quinta-feira, julho 02, 2015

Helicóptero cai em missão de combate aos fogos - 2ª parte

Só após um inquérito ser possível apurar as causas reais deste acidente, mas é de salientar que as quedas por falha mecânica durante o processo de reabastecimento de água não são inéditas, ocorrento num momento em que, com um substancial aumento de peso, se verifica um período de maior esforço dos motores.

Dado que este é um procedimento standard, para o qual a maioria, ou mesmo a totalidade, dos pilotos estão devidamente preparados, tendo repetido a manobra inúmeras vezes, salvo um imprevisto, será sempre no sentido de uma falha técnica que irão as maiores suspeitas, ocorrendo imediatamente a questão da manutenção das aeronaves, com tudo o que tal implica em termos de segurança não apenas para estas e para o pessoal de voo, como também para todos quantos operam em terra.

Assim, a suspeita vai no sentido de este acidente replicar aquele que colocou fora de uso um Kamov, na sequência do qual os helicópteros deste modelo ao serviço da EMA foram colocados fora de serviço e relativamente aos quais a questão da manutenção e estado de operacionalidade levante numerosas questões que abordamos recentemente, as quais ganham agora uma maior premência.

Torna-se cada vez mais necessário e urgente investigar o estado das aeronaves provenientes da EMA, das quais apenas 3 das 10 originais estão operacionais, bem como todo o processo que levou à sua aquisição, as razões da escolha dos modelos adquiridos, até à escolha de um modelo de negócio inviável, ao desastre financeiro e à quase inutilidade dos meios adquiridos, cuja operacionalidade, sobretudo após este acidente, deve ser questionada.

quarta-feira, julho 01, 2015

A câmara para veículo F90G com GPS - 11ª parte

Felizmente, recorrendo ao "Registrator Viewer", é possível tirar partido das potencialidades desta câmara e, sobretudo do sistema de registo via GPS, que se revelou extremamente rápido a adquirir sinal de satélite e com uma excelente precisão e sensibilidade, mesmo colocado no interior de uma viatura, desde que num local adequado, como no para brisas.

Chamamos a atenção para o facto de, tal como noutros equipamentos, se verificar uma distorsão relativamente a algumas indicações do GPS, nomeadamente em termos de velocidade, que sobe acima do real quando em aceleração, ou em termos posicionais, o que resulta do erro normal deste tipo de GPS, pelo que a precisão ronda os 4 a 5 metros se compararmos a posição indicada contra aquela que é real.

Também pode ser necessário recorrer ao "software", neste caso ao "Registrator Viewer", para acertar o vídeo com a imagem, sendo óbvio que a data e hora da câmara não são acertadas pela informação proveniente do GPS e sim de forma manual, de onde pode resultar algum desfasamento que se torna necessário corrigir.

Uma última palavra vai para o pequeno manual que acompanha o produto, e que nada tem a ver com este, tendo-nos sido enviado outro, que convertemos para PDF e disponibilizamos aos nossos leitores, o qual, não correspondendo ao modelo exacto desta câmara, permite entender o funcionamento desta.

terça-feira, junho 30, 2015

Helicóptero cai em missão de combate aos fogos - 1ª parte

Um helicóptero ao serviço da Autoridade nacional de Protecção Civil (ANPC) caiu durante reabastecimento, quando participava numa missão de combate a um incêndio florestal, ferindo ligeiramente o piloto, único ocupante da aeronave, que foi transportado para o Hospital de S. João, no Porto, de onde já teve alta.

O helicóptero tinha desembarcado uma equipa do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro da Guarda Nacional Republicada, cujos elementos, ao aperceber-se da queda da aeronave, nadaram até ao local, resgatando o piloto com recurso a uma jangada improvisada, quase certamente evitando um acidente fatal.

O acidente ocorreu em Lamoso perto da hora de almoço, no concelho de Paços de Ferreira, quando apoiava o combate a um fogo que deflagrou em Sanfins, ficando o helicóptero inoperacional, em consequência dos danos, sendo de prever que esta será uma baixa defenitiva no dispositivo de combate aos fogos, eventualmente defenitivamente perdido, estando a ANPC a procurar uma solução de substituição.

Apesar de este helicóptero não ser um dos Kamov, cuja manutenção tem levantado numerosos problemas, este segundo Ecureil a ser perdido, fazia parte do mesmo conjunto que incluia 6 kamov Ka32 e 4 destes helicópteros ligeiros, também designados por AS350, pelo que, de alguma forma, está relacionado com os helicópteros pesados que foram igualmente propriedade da extinta Empresa de Meios Aéreos (EMA).

segunda-feira, junho 29, 2015

A câmara para veículo F90G com GPS - 10ª parte

Os contras deste modelo, excluindo a questão do preço, que sendo mais elevado que outros modelos, fica muito abaixo dos que lhe são funcionalmente equivalentes, são alguma complexidade no uso, que implica uma instalação e configuração cuidadas, alguma fragilidade, incluindo a nível dos sistemas de suporte, que deviam ser mais flexiveis, sobretudo na câmara da rectaguarda, bem como a bateria interna, insuficiente para manter em funcionamento por um tempo adequado todo o sistema que inclui diversos componentes.

Talvez o maior inconveniente seja mesmo a necessidade de desconectar alimentação, GPS e câmara traseira, para além de soltar o suporte, sempre que se pretende ligar a câmara a um computador, o que, obviamente, não sendo complexo, é incómodo, podendo ser mais simples, caso possível, levar um portátil ao veículo e trocar o cabo de alimentação por um USB ligado ao computador, descarregando assim os conteúdos do cartão de memória.

A questão da passagem dos três cabos, e a respectiva fixação, bem como o posicionamento dos vários componentes, varia conforme o modelo do veículo onde o sistema é instalado e, naturalmente, dos próprios objectivos, sendo completamente diferente caso se pretenda uma instalação defenitiva, onde os cabos podem ficar sob revestimentos, mas que impede serem removidos, ou de forma mais autónoma, recorrendo a suportes, mas que implica os cabos ficarem visíveis.

Também o "software" proposto pelo fabricante, designado por "GPS Multimedia Player", funciona de forma muito defeciente, tem inúmeras limitações e revela-se não apenas instável e propenso a erros, mas completamente inadequado e incompatível com as possibilidades da câmara, pelo que a sua substituição é inevitável.

domingo, junho 28, 2015

Compramos duas barras de tejadilho para Defender

Como elemento de base para um projecto que temos vindo a preparar, pretendemos adquirir duas barras de tejadilho para Defender baratas, em ferro, de preferência na zona de Lisboa ou que aí possam ser entregues.

Damos preferência a modelos não ajustáveis, por questões de solidez sendo que o estado de pintura não interessa, dado que será danificada no decurso do projecto, que inclui adição de outros elementos através de soldaduras.

A foto que incluimos é apenas um exemplo do pretendido, sendo que a secção pode ser circular ou quadrangular e os cantos podem ser arredondados ou em angulo, mas sempre com a condição, por implicar soldaduras, ser em ferro.

As propostas podem ser enviadas por correio electrónico ou neste "post", sob a forma de comentário, sendo óbvio que o valor terá que ser substancialmente inferior ao do mesmo produto em estado novo, para o que usamos como referência os valores praticados em "sites" como a "Paddock Spares".

sábado, junho 27, 2015

A câmara para veículo F90G com GPS - 9ª parte

Apesar da sua sofisticação e complexidade, a F90G é fácil de utilizar, cumprindo bem as suas funções como câmara de bordo, registando imagens provenientes de duas fontes, adicionando a informação geográfica e permitindo ser integrada numa solução mais abrangente, sem com isso se revelar excessivamente dispendiosa, mesmo na sua configuração mais completa.

Assim, e alertando para as diversas variantes, com "chipsets" diferentes, procurando bem é possível encontrar uma destas câmaras por pouco mais de meia centena de Euros, já incluindo portes, sendo de adicionar um cartão de memória, que sugerimos ser de 32 Gb e acrescenta uma dezena de Euros ao valor do equipamento, podendo ainda considerar-se alguns "clips" de fixação, portanto, com um valor entre os 65 e os 90 Euros, dependendo da Alfândega.

Podemos, portanto, estar a falar de uma solução que pode chegar até perto de uma centena de Euros, obviamente bem mais dispendiosa do que uma das câmaras mais comuns, mas consideramos que o acréscimo de funcionalidades, caso sejam utilizadas na sua plenitude, mais do que justificam o preço pedido por um modelo recheado de tecnologias que permitem um rápido retorno do investimento.

Das várias câmaras que testamos, e lembramos que começamos por um modelo que, sem interpolação, atingia apenas os 640x480 pixels e não dispunha de extras, para além dos mais básicos, como os "leds" de iluminação noturna ou a adição de data e hora, passando por modelos onde a melhoria corresponde essencialmente à qualidade de imagem ou pela adição de sensores ou GPS, a F90G é, sem dúvida, algo completamente à parte, representando a avanço tecnológico dos últimos anos que pode ser obtido por um preço ainda recentemente considerado impossível.

sexta-feira, junho 26, 2015

Inglaterra continua a permitir o todo o terreno

No termo de um longo processo, e de uma prolongada luta de dois anos, foi aprovada no Reino Unido a legislação que vai permitir continuar a circular fora de estrada, o que tem óbvias implicações na prática do todo o terreno, colocado em risco pela possibilidade de transitar fora das vias poder ser proíbido.

o "Deregulation Act 2015", não aumenta o número ou tipo de restrições anteriormente determinadas nos anteriores actos legislativos, vindo, no entanto clarificar algumas situações, prevendo excepções e abordando um extenso conjunto de questões que vão desde o direito de circulação à responsabilidade em caso de acidentes e às normas de segurança a observar.

Tal como outros documentos legais, o "Deregulation Act" está disponível na Internet, em formato PDF, tendo mais de duas centenas de páginas de leitura difícil, dado remeter para legislação e documentação complementar, acrescendo o facto de a estrutura legal, penal e processual no Reino Unido ser substancialmente diferente da nossa.

Não obstante as diferenças, para quem se interesse pelas questões legais conexas com a prática do todo o terreno e queira avaliar a legislação britânica ou compará-la com a nossa, que, face a pressões e a alguns comportamentos inadequados, pode vir a ser alterada, a leitura deste documento pode revelar-se interessante e útil, inclusivé como contributo para o melhoramento da legislação nacional.

quinta-feira, junho 25, 2015

A câmara para veículo F90G com GPS - 8ª parte

É de notar que esta câmara, ligada a um computador pessoal, sem qualquer "software" adicional, é reconhecida como uma unidade de armazenamento, tal como uma "pen" USB, permitindo as normais operações sobre ficheiros recorrendo aos programas ou comandos inerentes ao sistema operativo, sendo ainda possível correr os vídeos sem os descarregar.

Outra opção para visualizar os vídeos é ligando a câmara a uma televisão, ou equivalente, via conexão AV ou HDMI, e recorrer aos menus de gestão de ficheiros contidos na própria câmara que, para além das normais operações sobre dispositivos de armazenamento, também permitem correr os vídeos ou apresentar as fotos.

Para visualizar os vídeos conjuntamente com a informação geográfica proveniente do GPS, obviamente, implica mais trabalho, nomeadamente copiar para além das sequências, toda a informação posicional associada e dispor de um programa apropriado, capaz de interpretar e apresentar ambos em conjunto, recorrendo a um mapa digital, como o Google ou Bing Maps, para interpretar as coordenadas.

Existem diversos programas, incluindo o conhecido "Registrator Viewer", que permitem efectuar este tipo de visualização conjunta, sendo possível recorrer a um programa de gravação de écrans, como o "SRecorder", que geram vídeos, de modo a gravar todo o conjunto num formato que permite ser visto pelos leitores mais comuns, como o "Windows Media Player".

quarta-feira, junho 24, 2015

Mais mortos nas estradas portuguesas em 2015 - 5ª parte

Obviamente, não existem números quanto a inspecções de veículos efectuadas de forma irregular, mas não temos dúvidas que, podendo o suborno ser menos custoso do que uma reparação, esta será uma opção mais frequente em tempos de crise, do que resulta uma muito menor segurança do parque circulante, envelhecido e com manifesta falta de manutenção, com a possibilidade de potenciar acidentes particularmente graves.

O substancial aumento de multas de trânsito, incluindo também aquelas que são referentes ao veículo, como falta de seguro obrigatório ou de inspecção periódica, mas sobretudo nas que dizem respeito ao comportamento dos condutores, incluindo um elevado número que resulta de comportamentos considerados como de risco e que são consideradas como infrações graves, reforçam a ideia de que o principal problema continua baseado no factor humano, o que não espanta num país onde a saúde mental é menorizada.

A combinação destes factores que enunciamos tem óbvias implicações no número de acidentes, sendo de seguir a tendência nos próximos meses, mas, sobretudo, analisando dados mais específicos, de modo a individualizar os factores mais decisivos, na correcção dos quais deverá ser efectuado um maior esforço, sabendo-se sempre que, sem a colaboração de todos, dificilmente se atingirão os resultados pretendidos.

Ao contrário de estatísticas resultantes de um universo ou período muito limitado, e no caso da sinistralidade um mês é um período curto, bastando um ou dois acidentes particularmente graves para que se registe um aumento anormal, cinco meses revelam uma tendência preocupante, que não resulta de ocorrências ocasionais, mas de algo de consistente, que tem que ser analisado e discutido na persecução de medidas que contribuam para inverter esta evolução.

terça-feira, junho 23, 2015

A câmara para veículo F90G com GPS - 7ª parte

O segundo cabo, que alimenta e recebe sinal da câmara secundária, é o mais longo e o encaminhamento depende, naturalmente, do local onde se instalar a câmara, que pode ser, caso possível, no óculo do vidro traseiro, orientando-a da forma considerada mais conveniente, de modo a que capte imagens perto, particularmente úteis durante manobras de estacionamento, mas também de um veículo em aproximação.

O último cabo é o de alimentação, tendo de um lado o conector USB para a câmara e do outro um para tomada de isqueiro, podendo ser substituido por um simples cabo USB, caso esteja disponível uma tomada desse tipo, devendo-se escolher a solução mais estável, evitando oscilações ou mesmo o desligar caso se verifiquem solavancos ou movimentos mais bruscos.

Caso exista um percurso parcialmente comum, sugerimos recorrer a abraçadeiras autocolantes, como as da imagem, para manter os cabos unidos, o que facilita prendê-los, sendo sempre possível que fiquem parcialmente escondidos pelas palas do veículo, descendo depois junto do pilar do parabrisas ou, no caso do cabo da câmara secundária, seguindo junto ao tejadilho em direcção à rectaguarda.

Fica assim feita a ligação física, algo mais complexa do que em câmaras mais simples e que tem como inconveniente uma maior dificuldade em remover a câmara, sendo quase certo que terá que ser retirada para que o conteúdo seja lido num computador, via cabo USB, dado que optar por mantê-la no local e, simplesmente, remover o cartão de memória e lê-lo numa unidade de leitura apropriada ao formato micro SD se revela extremamente difícil, correndo-se o risco de danificar ou perder o cartão.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin