sábado, agosto 05, 2017

Desatascar nas férias - 2ª parte

Naturalmente que podem ser necessárias diversas unidades, por exemplo quatro por pneu, o que encarece o sistema, mas que, por outro lado, o flexibiliza, permitindo uma deslocação contínua e sem reposicionar nenhuma das cintas que, após o uso, se removem com facilidade e ocupam pouco espaço de armazenamento.

As pranchas de desatascanço mais baratas, em polipropileno negro e com dimensões aproximadas de 63.5 x 20.5 x 2.5 centímetros, e que podem ser adquiridas aos pares por perto de 14 Euros, são outra opção a ter em conta, podendo justificar-se adquirir dois pares, seja para veículos com tração integral, seja para ir rodando as pranchas e colocando-as sucessivamente em posição.

Modelos dobráveis, mais fáceis de acondicionar, tendem a ser mais dispendiosos, podendo rondar a vintena de Euros para uma mesma dimensão, sendo comum terem capacidade para veículos com peso até 3.500 quilos, dependendo sempre do tipo de solo e das suas irregularidades, que podem estar escondidas sob uma camada fina de areia ou neve.

Os modelos articuláveis têm ainda a vantagem de poder contornar melhora algumas irregularidades do terreno, ficando mais ajustadas, o que permite utilizá-las sobre terrenos mais agrestes sem as danificar, mas o preço, para aquelas que são mais resistentes, tende a ser substancialmente mais alto, ultrapassando a trintena de Euros para uma dimensão semelhante.

sexta-feira, agosto 04, 2017

Redes "tier" e rádios digitais - 3ª parte

Desta forma, para além de emissor e receptor, cada nó da rede, que neste caso será um simples rádio digiral, reenvia o tráfego que recebe e não lhe é destinado, o que permite, havendo uma teia adequada, que um destinatário fora do alcance do emissor original, seja contactado e receba o tráfego que lhe é destinado.

Este tipo de rede, não estruturada e dinâmica, dado depender da disponibilidade e posicionamento dos equipamentos a cada momento, tem, naturalmente, alguns inconvenientes, como o da imprevisibilidade, resultando da impossibilidade de conhecer antecipadamente a evolução do posicionamento dos nós e de uma óbvia dificuldade em acompanhar a sua movimentação.

Naturalmente, que sem o apoio de uma estrutura de repetidores fixa, uma rede baseada em rádios com repetidores móveis tem um alcance limitado, a nível local, sendo adequado para estabelecer comunicações não estruturadas entre os integrantes da rede, mas sem comunicação com o exterior, o que o torna limitativo e inadequado para muitos fins, mas pode ser uma opção para pequenas soluções de emergência.

Aliás, esta situação, noutro enquadramento, foi o que sucedeu recentemente quando diversos repetidores do SIRESP entraram em modo local, permitindo a comunicação entre os equipamentos a ele ligados, mas impossibilitando a comunicação mais alargada, a qual era efectuada através de um circuito interrompido e para o qual não havia uma alternativa de recuperação automática.

quinta-feira, agosto 03, 2017

Desatascar nas férias - 1ª parte

Nesta altura de férias, com deslocações em locais mais remotos, a possibilidade de ficar atascado aumenta e o auxílio pode tardar, pelo que convém antecipar esta eventualidade, investindo nalgum dos diversos acessórios destinados a resolver este problema.

As nossas propostas vão no sentido de equipamentos baratos e muito simples de utilizar, que não impliquem dispor de ferramentas ou conhecimentos específicos, nem que requeiram força física, podendo sempre ser complementados por uma simples pá que permita remover com maior facilidade tudo quanto se acumule junto das rodas.

As cintas com uma pequena plataforma anti-derrapante, destinadas a aumentar a aderência em superfícies com areia ou neve, são uma opção barata, com cada unidade a custar perto de 7 Euros, sendo compatíveis com pneus que, com jantes, possam ser abraçados por uma correia com extensão de 90 centímetros.

O processo de utilização é extremamente simples, bastando colocar a cinta em torno do pneu, na zona onde esteja prestes a entrar em contacto com o solo, apertando-a devidamente, e acelerar, sendo, naturalmente, de verificar se ambos os pneus necessitam de uma maior aderência e se apenas uma unidade por pneu é suficiente.

quarta-feira, agosto 02, 2017

Redes "tier" e rádios digitais - 2ª parte

Os recentes rádios digitais, entre eles os Baofeng que aqui apresentamos, cumprem esta a norma "tier 1" com possibilidade de actualizar o "firmware" para "tier 2", implementando um conjunto de funcionalidades que os torna particularmente interessantes, nomeadamente por disporem de uma função de repetidor, do que resulta, quando integrado numa rede compatível, um desempenho importante na própria estrutura utilizada.

Basicamente, um repetidor é um equipamento que recebe dados e os retransmite, após intensificados, permitindo que estes transitem de um destes pontos para outro até alcançarem o destinatário final, que, ao responder, utilizará um processo semelhante, por etadas, onde o sinal é sucessivamente regenerado.

Os repetidores podem estar ligados entre sí de várias formas, seja por um cabo físico, seja ampliando e repetindo um sinal rádio eléctrico, propagado através da atmosfera ou recorrendo a um satélite, solução tipicamente utilizada como recurso quando o circuito primário fica interrompido.

Sendo compatíveis com os Motorola, a funcionalidade de repetidor digital VHF/UHF recorrendo a um "time slot", ou intervalo de tempo, presente nos Baofeng pode integrar-se com diversos tipos de repetidor externo, numa situação paralela à existente em sistemas como os TETRA DMO.

terça-feira, agosto 01, 2017

Disponível o CompeGPS 8.22

Está disponível para descarga o CompeGPS 8.22, um programa particularmente popular na área da orientação, que permite recorrer aos mapas militares existentes, o que lhe confere uma grande flexibilidade e a possibilidade de operar mesmo quando não está disponível uma ligação à Internet.

Este programa, para além de permitir uma visualização tridimensional e navegação sobre o mapa, numa perspectiva aérea, tem um conjunto de funcionalidades, como elaboração e seguimento de trajectos, análise de distâncias percorridas e a percorrer, variações de elevação, estando disponíveis numerosas parametrizações que dão origem a outras tantas possibilidades de análise.

A possibilidade de partilhar dados com outras plataformas e de sincronizar os vários dispositivos, a compatibilidade com numerosos formatos de mapas, a edição com recursos a múltiplas ferramentas, facilita em muito o planeamento e mesmo a antevisão do trajecto a percorrer, permitindo ainda elaborar "road books" ou geo-referenciar fotos.

É possível testar este programa gratuitamente durante 30 dias, após o que deverá ser licenciado, procedendo à compra de uma licença, ou actualização de uma existente, que é válida para até 3 dispositivos diferentes, sendo compatível com plataformas Windows e MacOS, podendo ainda descarregar os dados para diversos modelos de GPS, autonomizando-os.

segunda-feira, julho 31, 2017

Redes "tier" e rádios digitais - 1ª parte

Para além das redes IP mais comuns, e aquelas que permitem o acesso mundial à Internet é o exemplo melhor conhecido, existem outras redes, com uma estrutura e funcionalidades diferentes, destinadas, muitas vezes a fins específicos e com um acesso mais ou menos controlado, que em muitos casos são apenas compatíveis com equipamentos desenhados para a elas aceder.

A expressão "tier", que se pode traduzir em português por camada, na sua modalidade "tier 1" está associada a um tipo de acesso gratuito, onde a passagem de tráfego de um operador através de recursos alheios será compensada através de reciprocidade e não de um pagamento, pelo que existe uma parceria entre iguais entre os intervenientes.

Não havendo um regulador ou autoridade que estabeleça ou defina este tipo de rede, aceita-se, comummente que uma rede "tier 1" é uma rede onde que pode aceder a outras redes sem necessidade de comprar tráfego de IP, portanto sendo gratuito, mesmo que possa haver compensações que se traduzem pela reciprocidade de condições.

Naturalmente, por defenição, nem todas as redes gratuitas são incluídas neste tipo de rede, dado que podem existir pagamentos a outros níveis e o tipo de relação entre os diversos nós constituintes das redes pode ter um tipo de estrutura que o diferencie.

domingo, julho 30, 2017

O Baofeng GT-3 Mark IV

Já apresentamos no passado o Baofeng DM-5R, um rádio digital que opera nas frequências de VHF e UHF, e voltamos ao assunto em grande parte devido à contínua descida de preços deste tipo de equipamento, que os torna hoje uma opção realista, face a um preço muito competitivo quando comparados com modelos analógicos, com muito menos potencial.

Uma variante do mesmo fabricante, o Baofeng GT-3 Mark IV, com características muito semelhantes, mas destinado a um uso em situações onde a resistência inerente ao uso ao ar livre implica algumas modificações, pelo que o teclado é mais visível, está disponível uma lanterna incorporada e a própria cor permite uma visualização mais fácil.

Tal como o DMR, este modelo é fornecido com uma bateria de iões de lítio de 2000mAh, antena, "clip" para o cinto, alça para a mão, carregador, adaptador, auscultador com microfone e o manual de utilizador, podendo-se adquirir outros opcionais, disponibilizados pelo fabricante, entre eles um cabo para programação via computador que consideramos obrigatório.

O Baofeng GT-3 Mark IV custa perto de 60 Euros, a que podem acrescer taxas alfandegárias, cerca de mais 10 do que o modelo DM-5R, um valor que se justifica caso se pretenda um equipamento mais adaptado ao uso ao ar livre, e que demonstra que o fim do analógico neste segmento se aproxima rapidamente, deixando de haver desculpas para não optar pelo digital.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin