Ao permitir que os utilizadores do Google Maps possam ter seguidores, o que permite um certo nível de interacção, o Google deu um passo importante no sentido de implementar uma vertente que se aproxima das redes sociais a esta plataforma que nasceu como um sistema de mapas interactivos.

Já era possível efectuar partilhas no Google Maps, como fotografias ou críticas de locais, mas estas eram pesquisáveis não em função de quem disponibilizava esta informação, mas daquilo a que esta dizia respeito, o que dificultava, ou tornava virtualmente impossível, seguir um utilizador cujos conteúdos possam ser particularmente interessantes.

Para que tal seja possível é necessário que quem pretende ter seguidores configure as suas defenições de privacidade de modo a que as actualizações sejam visíveis por outros utilizadores, sendo sempre possível determinar quais as que são privadas, ou partilhadas de forma restrita, e as que são públicas e podem ser visualizadas por todos.

Tendo em conta que o Google tem previlegiado diversos tipos de interacção, destacando os utilizadores que mais contribuem para o Google Maps, para os quais existe um sistema de promoções e mesmo de algum tipo de recompensa, a possibilidade de seguir utilizadores individuais, que se destaquem numa dada área, parece fazer todo o sentido e integra-se na tendência que parece consolidar-se.

segunda-feira, agosto 03, 2020

"A sorte ajuda os audazes" - 4ª parte

Assim, não mesmo que não se possa imediatamente tirar conclusões, a prudência deve imperar e proceder-se, com a rapidez possível a uma conjugação dos dados obtidos através das averiguação perliminares dos vários acidentes, mesmo aqueles dos quais não resultaram vítimas mortais, pois a ocorrência ou não de mortes pode resultar de detalhes ou factores específicos, de modo a extrair as conclusões possíveis e, caso julgado necessário, introduzir alterações aos procedimentos actuais.

É inadmissível esperar pela conclusão das várias investigações em curso, sempre morosas, ou pelo fim da época de maior intensidade de incêndios florestais, para verificar se existem causas que possam ser devidamente indebtificadas e adoptadas as medidas necessárias, de modo a que estas tenham efeito o mais cedo possível, evitando, tando quanto possível, que existam mais vítimas.

Não podemos deixar de recordar que a expressão "a sorte ajuda os audazes" tem raizes militares, sendo uma forma de transmitir a importância que uma acção inesperada, eventualmente arriscada, se possa revelar decisiva, tal o seu grau de imprevisibilidade e o efeito psicológico que pudesse provocar, mas que tal, face ao fogo, não é apenas inviável como, quase sempre contraproducente, contrariando os princípios básicos de prudência e a disciplina táctica que levou anos a implementar.

Esta expressão proferida pelo Presidente da República, infelizmente, traduz a triste realidade, onde parece que, entre equipamentos de protecção individual e a sorte, a opção foi por esta última, num jogo arriscado, talvez adequado para um casino, mas que, quando está em causa a vida humana e face à probabilidade estatística, inevitavelmente resultará na morte de diversos operacionais, facto indesmentivelmente demonstrado pela realidade a que assistimos.

domingo, agosto 02, 2020

Cinco anos de duração de bateria Zenith num Defender Td5

Queremos complementar a informação prestado no final do ano passado, na altura em que subsituimos a bateria do Discovery quando esta tinha perto de quatro anos e meio de uso, pela referente à do Defender, que durou pouco mais de cinco anos, tendo sido substituida no final de Julho.

Com os preços a manterem-se inalterados, passados cinco anos, e fazendo contas à inflação registada, é manifesto que os 120 Euros de uma bateria para o Defender são um valor módico, mais baixo nos dias de hoje do que na altura da primeira aquisição, e que a sua duração num veículo que já ultrapassou a vintena de anos é mais do que satisfatória.

Durante todo o período de vida, e até ficar virtualmente inutilizável, a bateria que usamos no Defender nunca nos deixou ficar mal, muito embora nos tempos mais recentes se notasse algum pequeno desgaste, tendo sobrevivido a períodos de imobilização, decorrentes de reparações ou manutenções, sem problemas notáveis.

Não tendo as características da bateria original, que é francamente mais dispendiosa, as baterias que temos utilizado, sejam da Zenith, sejam UltraPower, têm se revelado adequadas, proporcionado a energia necessária ao arranque, que no caso dos Td5 anda pelos 800 CCA, e demonstrando uma durabilidade que se adequa ao preço pago.

sábado, agosto 01, 2020

Whatsapp vai permitir usar a mesma conta em diversos equipamentos

O Whatsapp está a testar uma nova funcionalidade que permite ser utilizado em diversos dispositivos móveis desde que partilhem o mesmo número de telefone, o que implica, naturalmente, a existência de cartões SIM, mesmo que virtuais, instalados em cada equipamento.

Esta possibilidade está a ser testada, de forma restrita, em dispositivos com sistema operativo Android, pelo que os utilizadores de iPhone poderão ter que esperar mais tempo para poderem dispor desta funcionalidade, que tem vindo a ser pedida pelos utilizadores do Whatsapp desde há muito, mas que, por levantar várias questões de programação e gestão, tem sido adiada.

Esta funcionalidade implica um sistema aperfeiçoado de sincronização entre os vários dispositivos agregados a uma mesma conta, incluindo-se aqui mensagens, fotos ou ficheiros enviados e recebidos, bem como a gestão de permissões e das próprias sessões abertas no vádios dispositivos.

Uma vez ultrapassadas estas questões, e verificada a segurança desta funcionalidade, a mesma será alargada aos utilizadores das versões "beta" antes de finalmente ser alargado a todos quantos utilizam esta popular plataforma de comunicações.