sábado, maio 20, 2017

Lisboa, cidade fechada - 25ª parte

Quando muitos pensavam que o pesadelo das obras mal idealizadas terminara, um folheto revela que tal não passava de um engano, surgindo a informação de que o piso de uma via, neste caso a Filipa de Vilhena, será substituída, algo que se justifica, mas que, em simultâneo, parte da rua passa a ter um único sentido.

A intervenção para substituir os actuais paralelipípedos por um tapete de asfalto betuminoso, caso efectuado de acordo com as boas práticas, resolve o problema da degradação do mesmo, mas a alteração do tráfego irá ter consequências graves na circulação local, obrigando a alargar substancialmente os trajectos, alguns dos quais sem alternativa prática.

Ao permitir apenas um sentido na Rua Filipa de Vilhena, numa zona em que abundam os sentidos únicos, verifica-se imediatamente que deixam de existir alternativas para a circulação em diversas direcções, que se agravam numa perspectiva mais alargada, sobretudo para quem tenha que efectuar cargas e descargas na zona afectada e venha de Norte, sendo exemplo que vier do Campo Pequeno e agora tem que dar uma volta de extensão absurda.

Se actualmente aceder à Filipa de Vilhena implicava apenas percorrer a R. do Arco do Cego e efectuar duas curvas, agora tudo se complica, seja perante a impossibilidade de virar à esquerda da Defensores de Chaves, o que obriga a um extenso trajecto para efectuar a manobra, seja perante as alterações no Bairro do Arco do Cego, sendo quase certo ter que contornar todo o bairro para entrar numa via que, antes das alterações, podia ficar a escassos metros.

sexta-feira, maio 19, 2017

Bombeiros de Lisboa vão de comboio combater os fogos - 1ª parte

O secretário de Estado da Administração Interna anunciou que este verão, 90 bombeiros de Lisboa vão deslocar-se para os incêndios em Viana do Castelo de comboio e autocarro, como forma de "evitar desgaste" das viaturas de serviço e os acidentes de trânsito.

Nesta notícia que consta da edição desta quinta-feira do Jornal de Notícias, o secretário de Estado Jorge Gomes, perante o Parlamento, incluiu esta medida no que designou por uma nova "visão estratégica" destinada a evitar o cansaço resultante de grandes deslocações, bem como "acabar com as colunas de bombeiros a circular nas auto-estradas, o que não era uma imagem positiva".

Segundo este governante, a CP e o Governo já assinaram um protocolo nesse sentido, mas não informaram os bombeiros que têm conhecimento desta opção através da comunicação social, algo que os impede de, previamente, contestar esta opção que, tendo as vantagens mencionadas, levanta outro tipo de questões.

Sem ser integrado num plano mais vasto, uma medida avulsa, a que acresce, por exemplo, a ideia de fornecer rações combate, numa sucessão de ideias que surgem de forma isolada e algo desconexa, não indicía a presença de uma perspectiva global e sólida que permita delinear um plano coerente e eficaz, ficando-se por um conjunto de alterações que, isoladamente, ou no pequeno conjunto que representam, pouco impacto têm.

quinta-feira, maio 18, 2017

ELM327 tem versão 2.2 - 1ª parte

O popular "chip" ELM327, muito utilizado em dispositivos de diagnósticos, chegou à versão 2.2, com a implementação de uma nova programação interna, ou "firmware", que aumenta as funcionalidades disponíveis, compatibilizando-o com um maior número de veículos.

A última versão, a v2.2, tem como principais novidades as seguintes implementações internas:

– O comando AT CS passa a apresentar a frenquência CAN
– Foram adicionados as velocidades de 12.500 e 15.625 bps ao protocolo ISO/KWP
– O novo comando AT CER hh permite definir o endereço CEA Rx
– Os novos modos de controle IFR 4, 5 e 6 permitem monitorizar o protocolo J1850
– Foi adicionado um PP 1F que permtite ao protocolo KWP ter o comprimento para incluir um byte de verificação ou "checksum"
– O PP19 aumentou de 31 para 4F

Estas alterações podem ou não ter utilização prática, dependendo das utilizações específicas, pelo que para muitos utilizadores, cujas necessidades estão satisfeitas pelas versões mais antigas, como a 1.4, não sentirão a necessidade de proceder à aquisição de um novo equipamento.

quarta-feira, maio 17, 2017

"Ransomware" em Portugal - 3ª parte

Nesta última vertente, aplicam-se os conselhos habituais, como os de não abrir ficheiros incluídos em mensagens de remetentes não confirmados ou seguir ligações que podem aparentar ser genuínas, mas podem apontar para "sites" que não os constantes da descrição, ter instalado um anti-vírus actualizado, bem como as últimas actualizações do sistema operativo.

É de notar que, segundo a Microsoft, os equipamentos com Windows 10 não foram atacados, estando implementados níveis de segurança que oferecem uma protecção mais sofisticada, sendo que tal acontece quando estão instaladas as últimas actualizações e não foram desactivados os serviços de segurança do próprio fabricante, situação que pode acontecer quando substituídos por outras opções.

Lembramos que estes ataques são oportunistas na maior parte dos casos, ou seja, não se destinam a alvos específicos, atingindo todos quantos fiquem com os computadores infectados, pelo que o facto de se espalharem por uma empresa pode significar apenas que houve uma infecção por propagação e interna e que, sendo atingido um sector de actividade, tal se pode dever somente a partilharem informações ou contactos entre sí, não se provando que seja uma acção coordenada apenas com base nos alvos atingidos.

Naturalmente, é preocupante, e diz muito acerca da segurança de uma empresa quando esta permite que um ataque deste tipo se propague numa rede interna, já que pode ser complicado impedir o ataque a computadores individuais quando estes existam em número muito elevado e a actividade implique contactar utilizadores externos, como potenciais clientes, de onde podem ser provenientes focos de infecção iniciais.

terça-feira, maio 16, 2017

Os prestadores de serviço de Internet e o "phishing" - 3ª parte

Naturalmente, a análise, mesmo baseada em algoritmos, do conteúdo de mensagens tem sérias implicações a nível de privacidade, podendo ser contestável a vários níveis, mas esta mesma forma de análise está presente em áreas tão distintas como o combate ao terrorismo ou à criminalidade organizada, implementada por agências ou serviços de segurança que alargam a sua acção muito para lá das suas fronteiras territoriais.

O recurso a sistemas de denúncia não automatizados, que basicamente se baseiam nos relatórios de "sites" especializados ou de utilizadores da rede implica, naturalmente, alguma demora até que um operador valide a queixa e remova os conteúdos assinalados ou bloqueie a conta utilizada, sendo certo de que, durante este lapso de tempo, mesmo que breve, se podem ter verificado consequências.

Agrava este problema a falta de legislação, sensibilidade ou mesmo vontade de muitos operadores, que tendem a não agir, muitas vezes suportados nalguma cumplicidade de autoridades locais, o que permite aos criminosos do ciberespaço escolhê-los com veículos preferenciais para desenvolver as suas actividades, certos de que dificilmente serão punidos pelos seus actos, que tendem a prolongar-se no tempo.

Face a estas óbvias limitações e falta de cooperação, surgem dificuldades em bloquear, de forma automática e antes que haja consequências, os "sites" onde se alojam páginas falsas, destinadas a enganar os utilizadores, pelo que apenas restam os filtros, que podem ser apenas os adicionados pelos utilizadores, ou as listas de endereços ou "sites" bloqueados, normalmente desactualizados face à extrema fluidez da Internet.

segunda-feira, maio 15, 2017

"Ransomware" em Portugal - 2ª parte

A gravidade deste ataque implicou que várias empresas encerrassem serviços ou desactivassem equipamentos, com a Polícia Judiciária a ser chamada para investigar um ataque que, pela sua amplitude, se revela como um dos mais sérios dos que ocorreram no nosso País e chegaram ao conhecimento do público.

Consideramos que, não obstante a importância da visita do Papa ao nosso País, devia ter sido dada uma maior importância a este ataque que, pela sua extensão e facilidade de propagação de "software" infectado, pode afectar um largo número de computadores e paralisar várias empresas, extendendo-se a particulares que acedam ao mesmo tipo de programas e que, naturalmente, serão igualmente obrigados a efectuar pagamentos para voltar a aceder aos seus dados.

Obviamente, este tipo de ataque não afecta o "hardware", pelo que aqueles que possuam cópias de segurança dos dados devidamente actualizadas podem, pura e simplesmente, optar por reinstalar o sistema operativo, formatando o disco, e proceder à instalação dos programas previamente existentes de dos dados, numa operação morosa e que exige alguns conhecimentos, mas que evita problemas posteriores.

Existem várias soluções possíveis, desde a mais sofisticada opção de desactivar o serviço atacado, através do qual se propaga a infecção, até à actualização atempada do sistema operativo, passando pelo recurso a ferramentas específicas, como o Anti Ransom V 3 ou por anti-vírus adequados, sendo certo que o bom senso será sempre a melhor arma contra este tipo de ataque.

domingo, maio 14, 2017

Funcionalidades do "Neon" presentes na nova versão do "Opera"

A nova versão do Opera, um "browser" ainda pouco conhecido pela maioria dos internautas, veio implementar algumas das funcionalidades de versões consideradas experimentais, como o "Neon" ou o "Reborn", onde são testadas novas soluções antes de estas transitarem para versões definitivas e devidamente estabilizadas.

Entre as novidades que transitam do "Neon", está a inclusão dos sistemas de mensagem instantânea, agora presentes numa barra do lado esquerdo, onde se encontram igualmente os acessos a favoritos, configurações, extensões, "tabs" abertas ou histórico de navegação, que ficam assim muito mais acessíveis, mantendo-se outras opções populares, como o uso de VPN gratuito e com tráfego ilimitado ou o "pop-up" para vídeo.

Um novo tema escurecido, destinado a melhorar a visibilidade, um acesso mais simples à parametrização da página inicial, novos fundos conferem um aspecto mais fluído, mesmo mais repousante para a vista, mas, sobretudo, mais funcional, sobretudo para quem utilize mensagens instantâneas.

Sendo uma versão estável, disponível em 32 e 64 "bits", a actualização para esta versão é automática para todos os utilizadores, sendo efectuada de forma rápida e transparente para o utilizador, bastando ir até ao menú "About" para que todo o processo se realize sem intervenção do utilizador.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin