terça-feira, novembro 20, 2018

447 atropelamentos com fuga em 2017 - 1ª parte

O ano passado foi aquele em que, nos últimos oito anos, se verificou o maior número de atropelamentos nos quais o condutor abandonou o local do acidente sem ter prestado auxílio à vítima, informado as autoridades ou alertado meios de socorro, num total de 447 casos registados pelas autoridades policiais.

O atropelamento é a segunda maior causa de morte em acidentes rodoviários, sendo indeterminado qual o impacto real da não prestação de auxílio por parte do condutor envolvido, que, ao não solicitar o accionamento de meios de socorro e deixar a vítima no local onde caiu, que pode ser de muito alto risco, no número de fatalidades contabilizado.

Obviamente, numa via secundária ou num local mais remoto as consequências tenderão a ser mais graves do que numa zona mais frequentada, onde a probabilidade de outrém dar o alerta será francamente superior, sendo ainda de esperar que os meios de socorro possam chegar mais rapidamente neste último caso, pelo que a gravidade deste tipo de comportamento criminoso no primeiro cenário é muito maior, sendo que, pela maior possibilidade de não ser reconhecido, é onde tende a ser praticado com maior frequência.

As motivações pelas quais tal acontece, e estamos diante de um crime, independentemente da forma como o atropelamento ocorreu, não estão estatisticamente determinadas, surgindo justificações mais díspares, e por vezes difíceis de acreditar, como o não se ter apercebido do facto ou o receio de sofrer represálias, algo possível e situações limite, mas que nunca impediriam o alerta para as autoridades, mesmo que após algum afastamento, sendo mais comum o excesso de consumo de álcool, a falta de habilitação para conduzir, ausência de seguro ou falta de inspecção do veículo.

segunda-feira, novembro 19, 2018

Nova aplicação da Vodafone para famílias - 1ª parte

Os prestadores de serviços multiplos, que incluem Internet, TV e telefone fixo e móvel têm vindo a aumentar e personalizar a sua oferta, com novos níveis de integração e abrangência, oferencendo plataformas de gestão dos seus conteúdos e equipamentos e permitindo a sua configuração e acesso remoto.

A Vodafone foi mais longe, ao adicionar à sua plataforma um conjunto de funcionalidades, que pode ser acedida através de uma aplicação, disponível para "Android" e IOS, a partir de um dispositivo móvel, que permite gerir alguns aspectos da vida familiar, como uma lista de compras ou a chegada a casa de um elemento da família, gerando assim um nível de integração muito superior e que vai para além do mais habitual num operador de comunicações.

A aplicação, ainda em estado "beta", e a respectiva plataforma permite gerir de forma integrada os eventos, familiares ou individuais, incluindo o acesso às localizações partilhadas pelos integrantes da família, ser notificado quando estes entram ou saem da residência, criar listas de compras partilhadas, dispondo de um sistema de calendários e contactos próprios.

A versão actual, a 1.0.1, de 12 de Novembro de 2018, ocupa 22 Mb de memória interna e necessita, no caso de dispositivos "Android" da versão 5.0 ou superior, podendo ser descarregada gratuitamente a partir da "Play Store" e, após instalada e validada com o respectivo número de telefone, permite convidar outros elementos da família, dando assim início ao processo de criação do grupo.

domingo, novembro 18, 2018

O espelho Mio MiVue R30

O Mio MiVue R30 é um sistema que integra um espelho retrovisor e uma câmara, com possibilidade de integração de GPS, que possui um conjunto de funcionalidades interessantes, entre estas a possibilidade de emitir um aviso caso o veículo se desvie da faixa em que circula, passando para outra o para a berma da estrada.

Em termos básicos, com uma resolução de 1296P e a tecnologia H.264, que permite uma excelente compressão, um angulo de visão de 130º, um sistema de detecção de aceleração de 3 eixos, que detecta movimentos particularmente bruscos, como os presentes em acidentes, e a possibilidade de adicionar um receptor de GPS, que irá geo-referenciar as imagens que ficarão gravadas num cartão micro SD de até 32 Gb, este não é um equipamento revolucionário.

Será o sistema de alerta sonoro para transposição de linhas, presentes nas faixas de circulação, a extrema facilidade de instalação, que consiste em prender ao espelho da viatura, através de faixas elásticas, e a extrema facilidade de configuração e operação que distingue o Mio R30 de outros modelos e pode justificar a sua aquisição.

O preço de perto de 120 Euros, nos vendedores mais competitivos, que inclui o sistema de carregamento, pano de limpeza e bandas elásticas, mas a que acrescem portes a partir de Inglaterra, bem como o preço do cartão de memória e, caso se pretenda, do receptor de GPS, é superior ao de outros sistemas, mas a presença do avisador de saída da faixa pode ser interessante, sendo certo que este é um modelo não intrusivo, que dispensa instalação e é discreto, implementando um conjunto de funcionalidades que satisfará a maioria dos utilizadores.

sábado, novembro 17, 2018

Cabo de dados com localizador

Deparamo-nos continuamente com novidades a nível tecnológico, algumas delas podendo revelar-se particularmente úteis, como o cabo de dados USB, que pode igualmente servir para carregamento de dispositivos móveis, com um localizador incorporado, e que pode ser adquirido por perto dos 8 Euros, incluindo portes a partir da Ásia.

Este localizador, de muito pequenas dimensões e peso, tal como qualquer cabo com 1 metro de comprimento, necessita, tal como a maioria, de um cartão SIM válido e desbloqueado, ou seja, que não necessite de código para ficar activo, comunicando através da rede móvel as informações posicionais.

Este tipo de localizador, de muito baixo preço e dimensões muito pequenas, opera com base na triangulação das antenas das redes móveis, não tendo um sistema de recepção de sinal de GPS, pelo que a precisão, sobretudo em zonas mais remotas, será francamente menor, mas operam em espaços fechados e são imunes aos sistemas destinados a bloquear os sinais de satélite, pelo que a sua escolha deve ser equacionada com especial atenção.

Quando não em uso, o cabo permite a comunicação de dados, tendo uma velocidade máxima de 60 Mb/s ligado a uma porta USB tipo 2, e carregamento de alta velocidade, até uma vez e meia mais rápido que cabos convencionais, pelo que, mesmo para quem não pense, logo de início, na função de localizador, este pode ser um investimento a ter em conta.

sexta-feira, novembro 16, 2018

Gavetas de carga para Defender

A Britpart lançou recentemente uma gaveta para o espaço de carga dos Defender, que não transportem passageiros nesse compartimento, propondo assim uma solução que se tem revelado bastante popular, ao nivel a plataforma inferior com a cava das rodas, obtendo-se assim dois níveis de armazenamento com amplas dimensões.

Uma gaveta deste tipo tem, tipicamente 1000 milímetros de profundidade, 750 de largura e 230 de altura, com o sistema de rolamentos a permitir transportar até 150 quilos de peso no interior, sendo construída em metal, normalmente em aço inoxidável, com a superfície superior forrada com alcatifa ou borracha anti-derrapante,

Existem variações, mas a presença de uma pega, que facilite a abertura, e de uma fechadura de segurança, essencial num veículo onde espaços protegidos são escassos, são comuns, havendo modelos que deixam exposta uma pequena área da plataforma de carga, o que permite um acesso mais fácil ao interior, evitando que seja necessário subir directamente para cima da gaveta, algo que, em princípio, deve ser evitado.

Os preços variam substancialmente, com o modelo da Britpart a aproximar-se do milhar de Libras, enquanto no EBay este tipo de gaveta se pode encontrar por metade do preço, acrescendo portes, que atingem quase 200 Euros, inevitáveis, tal o peso e volume deste equipamento, sendo esta uma opção a ter em conta quando é necessário arrumar numerosos items num Defender, sobretudo nos mais curtos, onde o espaço, efectivamente, não abunda, obrigando a uma organização mais complexa e apurada.

quinta-feira, novembro 15, 2018

Buy Me a Coffee


Buy Me a Coffee at ko-fi.com

O "Share GPS" - 1ª parte

Usar num computador os dados posicionais obtidos via GPS de um telemóvel pode ter várias vantagens, como utilizar aplicações específicas para outras plataformas, que implicam recursos físicos distintos, ou dispor de um écran de maiores dimensões, pelo que a partilha de informação de um dispositivo "Android" por ser útil.

O "Share GPS" é uma aplicação gratuita para "Android" que possui, entre outras, as funcionalidades pretendidas, indo bastante mais além, ao registar internamente localizações, que darão origem a percursos em formato KML/KMZ, o mesmo do "Google Maps", ou enviando ficheiros para um servidor, onde ficarão alojados e que, caso o utilizador o pretenda, poderão ser partilhados com terceiros.

É possível enviar os comandos NMEA, ou actuar como um servidor compatível com GPSD recorrendo a "bluetooth", via TCP/IP, recorrendo a WiFi ou dados móveis, ou por USB, sendo, naturalmente, necessário configurar os protocolos de comunicações no computador e defenir qual a porta virtual onde será recebido o fluxo de dados, tal como aconteceria com um receptor fisicamente conectado.

O écran de estado inclui os dados principais de navegação provenientes do GPS, incluindo coordenadas, altitude, velocidade e direcção, distância percorrida desde o início e tempo dispendido, sendo possível partilhar esta informação, nas unidades pretendidas, via área de transferência, ou "clipboard".

quarta-feira, novembro 14, 2018

Interferir em sinais de GPS - 2ª parte

Este modelo concreto tem a referência GW-JU2, é construído em plástico ABS e metal, de cor negra, inclui um écran de "leds" e possui antena interna omnidirecional, com uma potência de 200MW e que opera nas bandas GPS L1, nos 1550-1600MHz, e GPS L2, nos 1200-1300MHz, tornando impossível a recepção destas frequências na área afectada.

Lembramos que o Beidou, o sistema de orientação chinês, opera nas bandas B1, de 1561.1 MHz, B3, de 1268.52 MHz, e B2, nos 1207.14 MHz, portanto fora das frequências deste "jammer", mas o Glonass russo usa as L1 e L2, pelo que será, previsivelmente, afectado, enquanto outros sinais, como WiFi ou rede móvel não irão sentir interferências.

A alimentação é via USB, de 5V DC a 0.5A, portanto compatível com qualquer porta USB, tem um alcance estimado de entre os 3 e os 10 metros, e pode ser utilizado com temperaturas entre os-20 e os +55º, sendo necessário ligá-lo a uma fonte de alimentação externa por não ter bateria interna.

Com apenas 66 x 23 x 10 milímetros e um peso de apenas 33 gramas, este "jammer" é pequeno e discreto, tendo igualmente um preço baixo, que fica pelos 6.50 Euros, o que o transforma num item muito apetecível para quem necessite, e duvidamos das intenções, de um equipamento com este tipo de funcionalidades.

terça-feira, novembro 13, 2018

Novas fotos do futuro Defender

Continuam a surgir imagens do que será, supostamente e sem confirmação oficial, o novo Land Rover Defender, tendo como base as fotografias de um veículo disfarçado, com a típica pintura utilizada para esconder as formas dos protótipos, e que surge agora de forma mais exposta, graças a uma pintura normal resultante, muito provavelmente, da extrapolação de dados aliada a alguma sensibilidade e experiência.

Em termos visuais, parece estarmos diante de um Discovery mais quadrado, com linhas mais rectas, mas com um conjunto de elementos que agora parece, em estilos diferenciados, estarem presentes em toda a gama Land Rover, mas, em contrapartida, são visíveis algumas originalidades, como o pneu na porta traseira ou o tejadilho que, pela sua configuração, parece ser desmontável, dando origem a modelos com capota de lona.

Naturalmente, e inevitavelmente, desaparecem os típicos parachoques em ferro, dando lugar a um modelo envolvente em plástico, as abas das rodas passam a integrar-se de forma suave com a carroçaria, numa opção que nos parece discutível por bastante mais vulnerável fora de estrada, protegendo menos as superfícies superiores, algo difícil de aceitar quando se pensa num veículo destinado a circular fora de estrada.

Encontrar um sucessor para um modelo cujas origens remontam aos anos 40 e se vão mantendo semelhantes desde os anos 80 é, naturalmente, complicado, sobretudo se nos lembrarmos de todas as evoluções tecnológicas e legais, que colocam imposições que esmagam a estética e o gosto dos admiradores do antigo Defender, sendo óbvio que a Land Rover vai aproveitar o máximo de orgãos mecânicos e peças já disponíveis de modo a colocar este novo modelo no mercado a um preço competitivo.

segunda-feira, novembro 12, 2018

Interferir em sinais de GPS - 1ª parte

A interferência em sinais de comunicações, independentemente da sua natureza, sempre que não autorizada, é punível por lei, independentemente da forma como é feita, sendo utilizada, normalmente para fins ilícitos, normalmente criminosos, estando disponíveis no mercado equipamentos destinados a esse fim que convém conhecer e identificar.

Um dos tipos de sinais com os quais é possível interferir, recorrendo a um equipamento electrónico, popularmente designado por "jammer", é o proveniente dos satélites de GPS, ficando o receptor sem a capacidade de receber os sinais que permitem determinar a sua posição e passar essa informação ao utilizador via aplicação.

Com um formato que aparenta ser o de uma simples "pen" USB, que associamos a uma memória para armazenamento de dados, o sistema de interferência com o sinal de GPS que apresentamos tem um aspecto inocente, mas ao ser activado, bastando ligá-lo a um conector USB, emite ondas em redor, que impedem os receptores de sinal de GPS de obter a informação dos satélites.

É de notar que este tipo de equipamento evita a recepção do sinal de GPS, mas não o desvia, ou seja, da sua presença não resulta uma localização errada, mas tão somente a ausência de fixação do sinal dos satélites, pelo que não existe uma indução em erro quanto à localização do utilizador, mas tão somente a impossibilidade da sua determinação.

domingo, novembro 11, 2018

O passaporte da EN-2

Para quantos nunca tiveram a oportunidade de apreciar o "Passaporte EN-2", destinado a registar a passagem por esta estrada nacional que percorrer Portugal de Norte a Sul e que anunciamos num texto anterior, publicamos um conjunto de fotos e detalhes que apenas com o documento na mão se podem identificar.

A seguir a uma página inicial onde consta o percurso total da EN-2 e a identificação do portador, seguem-se páginas individuais para cada concelho, com a respectiva identificação, um mapa simplificado, espaço para mensagem ou anotações e os locais onde o passaporte pode ser carimbado, bem como três pequenas fotos de locais típicos ou de interesse.

Nas páginas centrais pode-se encontrar um mapa de Portugal com um conjunto de informações um pouco mais extensas, que, para além dos conconcelhos, incluem linhas férreas, rios e serras, ficando as páginas finais reservadas para notas, obtendo-se assim o total de 44 páginas, a grande maioria das quais dedicadas aos concelhos individuais.

Convidamos os nossos leitores que ainda não o tenham feito a aderir a esta iniciativa e percorrer esta estrada, que abrange um conjunto de concelhos, muitos deles em zonas mais remotas do Interior do País, cujo potencial turístico é enorme e são frequentemente preteridos em função de localizações mais perto do Litoral, que possuem melhores acessibilidades e maior divulgação, mas onde a saturação começa a ter um impacto negativo, seja para os turistas que os visitam, seja para os residentes, pelo que será de explorar as novas oportunidades que constam deste passaporte.

sábado, novembro 10, 2018

Falha no servidor de validação do Windows 10

Para aqueles que tiveram problemas a nível de perda de activação do Windows 10 durante a 5ª feira, dia 07, um problema que afectou as versões Pro de quem efectuou uma actualização a partir de versões anteriores, concretamente os Windows 7 e 8, podemos confirmar que a Microsoft já resolveu o problema.

Com a recuperação do servidor de activações, a validação do sistema operativo volta a ser possível, devendo quem foi afectado aceder ao painel de controle e, na área da activação, escolher a opção para resolver problemas, ou "troubleshoot", que irá corrigir automaticamente o problema, voltando a activar o Windows.

Tal só acontece, naturalmente, em equipamentos com o sistema operativo válido e cujas chaves nunca tenham sido modificadas por programas externos, usados, normalmente, para validar de forma ilegal os produtos e que alteram definições internas, podendo obrigar a uma reinstalação para fazer desaparecer o seu efeito.

Durante o período durante o qual o Windows não está activo, para além da mensagem no écran, existem opções inacessíveis, como forma de obrigar à activação, e que apenas ficarão activas uma vez ultrapassada esta condição, o que, sendo possível, sugerimos ser feito com a brevidade possível e sem nunca, em qualquer caso, recorrer a programas externos à Microsoft.

sexta-feira, novembro 09, 2018

Lembrando o "GPS Babel"

Com a prevalência do Google Maps, o formato dos dados utilizados pelos equipamentos de navegação padronizou-se bastante, com o predomínio do GPX, que, em muitos casos, serve de ponte para outros formatos, alguns dos quais específicos de um fabricante ou concebidos para um dado equipamento, casos em que a disponibilidade de informações cartográficas tende a ser menor.

Disponível em modo local, o que implica descarregar o programa a partir do servidor, ou "online", via "GPS Visualizer", para o que basta enviar um ficheiro, num dos formatos suportados, e escolher qual a conversão possível, após o que se grava localmente, podendo ser imediatamente utilizado, o "GPS Babel" é uma das plataformas de conversão mais populares desde há muito.

Pouco haverá a dizer quanto à sua forma de utilização, de tal forma é simples e intuitiva, não havendo quaisquer custos de utilização, independentemente da forma de uso, local ou na Internet, tendo acesso ao potencial total deste produto que funciona em Windows, Linux e MacOS, com a opção "online" para dispositivos que utilizem outros sistemas operativos.

Não obstante a evolução dos vários produtos e alguma padronização, o recurso ao "GPS Babel" continua a fazer todo o sentido, pela capacidade de conversão de formatos e mesmo de adaptação de alguns parâmetros, o que facilita em muito a portabilidade de ficheiros com percursos e a sua utilização nas mais diferentes plataformas.

quinta-feira, novembro 08, 2018

O capacete inglês Mark 7

Já sugerimos, por diversas vezes, o recurso a excedentes militares para diversas utilizações civis, incluindo ligadas ao socorro, porque as especificações que presidiram à concepção e construção deste tipo de equipamento tende a ser bastante elevada, enquanto o preço, sobretudo quando proveniente de lotes excedentários, tende a ser bastante baixo face à qualidade do produto.

O capacete Mk 7 foi concebido e desenvolvido para as forças armadas britânicas pela NB Aerospace, substituindo a partir de 2009 o modelo Mk 6, tendo como principais vantagens um menor peso, reduzido em meio quilo, passando de 1.5 para apenas 1 quilo, e um melhor ajuste, sobretudo no queixo, tornando-o mais confortável de utilizar, sobretudo em zonas de maior calor.

Construídos em materiais compósitos de última geração, com pintura em amarelo escuro texturado, possui um interior almofadadado, construido em cabedal, e com sistema de suspensão em rede, destinados a evitar temperaturas demasiado elevadas e a permitir escoar a transpiração, sendo pouco mais pesado do que modelos muito menos resistentes e com preços por vezes mais elevados.

Com um preço que começa nos 60 Euros, a que acrescem portes a partir de Inglaterra, disponíveis em tamanhos médios e grandes, o Mk 7 será uma das melhores opções para quem pretende um capacete particularmente resistente e compacto, oferecendo protecção balística, o que garante um elevado nível de protecção nas mais diversas situações, sem que daí resulte um incómodo excessivo na sua utilização.

quarta-feira, novembro 07, 2018

Altice já controla o SIRESP - 2ª parte

Tal como em muitos outros contratos assinados pelo Estado, o clausulado protege as empresas, sendo difícil que uma rede como o SIRESP atinja o nível de indisponibilidade que implica sanções, mesmo que falhe completamente nas alturas e locais mais críticos, com todas as consequências conhecidas, dado que no resto do País, onde não se verifica nenhuma ocorrência significativa, a rede, mesmo que sem uso, vai estar operacional.

O SIRESP custa anualmente 40.000.000 de Euros ao Estado, tendo recebido mais de 400.000.000 dos cofres públicos, e continua baseado numa tecnologia obsoleta na altura da proposta inicial, mantendo-se os investimentos constantes num sistema que, independentemente das melhorias, face ao seu conceito, nunca poderá responder às necessidades actuais.

Sem capacidade de transmitir dados, como uma vulgar rede móvel, o SIRESP não permite o envio, por exemplo, de um conjunto de dados, imagens, navegação sobre um mapa ou tantas outras funcionalidades que, nos dias de hoje, consideramos como absolutamente essenciais e que, caso não contempladas, recusariamos imediatamente esse serviço, mesmo para uso pessoal.

O Estado fica assim em minoria no capital social da rede de emergência, dominada pela Altice, inúmeras vezes atacada por este Governo, pelo que estamos diante de uma situação paradoxal, de potencial conflito, onde o risco, ou a inevitabilidade de continuar a dispender verbas públicas sem retorno, controle ou sanção por incumprimento está presente, com muito poucas possibilidades de defesa por parte dos poderes públicos e judiciais, reféns de um contrato que há muito devia ter sido denunciado.

terça-feira, novembro 06, 2018

Protecção Civil generaliza envio de alertas por SMS

A Protecção Civil vai passar a enviar alertas via SMS em todas as situações de risco, e não apenas em caso de incêndios florestais, ultrapassando assim um problema que resultava de um protocolo pouco abrangente e que se revelou inadequado, do que resultaram algumas inciativas pouco conseguidas por parte de algumas autarquias.

Muitos residentes em Lisboa se recordam do alerta tardio, enviado pelo sistema da empresa gestora do parqueamento, na altura do último alerta de mau tempo e que chegou, para muitos, após o estado do tempo ter melhorado, algo que facilmente sucede caso se recorra a um sistema que não foi preparado para lidar com o envio de um elevado volume de informação num espaço de tempo muito curto.

Apenas os sistema das próprias operadoras possuem a capacidade para proceder ao envio de alertas por SMS em tempo útil e com a necessária abrangência, incluindo aqui alternativas noutras línguas para quem possui números não nacionais, pelo que a limitação anterior, que apenas contemplava os incêndios florestais, era, obviamente, uma ideia errada e sem sentido prático, apenas justificada pelas tragédias ocorridas no ano passado.

As actuais tecnologias permitem efectuar alertas antecipados, mas também, com base na localização de cada equipamento, determinada pelas antenas de comunicações, enviar mensagens muito mais direcionadas, essenciais caso se verifiquem situações de perigo eminente, evitando erros como aqueles que ocorreram durante a tragédia de Pedrogão Grande, onde uma informação atempada e precisa poderia ter poupado numerosas vidas que, infelizmente, se perderam.

segunda-feira, novembro 05, 2018

Altice já controla o SIRESP - 1ª parte

A Altice já controla mais de 52% do SIRESP, ultrapassando o Estado, que se propunha comprar a maioria das comunicações de emergência, tendo o ministro Eduardo Cabrita anunciado, em Outubro do ano passado que o Estado iria dispor de 54% das acções do SIRESP, no que será uma clamorosa derrota do poder político.

Este era um cenário antecipado, e a oposição entre o Governo e a Altice vem dar especial relevo a uma transição cujo efeito, consideramos, será maior a nível político e do relacionamento entre acionistas do que na área operacional, muito embora o Estado, colocado numa situação de minoria, possa reequacionar os investimentos no SIRESP, absolutamente necessitado de uma reforma profunda, já que a sua substituição, pura e simples, continua sem se equacionar.

Todos recordamos quando o actual primeiro ministro atacou a Altice, e rede fixa da Portugal Telecom, atribuindo-lhe a responsabilidade da quebra de comunicações, por vezes sem mencionar o nome, mas apontando-o claramente, comparando-o negativamente com outros operadores de comunicações e responsabilizando a opção por cabos aéreos pelas falhas verificadas.

Também o Governo não conseguiu processar o SIRESP, com o Estado a concluir que, face aos contratos existentes, o tempo total de interrupção do serviço, por muito crítica que seja, não excede, em termos percentuais, o que está previsto no contrato, pelo que o fundamento da acção não existe.

domingo, novembro 04, 2018

Cabo de reboque no Pingo Doce

Por estarmos a dois dias do final da promoção, e tendo em conta o preço de 3.99 Euros, particularmente competitivo para um cabo de reboque elástico, justifica-se voltar a este produto, que mencionamos num texto anterior, agora com maior detalhes, para que os nossos leitores possa verificar se corresponde às suas necessidades.

Este modelo concreto destina-se a rebocar veículos com peso até 2.500 quilos, aconselhando-se a que tenham 1.500 quilos no mínimo, como forma de compensar a elasticidade do cabo, cuja extensão varia entre os 1.5 e os 4 metros, sendo construído com 50% de propileno e outro tanto de propileno flexível.

Dois ganchos, com uma patilha de segurança com mola, efectuam a ligação aos pontos de tracção ou de reboque dos veículos, evitando que o cabo se solte inadvertidamente, devendo-se ter sempre em atenção as características e pontos de reboque, bem como o solo, inclinações e outros factores que possam ter como implicação uma possível ultrapassagem dos valores especificados para este cabo.

Lembramos que um reboque implica diversos cuidados e que as acelerações fazem aumentar substancialmente o peso do veículo rebocado, sendo de usar, caso possível, um segundo cabo como segurança, o que pode evitar situações mais complicadas, caso se verifique uma ruptura, nunca esquecendo as alterações no comportamento dinâmico durante um processo de reboque.

sábado, novembro 03, 2018

Land Rover Owners de Dezembro de 2018 já nas bancas

Já chegou aos locais de venda habituais a edição de Dezembro de 2018 da Land Rover Owners International, e o destaque da capa vai para um conjunto de modelos da Land Rover com alguma idade e que foram restaurados, promovendo assim a aquisição dos clássicos da marca, que podem incluir modelos tão diversos, e distintamente valorizados, como o Discovery 1, o Serie 3 ou o Range Rover P38, que no Reino Unido podem ser adquiridos por valores bastante módicos.

Merece igualmente destaque a versão "camping" de um antigo Serie 2A, com uma configuração e habitabilidade completamente diferente daquela que esperamos num veículo mais actual, contrastando em absoluto com o Discovery 4, devidamente equipado e onde está presente muita da mais actual tecnologia automóvel.

Um destaque especial vai para o Afonso Cerejo, e para o "Camel Trophy Club", bem como para as diversas iniciativas deste, o que vem, mais uma vez, confirmar que o mundo Land Rover está bem vivo em Portugal, seja em termos generalistas, seja num âmbito mais temático, atraindo sempre um grande número de interessados.

Entre os artigos técnicos, a mudança da caixa de direcção de um Discovery 2, da correia de distribuição e bomba de água de um Freelander 2 merecem destaque, tal como são de ler os diversos artigos que descrevem as actividades de vários clubes, tal como a apresentação de novos produtos, complementada, como sempre por testes prolongados a produtos já lançados e a um conjunto de secções regulares, que incluem a participação dos leitores, através do envio de correspondência ou fotos e do esclarecimento de dúvidas por estes colocadas.

sexta-feira, novembro 02, 2018

Alternativas para descarregar documentos do "Scribd"

Já apresentamos uma opção para descarregar documentos do "Scribd", gravando-os localmente em formato PDF, mas das experiências realizadas verificamos que estas nem sempre resultam, sendo frequente falhar na obtenção do documento ou gravá-lo com 0 bytes, pelo que propomos duas alternativas.

Para além do "Docdownloader", talvez o mais conhecido, existe o "Scribddownloader" e o "Docdownloader", todos muito simples de utilizar, bastando colocar a ligação na caixa de diálogo e, quando o processamento termina, indicar onde se pretende que o ficheiro seja gravado, ficando imediatamente disponível.

Sem que nenhum dos sistemas seja perfeito, ou que tenha funcionado na totalidade das utilizações, será o último, o "Dlscribd", o que nos tem oferecido uma maior probabilidade de exito, pelo que será, neste momento e sob pena de alteração, a primeira escolha para este tipo de operação, muito embora tenhamos verificado erros com todos eles.

Quanto tal acontece, sugerimos o acesso a um do numerosos repositórios de PDF os quais, quase sempre, estão acessíveis e permitem uma descarga directa, ou ao "Issuu", cujo utilitário para descarga nunca deixou de funcionar, podendo-se encontrar nestas alternativas boa parte do conteúdo do "Scribd" sem que se verifiquem os mesmo problemas.

quinta-feira, novembro 01, 2018

Para um Inverno que se avizinha - 3ª parte

Um acessório de baixo custo que pode trazer várias vantagens, sobretudo em modelos com vidros laterais altos, como o caso do Defender, são os deflectores para vento e chuva, que permitem abrir as janelas sem que disso resulte o desconforto inerente à entrada de ar frio e de água da chuva.

Um par de deflectores para as janelas dianteiras, de boa qualidade e incluindo os "clips" de fixação, tem um preço que ronda a trintena de Euros, sendo a instalação muito simples, destinando-se a ser efectuada pelo proprietário, e resultando num maior conforto e funcionalidade, permitindo conduzir com a janela aberta sem uma grande exposição aos elementos, opção que, fora de estrada, sucede com alguma frequência.

A aquisição de um conjunto extra des tapetes em borracha, em PVC resistente, cortados de acordo com a configuração de cada viatura, com uma textura mais rugosa, a prever a existência de água e lamas, é uma opção a ter em conta, com um conjunto a custar entre os dez e os vinte Euros, neste último caso, se compostos por dois tapetes para a frente e outros dois para a rectaguarda.

Dispor de um par extra de tapetes durante a época das chuvas, sobretudo tendo em conta o baixo preço, será uma opção a ter em conta, por permitir uma rápida troca, deixando a secar os que se encontrem molhados ou sujos, o que aumenta o conforto, e a própria higiéne, do interior, permitindo viagens com maior conforto.

quarta-feira, outubro 31, 2018

Governo avalia época de fogos - 3ª parte

A celebração de um final de Verão onde 12.000 incêndios consumiram 43.000 hectares, na sequência de um ano anterior devastador, sem a apresentação de medidas estruturais, nem detalhar adequadamente as que foram apresentadas, parece-nos absolutamente inadequado, sendo de prever que, a bem do equilíbrio orçamental, muito pouco irá ser concretizado, salvo na vertente punitiva, onde o valor das coimas engrossa as receitas do Estado.

Sem a atribuição da dotação financeira adequada, e face aos registos dos últimos anos existem fundadas dúvidas que sejam atribuídas as verbas necessárias, o conjunto de medidas propostas vai-se ficar pelo anúncio, nem sequer pela intenção, dado que para que esta existisse, estaria subjacente a sua integração numa perspectiva mais vasta, sendo sempre dúbio que medidas avulsas e desenquadradas venham a justificar o investimento que, independentemente dos resultados que se podem esperar, é necessário para as operacionalizar.

Sendo o último ano desta legislatura, e com a ideia de que um orçamento com um défice mínimo, de 0.2%, terá um impacto positivo a nível eleitoral, entre desvios de verbas, cativações e atrasos, pouco será efectivado, sabendo o Governo que, independentemente do que suceder em 2019 em termos de incêndios florestais, não seriam medidas anunciadas agora que teriam um impacto decisivo, pelo que não se iriam traduzir numa vantagem na altura das eleições.

Com a previsão de um Inverno chuvoso, tendo em conta os ciclos de regeneração da vegetação nas zonas ardidas em 2017, o ano que se avizinha nada terá a ver com o que agora se aproxima do termo, pelo que se teme que um ciclo semelhante ao de 2003 e 2005, que muitos já terão esquecido e com o qual raros terão aprendido, se repita.

terça-feira, outubro 30, 2018

Acessórios para veículos no Pingo Doce

Apesar de o Pingo Doce não ser tipicamente associado a promoções de artigos para veículos, o facto é que, por vezes, este tipo de produtos surgem nesta cadeia de supermercados, e a preços competitivos, pelo que será de aproveitar algumas das oportunidades propostas, caso haja necessidade de algum dos artigos disponíveis.

Estão disponíveis cabos de bateria, corda ou cabo de reboque elástica, organizadores ou rede de bagageira, todos por 3.99 Euros, esteira magnética para aquecimento, por 9.99 e aspirador com ligação à tomada de isqueiro por 7.49, todos com um desconto de 50% face ao valor normal.

Os óleos Galp estão com 35% de desconto, com excepção do Performa 10W40, com 5 litros a serem vendidos por 13.45 Euros, o que corresponde a um desconto de 50%, sendo um óleo sintético compatível com muitos motores diesel e a gasolina, incluindo o instalado em alguns dos veículos mais populares do mercado.

Naturalmente, a adequação de cada um destes items às necessidades reais e especificações deve ser tido em conta, não apenas a nível de especificações dos óleos, mas também da resistência de cabos, amperagem suportada pelo cabo de bateria ou dimensões de redes ou organizadores, verificando se correspondem à utilização específica que deles se pretende fazer.

segunda-feira, outubro 29, 2018

Governo avalia época de fogos - 2ª parte

A criação de uma nova unidade de Protecção e Socorro e de novas forças de sapadores florestais, a obrigatoriedade de os municípios disporem de novos planos de protecção, encontram-se entre os anúncios feitos, para os quais não foram adiantados detalhes ou o respectivo enquadramento orçamental, sendo de temer que não passem do papel ou, como já aconteceu, corresponda a uma transferência de recursos, como acontece com os da GNR, que saem da segurança e ordem pública para o combate aos fogos.

Noutro âmbito, para evitar plantações não autorizadas, foi decidido que as multas para a produção de eucaliptos pode atingir os 44.000 Euros, no caso de empresas, e caso após notificação não tenham sido retirados, o valor pode vir a duplicar, sendo patente que, no ordenamento do território, as medidas punitivas continuam a ser o traço dominante.

A responsabilização dos eucaliptos, esquecendo que outras espécies, como as resinosas, são igualmente potenciadores de incêndios, ou que, tendo em conta a frequência com que os fogos devastam o País, apenas espécies de crescimento muito rápido poderão proporcionar alguma sustentabildiade a quem vive da floresta, continua a ser um dos argumentos repetidos, esquecendo que um eucaliptal ordenado é menos vulnerável do que um pinhal no estado caótico em que muitos, talvez a maioria, se encontram.

Naturalmente, na actual conjuntura e face ao cenário existente, a proibição de eucaliptos, ou o seu forte condicionamento, terá como resultado o favorecimento das madeireiras já em laboração e a impossibilidade de muitos pequenos proprietários rentabilizarem os seus terrenos, pelo absurdo que é investir num produto cujo ciclo de vida, para ser rentável, é muito superior ao dos fogos de devastam o País e que, com toda a probabilidade, destruiriam investimentos a médio e longo prazo.

domingo, outubro 28, 2018

Onde andam as cartas?

Para além dos atrasos, o serviço de entregas dos correios tem vindo a demonstrar um decréscimo de qualidade quase inacreditável, afectando todos e estendendo-se a todo o País, abrangendo inclusivé áreas urbanas onde, normalmente, erros ou perdas eram relativamente raros.

Em menos de uma semana, na mesma pequena rua, deparamo-nos com duas situações que apontam para uma falta de qualidade do serviço inaceitável, sendo uma delas, a mais típica, a entrega da correspondência destinada a um prédio noutro, problema resolvido pelo civismo de um residente que veio entregar as cartas colocadas nas caixas de correio erradas.

Mais absurdo, é ver um carteiro a queixar-se do mau endereçamento de uma carta, onde, alegadamente, faltaria a informação relativa ao apartamento, e que, após visualização da mesma, se destinava a outra rua, onde os prédios têm apenas um apartamento por piso, pelo que a morada estaria correcta e o erro residia apenas a falta de atenção de quem a deveria entregar.

Infelizmente, para além destas situações, ambas detectadas e corrigidas, esperando-se que tal tenha acontecido com o segundo caso, muitas haverá em que tal não sucede, sendo que entre a correspondência cuja entrega foi corrigida encontravam-se contas, informação proveniente de entidades públicas e extractos bancários, pelo que a sua perda poderia ter consequências que, naturalmente, dificilmente poderim ser imputadas a quem tão mau serviço presta.

sábado, outubro 27, 2018

Dar movimento a fotos

Dar movimento, ou a ideia deste a uma fotografia, é uma ideia interessante com diversas possibilidades e utilidades, havendo diversos programas para o efeito, destinados a distintas plataformas, sendo que alguns obrigam a dispor de mais de uma foto, criando o movimento intermédio, enquanto outras fazem a projecção a partir de uma única foto, como é o caso do "Zoetropic - Photo in motion", disponível em versões gratuitas e pagas.

Basicamente, é necessário usar uma ferramenta para indicar um conjunto de pontos a que se pretende conferir movimento, com o "software" a extrapolar os pontos intermédios e a reconstruir a imagem com base na trajectória, que inclui a orientação e a extensão da deslocação pretendida.

Por outro lado, tem que se determinar quais as áreas estabilizadas, evitando distorções ou deslocações, sendo que espaços entre conjuntos de mais do que três pontos de estabilização se manterão estáveis, enquanto as áreas marcadas com uma máscara não serão mexidas ou movidas, ficando inalteradas.

É da combinação de efeitos, e portanto de um misto da potencialidade da aplicação e do talento do utilizador, que se poderão obter alguns efeitos interessantes, criando a ilusão de movimento com base numa única imagem estáticas, sendo o Zoetropic compatível com equipamentos com Andoid 4.4 ou superior, o que abrange a grande maioria dos dispositivos que usam esta plataforma.

sexta-feira, outubro 26, 2018

Governo avalia época de fogos - 1ª parte

O Governo promoveu uma reunião na Tapada de Mafra onde foram analizados os incêndios ocorridos no presente ano, sendo, para além das conclusões, apresentadas algumas medidas no sentido de reduzir a incidência de fogos florestais, seja pelo aumento de meios, seja através do ordenamento do território.

O número de incêndios diminui 43% e a área ardida reduziu-se em mais de 60% face à média da última década, algo que era mais do que expectável face à enorme devastação do ano anterior, e vem no seguimento dos ciclos que, facilmente, se podem verificar nas estatísticas oficiais.

Da análise oficial, a prioridade na protecção de vidas humanas foi considerada como um triunfo, não tendo sido abordados casos concretos, como o sucedido na serra algarvia, onde as evacuações foram polémicas e o combate às chamas não terá decorrido da melhor forma, sendo patente que a análise se centrou apenas no que correu melhor, evitando o que ainda falta corrigir.

A menção à maior segurança nas vias, através de uma maior limpeza das faixas circundantes, do estabelecimento de trajectos para evacuação ou de mais e melhores meios, pareceu demasiado vaga, mais uma vez sem concretização através de dados que permitam aferir da sua efectividade, para o que dados objectivos, quantificáveis e localizáveis, são absolutamente essenciais.

quinta-feira, outubro 25, 2018

Um país particularmente vulnerável - 4ª parte

As cedências face aos mais diversos interesses, a incapacidade de negociar contratos extremamente lesivos para o interesse público, mesmo havendo a possibilidade legal de o fazer, a demissão de quem tenta desmontar todo um sistema que a todos prejudica são exemplos, tal como a paralisia legislativa ou a qualidade dos contratos e das leis, onde o Estado acaba sempre prejudicado, suportanto os riscos enquanto os particulares obtêm lucros astronómicos.

O mau tempo apenas veio revelar fragilidades, algumas das quais vão passando desapercebidas, embora insidiosamente presentes no dia a dia, e cujo impacto é dificil de calcular, por implicar não apenas um elevado custo, mas uma enorme perda de valor, não apenas nos custos de conjuntura e de operação, mas na falta de iniciativa que é paralisante para a economia nacional.

Este tipo de fragilidades e vulnerabilidades estruturais, que tragédias naturais ou provocadas pela mão humana acentuam, são permanentes, e da sua invisibilidade não resulta um menor impacto na vida nacional, condicionando decisões, controlando legislação, determinando nomeações e exonerações, no fundo, permitindo gerir um país sem qualquer tipo de legitimidade ou escurtinio público, como se de um governo-sombra se tratasse.

A fragilidade de Portugal não reside, primariamente, nas estruturas físicas, por muito vulneráveis que estas sejam, e sabemos o quão fracas são, mas num conjunto de atitudes submissas por parte de quem tem o dever de defender o interesse colectivo, e que, não o fazendo, cria as condições objectivas para que, ao primeiro sopro de vento ou quando as primeiras chamas surgem, o que aparentava solidez se desmorone, arrastando numerosas vítimas e causando prejuízos incalculáveis que, no final, serão pagos por todos.

quarta-feira, outubro 24, 2018

Reservatórios polivalentes para veículos - 2ª parte

Modelos de maior resistência, com 300 x 550 x 80 milímetros e um peso de 1.8 quilos, disponíveis em diversas cores, que incluem o vermelho, laranja, azul, branco e negro, com uma capacidade de 10 litros, podem chegar aos 130 Euros, incluindo portes, e permitem um excelente apoio para o "high lift", mesmo em terrenos de menor consistência, onde a pequena base do "high lift" não permite uma operação segura.

Dada a sua resistência, este tipo de reservatório pode, com algumas limitações, substituir uma prancha de desatascanço, devendo-se, naturalmente, ter o cuidado de verificar se o local onde é colocado não tem arestas ou objectos que o danifiquem ou rompam, sob pena de o conteúdo se perder.

Um modelo mais convencional, com capacidade para 10 litros de combustível, tem dimensões aproximadas de 330 x 475 milímetros, sendo inteiramente construído em plástico de alta resistência, que inclusivé pode servir de base, ajudando um veículo a desatascar-se, tem um preço que ronda os 50 Euros, incluindo portes a partir da Ásia.

Quando comparados com modelos mais convencionais, que podem ser adquiridos por um valor inferior, estes modelos, mais polivalentes e, por vezes, mais fáceis de acomodar, apresentam diversas vantagens, pelo que, na altura de uma aquisição, devem ser estudados, analizando os numerosos modelos disponíveis, no sentido de encontrar o mais adequado.

terça-feira, outubro 23, 2018

Um país particularmente vulnerável - 3ª parte

No fundo, é como se alguém, que fornece um serviço essencial, como antigamente distribuir o pão numa aldeia, para poupar o dinheiro de um cadeado, deixasse a bicicleta na rua, e, quando alguém a levasse, se dispensava de prestar o serviço contratualizado, e para que é pago, deixando os clientes passar fome, e obrigasse esses mesmos clientes a comprar uma bicicleta nova, sob pena de não retomar o serviço, algo que a todos nos parece imoral mas que, segundo a legislação em vigor, será inevitável.

Podemos, justamente, interrogarmo-nos quanto ao poder de uma empresa energética, capaz de vergar o poder político, em numerosos governos, e, consequentemente, qual a força das instituições, que sistematicamente, em várias legislaturas protagonizadas por diferentes partidos políticos, sempre cederam perante todas as exigências, mesmo as que mais comprometiam o interesse nacional, sem nunca tomar medidas adequadas, não obstante a complexidade que estas possam assumir e a conflitualidade que venham a gerar.

Assim, e para recorrer a este caso concreto, para além da vulnerabilidade directa, temos um impacto substancial no todo nacional na economia e nos cidadãos, igualmente vulneráveis face à imposição de pagar danos de quem não se soube proteger, situação que penaliza duplamente todos aqueles que já sofreram prejuízos directos como consequência do mau tempo.

Não são apenas os factores climáticos que tornam este país particularmente vulnerável, são igualmente as atitudes de muitos e a legislação proposta por alguns, que satisfazem uma clientela ainda menor, mas que impõe condições, substitui governantes, condiciona deciões, bloqueia leis ou estabelece políticas que apenas tornam o país mais frágil.

segunda-feira, outubro 22, 2018

Reservatórios polivalentes para veículos - 1ª parte

Para além dos "jerry cans" convencionais, sejam os modelos militares, em metal, sejam os destinados a usos civis, em plástico, existem numerosos outros modelos, com distintos formatos, destinados ao transporte de combustível, nalguns casos particularmente adaptados ao uso fora de estrada.

Vários destes modelos têm um formato bastante plano, o que os torna mais adequados a serem transportados numa grade sobre o tejadilho, alterando menos o centro de gravidade e oferecendo menos resistência dinâmica, mas também por, nalguns casos, terem um encaixe específico para um "hi-lift", aumentando de forma muito substancial a base deste, o que é relevante em zonas areosas.

O primeiro modelo tem uma dimensão de 300 x 70 x 400 milímetros, com um segundo reservatório com 30 x 115 x 118 milímetros, e capacidades de 4.5 e 0.4 litros respectivamente, ambos com bocais de 50 milímetros, sendo que o reservatório mais pequeno deve ser removido para que o maior sirva de base para o "hi lift".

Dado que o conjunto é composto por dois reservatórios, estes podem conter conteúdos distintos, como gasóleo no maior e óleo no mais pequeno, acrescendo ao uso como base do "high lift", permite boa flexibilidade de uso, com o preço a ficar perto dos 60 Euros, incluindo portes, o que pode representar um bom investimento.

domingo, outubro 21, 2018

Faca para emergências - 2ª parte

Disponível em dois modelos, um com um comprimento total de 200 milímetros e outro com apenas 155, 120 e 90 milímetros dobradas, e lâminas com 90 por 30 e 67 por 22 milímetros, de comprimento e largura respectivamente, a lâmina destas facas são feitas em aço 440C, de alta qualidade, com dureza 57HRC, sendo a superfície tratada, polida e protegida contra corrosões.

O punho é em alumínio, igualmente tratado, com uma configuração que facilita o seu empunhamento, e com sistemas de segurança para que a lâmina fique fixa na posição pretendida, não abrindo ou fechando inadvertidamente durante o transporte ou utilização, algo que consideramos absolutamente essencial na selecção deste tipo de facas.

O modelo de maiores dimensões, que pesa 140 gramas, contra 90 do mais pequeno, tem uma largura de 25 milímetros, mais 5 que a faca de menores dimensões, custa perto de 7.50 Euros, incluindo portes a partir da Ásia, revelando-se fácil de acondicionar e transportar e agradável de empunhar e utilizar, com a lâmina a demonstrar solidez e capacidade para cortar objectos mesmo com alguma dureza.

Naturalmente, as dimensões, legalmente impostas, não permitem sugerir algumas opções, sendo que neste caso a principal falha que encontramos foi a ausência de uma serrilha do lado oposto ao gume, existindo alguns modelos que, para além desta característica, possuem outros pequenos opcionais, como um abre latas, tornando-os mais flexíveis mas, eventualmente, menos resistentes.

sábado, outubro 20, 2018

Blusão táctico em "fleece"

Com a aproximação do Inverno, caso não disponível, convém obter vestuário adequado para enfrentar as condições meteorológicas que se adinham, indo a nossa sugestão no sentido de um modelo com a configuração do TAD V4.0, que descrevemos anteriormente, mas cujo preço tem vindo a descer, existindo agora uma versão em "fleece", que pode ser adquirida por pouco mais de uma dezena de Euros, incluindo portes a partir da Ásia.

Estão presentes o mesmo número e tipo de bolsos, os mesmo ajustes, fechos, velcros para insígnias, entre outros detalhes, com o modelo a assemelhar-se muito ao modelo impermeável, que tem essa óbvia vantagem, mas cujo preço ultrapassa o dobro do mais simplificado blusão em "fleece", cuja textura exterior se revela mais confortável em muitas circunstâncias.

Em termos de uso, os dois modelos, impermeável ou não, são confortáveis e práticos, isolando e aquecendo bastante mais do que blusões de maiores dimensões, com o número de bolsos a proporcionar a possibilidade de transportar um elevado número de pequenos objectos, acrecendo a vantagem de permitir encaminhar um sistema de auriculares com fio a partir do interior, estando previstas as passagens internas para o efeito.

Para além da falta de impermeabilização, será a maior vulnerabilidade a alguns tipos de nódoas, e uma maior dificuldade de remoção como resultado de uma maior porosidade, que mais penalizam esta opção, sobretudo caso se escolha uma cor mais clara, mas a sua flexibilidade de uso, aliada ao baixo preço, fazem-nos considerá-lo como um agasalho a ter em conta quando o tempo esteja moderadamente frio e seco.

sexta-feira, outubro 19, 2018

Faca para emergências - 1ª parte

Uma faca facilmente transportável é um utensílio que consideramos essencial num "kit" de emergência, sendo que na sua escolha, para além das características físicas e funcionais, deve ser tida em consideração a actual legislação, como forma de evitar surpresas ou inconvenientes de que poderão resultar problemas graves.

Segundo a Lei 5/2006, artigo º2 I), "uma arma branca é todo o objeto ou instrumento portátil dotado de uma lâmina ou outra superfície cortante ou perfurante de comprimento igual ou superior a 10 centímetros ou com parte corto-contundente, bem como destinado a lançar lâminas, flechas ou virotões, independentemente das suas dimensões".

Portanto, para evitar problemas, aconselha-se uma faca cuja lâmina, incluindo o ricasso, que corresponde à extensão metálica entre o final do gume e o cabo, não ultrapasse os 10 centímetros, sendo proíbidos as que possuem sistemas de abertura automática, conhecidas por "ponta e mola", ou que estejam, de alguma forma, disfarçadas, escondendo a sua verdadeira natureza.

Esta introdução, algo longa, visa explicar alguns condicionalismos que estão presentes na escolha de uma faca, eliminando inúmeros modelos, sendo que aquele que propomos está, naturalmente, dentro dos limites e características legais, sendo um modelo com a lâmina dobrável, com cerca de 9 centímetros de comprimento, e sem nenhum sistema de mola para o seu desdobramento ou extensão de forma automática.

quinta-feira, outubro 18, 2018

Um país particularmente vulnerável - 2ª parte

Sendo, neste momento, impossível calcular os custos resultantes, que acrescem aos prejuízos directos e indirectos causados pelo mau tempo, convém fazer as contas, que corresponderão a centenas de milhar de dias de trabalho perdidos, num custo enorme para as empresas afectadas e para o próprio Estado, que vê reduzidas as suas receitas fiscais.

Sendo, neste momento, impossível calcular os custos resultantes, que acrescem aos prejuízos directos e indirectos causados pelo mau tempo, convém fazer as contas, que corresponderão a centenas de milhar de dias de trabalho perdidos, num custo enorme para as empresas afectadas, para o Estado, que vê reduzidas as suas receitas fiscais, e para todos quantos viram os seus bens destruídos, nalguns casos compromentendo rendimentos futuros, bem como para os clientes da EDP, sobre os quais recairá o custo de reparação da rede.

Esta última situação, face aos lucros da EDP e às compensações recebidas do Estado, e que garantem potência, mas não a disponibilidade do serviço quando equipamentos ou cabos particularmente vulneráveis são danificados, nem o custo da sua reparação, caso necessário, parece-nos particularmente iníqua.

A EDP nunca fez o investimento para proteger a sua rede, optando por lucros e dividendos, e agora, face à sua própria vulnerabilidade, com a qual coexiste pacificamente, vê-se compensada por uma opção errada, e dispensada dos encargos que dela deviam resultar, fazendo-os recair sobre os consumidores.

quarta-feira, outubro 17, 2018

Land Rover Owners de Novembro de 2018 já nas bancas

Já chegou aos locais de venda habituais a edição de Novembro de 2018 da Land Rover Owners International, com o destaque da capa a ir para um Discovery 2, utilizado por um reporter de imagem, que foi devidamente preparado para o efeito, previlegiando a robustez e removendo componentes mais propensos a falhas, de modo a que possa operar em locais remotos de forma mais independente.

A reconstrução de um Defender 300 Tdi, que fica melhor do que quando saiu de fábrica, um antigo Serie 1 de 80" de 1949 completamente restaurado, ou a de um Serie 2A, de seis rodas, usado como reboque, são interessantes, tal como a construção de um modelo em miniatura de um Defender 90, rádio-controlado, que será muito apreciado por quem gosta deste tipo de modelos.

É interessante o artigo que versa a aquisição de veículos a preços muito baixos, possíveis no Reino Unido, mas impraticáveis em Portugal, e a sua recuperação, de modo a que sejam utilizados em expedições e no dia a dia, bem como uma expedição a locais remotos nos Estados Unidos, na zona do Grand Canyon, no Arizona, com outro artigo a fornecer indicações úteis para participação em expedições, dando conselhos e ajudas técnicas.

Entre o conjunto de artigos técnicos encontra-se a reconstrução de um motor V8, as reparações numa L405, o restauro de um eixo, sendo esta edição complementada pela divulgação de actividades de diversos clubes, pela habitual apresentação de novos productos, por diversos testes a produtos que se têm vindo a popularizar e pela contribuição de diversos leitores, que enviam textos e fotos.

terça-feira, outubro 16, 2018

Um país particularmente vulnerável - 1ª parte

Não são apenas os incêndios que demonstram a enorme vulnerabilidade de algumas infraestruturas essenciais, nomeadamente a nível de fornecimento de energia eléctrica e na disponibilidade de comunicações, com estes serviços a ficarem interrompidos nas zonas mais afectadas pelo ciclone do fim de semana passado e, nalguns casos, sem previsão do seu restabelecimento.

Sem por em causa a excepcionalidade do ocorrido, muito embora das alterações climáticas, tal possa vir a tornar-se mais frequente, é evidente que, mesmo em situações onde as condições não são tão extremas, se verificam numerosas falhas, comprometendo a segurança das populações e suspendendo, por um período incerto, serviços de primeira necessidade.

A EDP Distribuição, não obstante a mobilização dos seus recursos internos e a colaboração de meios externos, não pode adiantar um prazo para o reestabelecimento do fornecimento de electricidade, que afecta mais de 100.000 pessoas, e que impede o funcionamento de um conjunto importante de empresas ou entidades, bem como de outros serviços essenciais, já que existem numerosas torres de comunicações já reparadas e que, por falta de electricidade, continuam inactivas.

É de notar, a título de exemplo, que tendo a Vodafone reparado 70% das torres afectadas e a fibra óptica danificada em pouco mais de um dia, muitas destas torres continuam inactivas como resultado da falta de electricidade, com prejuízos óbvios para o operador em causa, bem como para todos os clientes afectados, sobretudo os mais dependentes de comunicações, seja para efeitos laborais, seja a nível pessoal.

segunda-feira, outubro 15, 2018

Mais de 500 incêndios desde o início de Outubro - 3ª parte

Neste incêndio terão ardido 600 hectares, ficado feridos 10 bombeiros e um civil, com outros 10 bombeiros a serem assistidos no local, e foram destruídas habitações e instalações comerciais, sendo ainda de analizar a postura dos dois presidentes dos concelhos afectados, bem como as notícias de que terrenos ardidos terão sido imediatamente postos à venda, algo que, infelizmente, não é inédito, não obstante as restrições existentes no seu reaproveitamento para outros fins.

Apesar de tudo, o incêndio na serra de Sintra, pela sua dimensão e localização, acaba por ser uma excepção que que, no final, contará com uma simples ocorrência, como tantas outras, contando unitariamente para o total, não obstante as suas consequências, que resultam de uma dada área ardida importante, estimada em 600 hectares, e pela sua localização, numa importante zona turística, perto de centros urbanos e da capital do País.

Este terá sido, possivelmente, o último incêndio de proporções importantes, e que mobilizou largos meios, antes da chegada do tempo frio e da chuva, algo que neste momento já se faz sentir e que, segundo as previsões, se irá manter, no que será a normalidade para esta época do ano, encerrando assim aquilo a que convencionalmente se chama a "época dos fogos" e que, actualmente, inclui o mês de Outubro, durante o qual, infelizmente, ocorrem situações graves e complexas.

O espanto, pelo menos aparente, com que o número de ocorrências surge na comunicação social, ou talvez apenas o sensacionalismo que se pretende conferir à notícia, aponta para um fraco conhecimento da realidade, na primeira hipótese, ou uma forma de informar pelo menos discutível na segunda, sobretudo porque as causas que estão por detrás destas ocorrências não é discutida, tal como é omissa a área ardida e toda a restante informação relevante para melhor interpretar o que representa um simples número.