sábado, fevereiro 09, 2013

Acessórios para veículos no Lidl

Image Hosted by Google Um extintor do Lidl no Defender 90

A partir da próxima 5ª feira, dia 14 de Fevereiro, estarão à venda nas lojas da cadeia Lidl diversos equipamentos e acessórios para veículos, incluindo um extintor, estojo de primeiros socorros, bem como diversas ferramentas, algumas das quais bastante úteis.

Também estão disponíveis uma lanterna LED CREE de 3 W, 55 lumens, chaves para velas de ignição e para filtro de óleo e testador de bateria e dínamo, termómetro com indicação de temperatura interior, exterior e relógio, sistema de mãos livres, removedor de riscos e esteiras para bancos.

Naturalmente que são aquelas que estão ligados à segurança, concretamente o extintor, idêntico ao que usamos no Defender, bem como o estojo de primeiros socorros, os acessórios para os quais chamamos a atenção em primeiro lugar, dado que os mesmo deveriam sempre estar presentes em qualquer veículo, independentemente da legislação em vigor.

Por 9.99 Euros para o extintor e 5.99 para o estojo de primeiros socorros, valores comparativamente baixos perante outras alternativas existentes no mercado, as viagens ficarão mais seguras para os ocupantes do veículo, bem como para outros utentes da via, caso estes equipamentos sejam utilizados no socorro de terceiros.

sexta-feira, fevereiro 08, 2013

Demoras na alfândega podem ultrapassar mês e meio - 4ª parte

Image Hosted by Google Viaturas de distribuição dos correios

Como reflexo, alguns dos vendedores que vendem para Portugal aumentam os preços, de forma a absorver eventuais prejuizos pelo que não é raro não encontrarmos o melhor preço entre os vendedores que aceitam proceder ao envio para o nosso país, dado que muitos optam por se proteger contra desaparecimentos ou reclamações, reflectindo isso no valor a pagar pelo comprador.

Inevitavelmente, estas directivas do que resulta um absurdo excesso de zelo, prejudica não apenas a economia, como resultado do adiamento de actividades económicas, mas também no volume de receitas fiscais, sendo certo que se encontrarão circuitos alternativos, sempre dentro da legalidade, que evitem a retenção de bens nos armazéns da alfândega durante um período imprevisível.

A par de muitas outras opções erradas por parte do governo português, que se refugia numa interpretação cega das imposições da "troika", determinando normas e impondo serviços a entidades do Estado sem lhes atribuir os meios necessários, esta opção vem prejudicar o conjunto da economia, demonstrando a franca incapacidade de muitos dirigentes em compreender o mundo real no qual, efectivamente, nunca viveram.

quinta-feira, fevereiro 07, 2013

Novo "roll bar" da Safety Devices para o Defender 90

Image Hosted by Google Um "roll bar" num Defender 90

A Safety Devices apresentou o seu novo "roll bar" interno, com a referência L224, destinado aos Land Rover Defender na versão com capota rígida, ou Station Wagon, que pode ser instalada nos veículos com e sem separador da caixa de carga.

Este novo "roll bar" de 8 pontos de fixação, pesa 70 quilos, é construido em aço "Cold Drawn Seamless" de 45 mm, vem pintado a negro, e pode ser instalado por duas pessoas em perto de meio dia, dependendo do número de pequenas alterações que seja necessário efectuar.

Estas alterações incluem, por exemplo, a passagem das pernas dianteiras e traseiras pelo chão, fixando-se no chassis, possível alteração no forro das portas, dependendo do modelo, cortes nos tapetes, pequenas alterações na montagem de alguns componentes, etc.

Este "roll bar" interno não protege a carroçaria, como acontece com as versões externas, e ocupa espaço no interior, tendo a vantagem de manter a estética do veículo, sem barras no exterior, e protegendo devidamente os ocupantes, sobretudo em caso de capotamento, situação na qual os Defender são extremamente perigosos para os ocupantes.

quarta-feira, fevereiro 06, 2013

Demoras na alfândega podem ultrapassar mês e meio - 3ª parte

Image Hosted by Google Uma estação de correios

Em muitos países comunitários, devido a uma menor carga fiscal, custos mais reduzidos, bem como a volumes de comercialização muito superiores, resultantes de mercados maiores, o preço de numerosos produtos, mesmo incluindo portes, são francamente inferiores aos praticados em Portugal, pelo que a opção pela compra no exterior continua a fazer todo o sentido.

Mercados como o inglês ou alemão, devido ao seu volume, o o holandês, menos conhecido mais importante dado ser um porto de entrada na Europa, são cada vez mais uma alternativa a importações directas de países asiáticos, estando os bens aí adquiridos isentos de pagamento de taxas aduaneiras.

Para quem adquire no EBay, esta demora tem implicações graves, dado que o prazo de reclamação é de 45 dias após a data da compra, verificando-se cada vez mais situações em que este prazo se verifica ser insuficiente, face às demoras nas alfandegas.

Após este período, é impossível reclamar e pedir reembolsos, pelo que muitos poderão optar por uma acção preventiva reportando um item não recebido, o que é manifestamente injusto para o vendedor, verificando-se que em número cada vez maior, estes deixam de enviar para Portugal, evitando assim prejuizos num negócio onde as margens são baixas.

terça-feira, fevereiro 05, 2013

Demoras na alfândega podem ultrapassar mês e meio - 2ª parte

Image Hosted by Google Uma estação de correios

Naturalmente que tudo isto tem implicações graves em termos de tempo de entrega, com encomendas à espera de serem inspeccionadas desde Dezembro, sobre as quais ainda nem sequer existe uma decisão quando ao pagamento ou não de qualquer importância, facto que, em última instância penaliza o comprador.

É manifesto que a Autoridade Tributária e Aduaneira não dispõe de recursos para atender atempadamente a todas as solicitações resultantes destas directivas, sendo tal mais que evidente perante as demoras absurdas que se verificam, sendo este facto contraproducente para a própria economia nacional.

Agrava o facto a completa falta de respostas concretas quanto a prazos de entrega, bem como a sua imprevisibilidade, pelo que se torna impossível qualquer tipo de planeamento com base na disponibilidade de produtos importados e que sejam inspeccionados pela alfândega, razão que leva a tentar contornar essa possibilidade.

Como resultado destas demoras, a tendência será a de evitar as alfândegas, adquirindo bens no interior da Comunidade Europeia, nos países onde estes tenham um menor custo, do que resulta o não pagamento de direitos alfandegários, beneficiando o país de aquisição e prejudicando o Estado português, que, na sua perspectiva imediatista, sacrifica a economia e receitas futuras.

segunda-feira, fevereiro 04, 2013

Demoras na alfândega podem ultrapassar mês e meio - 1ª parte

Image Hosted by Google Um centro de distribuição

Temos vindo a verificar que o prazo de entrega de encomendas provenientes do estrangeiro, sobretudo de países extra comunitários, tem vindo a aumentar de forma muito substancial, com os prazos de entrega a excederem o mês e, em nalguns casos, a ultrapassar os dois meses.

Esta situação, segundo fontes dos Correios, deriva de instruções superiores para que se proceda a uma verificação alfandegária das encomendas provenientes de fora da Comunidade Europeia, portanto sugeitas ao pagamento de direitos aduaneiros, de forma a que aumentem as receitas fiscais.

Ainda segundo as mesmas fontes, estas indicações resultam de acordos entre Portugal e a denominada "troika", que avaliou de forma muito negativa a cobrança deste tipo de receitas, pelo que agora é de prever que a maioria das encomendas seja inspeccionada e, caso o valor se superior aos limites previstos por lei, pague impostos ou taxas.

Durante anos, habituamo-nos a que pequenos volumes, sem valor aparente, ou mesmo alguns de maior porte, quando o valor pareça ser reduzido, mesmo que no limite do que implica pagamentos, passem livremente, sendo entregues aos respectivos compradores sem encargos, situação que agora parece ter mudado radicalmente.

domingo, fevereiro 03, 2013

Land Rover Owners de Março de 2013 já nas bancas - 2ª parte

Image Hosted by Google Um Disco "Camel Trophy" na LRO

Obviamente, o artigo sobre o caminho de Santiago, não obstante a nossa preferência, é apenas um entre muitos outros artigos incluídos neste número da LROI, onde a preparação para o Dakar, em pleno deserto, tem honras de capa e de um espaço alargado.

O longo artigo sobre uma 101 convertida, com um interior que parece uma autêntica habitação, sobre um Lightweight e viagens nos antigos Serie, encontram-se entre os mais interessantes, tal como os vários artigos técnicos, alguns particularmente úteis sobre temas simples mas que interessam a todos, como sobre os limpa parabrisas.

Apesar de criticados, devido ao elevado número de páginas, os anúncios continuam a revelar-se de grande utilidade, alertando, mais que as colunas da própria revista, para todo um conjunto de novidades, entre as quais sempre é possível encontrar algumas que se podem revelar úteis no futuro, sendo de incluir numa lista de futuras aquisições.

No total, são 228 páginas, muitas das quais com bastante interesse, onde um investimento publicitário sério por parte das entidades responsáveis pelo turismo português poderia ter maior retorno do que a maioria das campanhas feitas no exterior e cujos resultados são difíceis de contabilizar.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin