sábado, setembro 06, 2014

O blusão TAD V 4.0 - 3ª parte

O TAD V 4.0, mesmo utilizado isoladamente, oferece um bom nível de protecção contra os elementos, incluindo frio, chuva e vento forte, bem como uma capacidade de carga adequada, sendo que a distribuição dos bolsos facilita o seu uso em conjunto com coletes, com as diversas camadas de tecido a proporcionar conforto e mesmo algum efeito de amortecimento face a equipamentos de textura ou configuração mais agressiva.

Quanto ao resto, este blusão tem as características típidas de um "soft shell", sendo muito confortável de usar, com uma textura macia, seja na camada exterior, seja a nível do próprio forro, com os ajustes e a própria elasticidade dos tecidos a proporcionar uma utilização agradável e prática, com um estilo muito próprio que pode não ser do agrado de todos.

Para quem necessite de alguma protecção contra o mau tempo, mantendo a mobilidade e alguma capacidade de carga, este blusão é uma solução interessante, não revelando em demasia as suas origens militares, pelo que é bastante adequado a inúmeras situações, que vão desde actividades desportivas a missões de socorro, passando pela simples substituição de um "soft shell" menos polivalente.

Disponível em verde, amarelo areia, cinzento, negro e diversos padrões de camuflagem, entre as quais digitais, pode ser fornecido em tamanhos que vão desde o XS ao XXXL, embora estas designações sejam sobretudo indicativas, e custa, incluindo portes, a partir de pouco menos de duas dezenas de Euros até mais de uma centena, dependendo do fornecedor e de alguma variação na qualidade do material que produz.

sexta-feira, setembro 05, 2014

Mais uma vez, VMER de Évora novamente inoperacional - 1ª parte

Mesmo que fosse inédito, já seria grave, mas a sucessão de períodos de inoperacionalidade da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) baseada no hospital de Évora, a única deste distrito, pode ser apontada como presente na perda de vidas em acidentes ou doenças súbitas nas quais esteve ausente.

São oito as mortes que ocorreram em situações, algumas delas descrevemos de forma exaustiva ao longo de diversos textos, nas quais a VMER de Évora foi solicitada e não compareceu, sendo apontada como causa a falta de pessoal médico, cujas escalas são da responsabilidade do hospital onde a viatura se encontra sedeada.

Lembramos, e remetemos, para a sequência de textos que publicamos aquando do acidente rodoviário provocado pela presença de um cavalo numa estrada, onde este problema foi analisado, sendo que, na altura, muitas foram as promessas de que esta situação seria solucionada com brevidade, algo que, efectivamente, não ocorreu.

Aliás, esta situação, que é recorrente, apenas assume visibilidade quando existem vítimas, passando relativamente desapercebida quando não existe necessidade de activar este meio ou quando, da sua falta, não resultam consequências graves, sendo que, neste caso, o recurso a meios alternativos, mesmo que inadequados, tem sido a solução adoptada.

quinta-feira, setembro 04, 2014

Novo Discovery Sport em miniatura

A Land Rover Owners alertou para o facto, algo bizarro, de ainda antes de estar disponível no mercado, quando o modelo real ainda não foi revelado, já surgiram as primeiras miniaturas do novo Discovery Sport, apontado pelo construtor como o sucessor do actual Freelander.

Naturalmente, podemos ter alguma dúvidas quanto aos detalhes ou a suspeita de que alguns poderão ter sido inventados ou abusivamente adicionados, mas tudo nos faz crer que será a própria Land Rover quem está por detrás deste modelo e que o seu lançamento, aparentemente extemporaneamente, pode fazer parte da estratégia da marca.

Seja como for, as linhas gerais da miniatura batem certo com o que já se conhece do novo Discovery Sport, mantendo-se, obviamente, indetectável o que existe de mais importante, nomeadamente tudo aquilo que diz respeito à mecânica, electrónica e aos acabamentos e outros detalhes, pelo que as novidades são, efectivamente, escassas.

Aos colecionadores e adeptos da marca, fica a sugestão de, quando esta miniatura surgir no mercado português ou online, adquirir um modelo que reproduz um veículo real cujo preço, mesmo sendo ainda desconhecido, deve ficar fora do alcance das possibilidades da maioria dos nossos leitores.

quarta-feira, setembro 03, 2014

O blusão TAD V 4.0 - 2ª parte

Existem zonas de velcro nos braços para colocação de insígnias ou identificação ou mesmo adição de pequenas bolsas complementares, e outras de dimensão muito inferior às dos braços espalhadas pelo corpo, tal como para prender o capuz na zona posterior, de forma a ajudar a proteger o pescoço quando esteja enrolado.

O capuz proporciona uma excelente protecção contra os elementos, sendo perfeitamente ajustável e cobrindo grande parte da face, deixando pouco mais do que os olhos visíveis, sendo possível de usar integrado com outro tipo de equipamento ou vestuário, que podem incluir uns óculos de protecção, um cachecol ou um gorro.

Os bolsos, distribuidos pela parte superior dos braços, na zona inferior do braço esquerdo e no corpo, têm uma capacidade razoável e o seu número permite distribuir de forma equilibrada e ao alcance da mão um sem número de pequenos objectos que, de outra forma, exigiriam um sistema de transporte alternativo, como um colete ou bolsa.

Alguns destes bolsos são complexos, incluindo passagem para cabos áudio o que permite guardar um rádio ou telemóvel no bolso e usar o auricular e microfone, gancho para prisão de equipamentos, bolsa interna para canetas ou outros objectos de configuração semelhante, sendo complementados com um cordão destinado a segurar ou prender utensílios ou equipamentos.

terça-feira, setembro 02, 2014

Projecto de arrumação para porta bagagens de Discovery 1 - 1ª parte

É nossa intenção conceber e construir uma prateleira em madeira ou contraplacado náutico, suportada por estrutura ou calhas em metal, com que permita acomodar no porta bagagens do Discovery 300Tdi um total de 4 "Wolf boxes" e um par de "jerry cans" de 20 litros, com as dimensões padronizadas da NATO.

A ideia básica é seguir de alguma forma a ideia publicada recentemente na Land Rover Owners, colocando os "jerry cans" na lateral, junto da porta traseira, fixos por uma peça em alumínio dobrado e seguros por um esticador fixo nessa mesma peça, com a prateleira permitir colocar na parte inferior as "Wolf box", no sentido da largura, em conjuntos de duas.

A prateleira seria suportada por três suportes também em madeira, sendo as ligações entre elas e ao veículo efectuadas através de cantoneira em metal, pelo que todo o conjunto seria simplesmente aparafusado, o que, uma vez na posse das peças, permite uma montagem simples e rápida, facilitando igualmente a sua remoção em caso de necessidade.

Naturalmente que podem ser adicionados outros detalhes ou funcionalidades, selecionados equipamentos complementares ou optando por uma finalização específica, estando abertos a sugestões e colaborações, sobretudo por parte de quem procure uma solução semelhante e queira participar neste projecto, que após finalizado pode ser usado pelos proprietários deste modelo de veículo.

segunda-feira, setembro 01, 2014

Contratos para que vos quero... - 3ª parte

No entanto, uma solução mais elaborada tende a ser permanente, enquanto o recurso a paineis solares móveis ou amovíveis é temporário, facilitando o seu uso em locais distintos, o que pode ser interessante caso esteja em caso, por exemplo, uma viagem com estadia em diversos locais.

A totalidade dos equipamentos mencionados, incluindo o "Conjunto de campismo" e paineis solares cabem facilmente numa única caixa do tipo "Wolf Box", modelo pelo qual optamos em função da relação qualidade preço muito favorável, mas também por serem empilháveis e fáceis de acomodar nos Land Rover de que dispomos para viagens ou explorações.

Seja recorrendo a uma habitação, mesmo que desprovida de muito daquilo a que estamos habituados, seja utilizando, essencialmente, um veículo com um mínimo de preparação, é possível manter alguma autonomia energética por um período limitado de tempo, recorrendo ao combustível da viatura e a energia solar, sem que daí resultem demasiadas dificuldades ou incómodos.

Recorrendo a algumas das tecnologias disponíveis, algumas das quais são facilmente acessíveis sem custos elevados, e mediante um conjunto de opções que, mesmo que reduzindo um pouco o conforto, permitem mantê-lo dentro de limites aceitáveis, é possível prescindir de um conjunto de contratos cujos consumos são insignificantes face ao total de custos, bastando para tal alguma imaginação, um pouco de trabalho e um investimento módico que rapidamente tem retorno.

domingo, agosto 31, 2014

O blusão TAD V 4.0 - 1ª parte

Apesar de, aparentemente, o Verão ter começado há pouco, com a entrada em Setembro começa-se a selecionar os equipamentos e vestuário a utilizar com o tempo mais frio, pensado para os dias de chuva, mas cuja temperatura não permite usar blusões mais pesados, optando-se por um modelo intermédio, funcional e de boa qualidade.

O TAD (Triple Aught Design) V 4.0 é um blusão tipo "soft shell" destinado a uso desportivo, como a corrida ou a caminhada, e a utilização militar, integrado num conjunto táctico que inclui outras peças de vestuário e de equipamento, sendo uma peça extremamente prática e polivalente que pode ser usado em inúmeras situações, sobretudo caso se opte por uma das cores mais neutras.

O tecido é confortável, quente, resistente, repelente a água, garantindo uma boa impermeabilização, permite a passagem de transpiração, sendo composto por três camadas de tecidos tecnologicamente avançados, que incluem o spandex, um revestimento de PU e uma camada de index com densidade de 8000 gramas por metro quadrado.

Este modelo inclui um capuz com pala, que pode ser recolhido e acomodado atrás do pescoço, tem um total de 8 bolsos, sendo os 6 exteriores fechados por fecho éclair YKK, o mesmo modelo usado no fecho do blusão, possui sistema de ajuste para evitar perdas de calor em velcro nos punhos e com um cordão na zona inferior.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin