sábado, fevereiro 27, 2010

"Intercoolers" em alumínio - 5ª parte

Image Hosted by ImageShack
Um "intercooler" em alumínio vendido pela Paddock Spares

Assim, para os Td5 temos:

Defender

Núcleo 550 x 330 x 40 mm
Exterior 760 x 330 x 60 mm

Discovery com ar condicionado

Núcleo 640 x 260 x 50 mm

Discovery Td5 sem ar condicionado e caixa manual

Núcleo 640 x 388 x 50 mm

Para os modelos 200 e 300 Tdi, com entrada e saída de 51 mm do mesmo lado temos:

Defender

Núcleo 500 x 320 x 55 mm
Exterior6 10 x 320 x 65 mm

Discovery

Núcleo 500 x 320 x 60 mm
Exterior 610 x 330 x 65

Será com base nestes valores que se tentará obter um par de modelos de "intercoolers" que cubram o máximo de veículos, optando por um com entradas no mesmo lado e outro em lados opostos, sempre de 51 mm.

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

"Intercoolers" em alumínio - 4ª parte

Image Hosted by ImageShack
Um "intercooler" em alumínio da Td5 Alive para o Defender Td5

Uma das opções a ter em conta é a de desenhar "intercoolers" adaptáveis a mais do que um modelo de veículo, reduzindo assim custos seja em termos de produção, seja na própria logística, tentando apontar para um par de desenhos que abranjam a maioria da gama dos Land Rover.

Dado que os modelos onde este tipo de modificação se prevê seja mais comum são os Defender e os Discovery, nas suas versões 200/300 e Td5, como e sem ar condicionado, optamos por analisar as dimensões dos "intercoolers" que possam ser instalados sem obrigar a grandes modificações e com o mínimo de adaptações.

Para além das dimensões, existe a particularidade de os motores Td5 terem a entrada e saída de lados opostos, enquanto os dos 200 e 300 Tdi as possuem do mesmo lado, sendo que todas são de 51 mm, o que obriga a dois modelos completamente distintos.

Sendo os mais recentes e aqueles que, possuindo uma gestão electrónica, são mais propensos a alterações de gestão que mais exigem do motor, resultando num maior esforço e no subsquente desgaste, começamos pelas medidas dos Td5.

quinta-feira, fevereiro 25, 2010

Compressor T-Max de dupla bomba - 2ª parte

Image Hosted by ImageShack
Compressor T-Max de dupla bomba

Apesar de concebido como equipamento portável, o BA2663 pode ser fixado ao veículo e ligado de forma mais permanente, ao invés de recorrer à tomada de isqueiro do mesmo.

Este modelo pode debitar até 110 litros de ar por minuto, trabalhando com uma pressão máxima de 150 PSI e com 200 PSI como pressão de recomeço,

Tem capacidade de operação entre os -55º e os 60º e pode funcionar até 40 minutos com uma pressãode 40 PSI a 24º de temperatura, consumindo até 30A de uma bateria com até 13.8 volts.

O BA2663 vende-se por a partir de 75 libras a que acrescem portes de envio, que, mesmo sendo de Inglaterra, podem andar pelas 25 libras, pelo que, caso seja possível obtê-lo em Portugal por um valor semelhante, será uma opção a ter em conta.

Mau tempo na Madeira - 4ª parte

Image Hosted by Imageshack
Inundações na Madeira

A outra vertente que é incontornável é o ordenamento do território, que numa ilha com a orografia da Madeira deve merecer uma atenção muito especial e ser objecto de uma análise aprofundada e permanentemente actualizada.

Indiscutivelmente, existe um problema de falta de espaço longe de falésias ou encostas onde seja seguro edificar, pelo que a pressão urbanística é na Madeira superior à de outras regiões portuguesas, mas tal não pode justificar autorizar construir em zonas de risco, muitas das quais necessitam de ser devidamente inventariadas.

Num texto anterior, que mantém a sua actualidade passados dois anos e meio, mencionamos a falta de uma carta de risco das escarpas da Madeira, ignorando-se quais as que estão consolidadas e quais as que representam um risco para quantos estejam nas proximidades, seja em permanência, seja em trânsito.

Apesar de haver menção a uma evolução a este nível, o facto é que este trabalho ainda não está concluido e, no entretanto, mais edificações foram autorizadas em locais onde se pode verificar uma derrocada ou riscos de algum tipo que possam ser previstos através de um estudo.

quarta-feira, fevereiro 24, 2010

Compressor T-Max de dupla bomba - 1ª parte

Image Hosted by ImageShack
Compressor T-Max de dupla bomba

A escolha de um compressor para um todo o terreno depende em muito da utilização, do orçamento e da qualidade e fiabilidade do equipamento, sendo obviamente mais crítico para quem necessite de usar um equipamento deste tipo em locais remotos, onde existam dificuldades de assistência.

Se por um lado é possível adquirir um pequeno compressor com pouco mais de uma dúzia de euros, a capacidade de enchimento e fiabilidade destes modelos tornam-nos inadequados para usar nos veículos todo o terreno, sobretudo nos que possuem pneus de maior dimensão.

Entre os fabricantes conceituados encontra-se a T-Max, que na sua linha de modelos propõe um equipamento de duplo pistão, com possibilidade de ser também utilizado para baixar a pressão dos pneus, algo por vezes necessário em terrenos menos consistentes.

O compressor tem um sisema de parafuso para prender aos pneus e está protegido por um sistema que o desliga caso aqueça demasiado e o volta a ligar quando a temperatura cai para níveis de operação seguros.

Mau tempo na Madeira - 3ª parte

Image Hosted by Imageshack
Inundações em Portugal

Sabe-se que a questão do espaço para construção adquire no território da Madeira, em função da sua dimensão, uma complexidade maior do que no Continente, mas tal não pode justificar que se permita construir em zonas de risco, nem que a falta de verbas permita que estas não sejam devidamente monitorizadas.

No entanto, a falta de verbas tem outras implicações, nomeadamente nos investimentos que deveriam ter sido efectuados em termos de prevenção.

Uma falha crítica é a inexistência de um radar meteorológico no arquipélago da Madeira, através do qual teria sido possível prever com maior antecedência a forte precipitação que ontem se fez sentir e emitir os necessários alertas com uma maior antecedência.

Este investimento, que teria sido pago num único evento desta magnitude, isto sem mencionar a questão relativa à perda de vidas humanas, foi preterido ou adiado sucessivamente em prol de outros equipamentos que, podendo ser importantes, não serão tão decisivos como este na prevenção de um fenómeno climático deste tipo.

terça-feira, fevereiro 23, 2010

Lanternas de emergencia - 3ª parte

Image Hosted by ImageShack
Uma lanterna de emergência

A alimentação é proporcionada por um conjunto de seis pilhas ou através de uma ligação à tomada de isqueiro de um veículo, sendo fornecido um cabo adequado ao efeito, algo que tende a ser comum a modelos equivalentes.

Se em termos daquilo a que se propõe o modelo da Philips é eficaz, em parte devido à boa capacidade das baterias e à ligação à do veículo, apresenta também algumas limitações, nomeadamente a falta de um sistema de fixação, magnético ou outro, e o peso e dimensões algo exageradas e que dificultam a sua acomodação, bem como um consumo elevado que resulta de um desenho e concepção que tem alguns anos.

Idealmente, um misto das duas lanternas, com o recurso a "leds" e a inclusão dos sistemas de quebra de vidro e de corte de cintos, bem como a base magnética do primeiro exemplo, aliado à autonomia, solidez e versatilidade luminosas da Philips seria o ideal, caso o produto final não fosse demasiado volumoso ou dispendioso, podendo ser necessária uma solução de compromisso.

A infinidade de soluções existentes permite, obviamente, adoptar aquela que mais se adequa a cada caso concreto e que naturalmente irá variar conforme as exigências de cada utilizador.

Mau tempo na Madeira - 2ª parte

Image Hosted by Imageshack
Inundações na Madeira

Em primeiro lugar, temos questões de prevenção que incluem desde o ordenamento do território até ao sistema de alerta, passando pela preparação e dotações dos meios de socorro e pela existência de planos adequados e devidamente testados.

É manifesto que continua a verificar-se uma grande falta de profissionalização a nível dos serviços municipais de protecção civil e mesmo o comandante municipal, que deveria ser um profissional qualificado e experiente, nem sempre obedece a estes critérios e nem se quer foi nomeado em todas as autarquias.

Segue-se a questão dos planos de emergência, que mais uma vez deviam obrigatoriamente existir a nível municipal e não apenas sob forma de papel, mas que deviam ser periodicamente revistos e testados, reproduzindo as alterações que se verificam a nível local e os melhoramentos tecnológicos que surgem permanentemente.

Também as cartas de risco, que no caso da Madeira, onde o terreno obriga a um especial cuidado, sobretudo quando se sabe haver encostas ou escarpas não consolidadas, actualizadas em permanência e de consulta obrigatória quando se pensa em termos de ordenamento do território, parecem ter sido negligenciadas, facto patente nas autorizações de construção em locais onde o perigo, previsivelmente existe.

segunda-feira, fevereiro 22, 2010

Lanternas de emergencia - 2ª parte

Image Hosted by ImageShack
A lanterna Philips

Em contrapartida, está incluido um sistema de quebra de vidros e outros para corte de cintos de segurança, com uma lamina devidamente protegida, e a base magnética permite uma fixação fácil na maioria dos veículos, exceptuando sobretudo os que têm carroçaria em liga de alumínio.

O preço deste modelo, no EBay, fica abaixo da dezena de euros e, apresentando algumas características interessantes, tem também algumas limitações a nível das baterias usadas e de não possuir ligação à tomada de isqueiro do veículo.

Por ser lado, o modelo da Philips funciona apenas como sistema de iluminação, podendo-se optar por uma lâmpada incandescente, que proporciona uma luz dispersa, capaz de iluminar uma pequena divisão, ou por um foco unidireccional com alcance razoável.

Do lado oposto encontram-se uma lâmpada vermelha e outra laranja, podendo a primeira ser usada separadamente e a segunda em conjunto e alternando com a primeira de forma intermitente.

Mau tempo na Madeira - 1ª parte

Image Hosted by Imageshack
Inundações na Madeira

As 40 vítimas mortais resultantes das intempéries na Madeira, algo que lamentamos profundamente, bem como os numerosos feridos e elevados prejuizos materiais, devem ser objecto de reflexão, dado tratar-se de uma tragédia que excede em muito outras que atingiram esta ilha no passado.

As chuvas intensas e os fortes ventos causaram numerosas inundações, derrocadas, arrastaram viaturas, destruiram vias de comunicação, provocaram deslizamentos de terras e fizeram ruir habitações, causando sérias dificuldades de movimentação e nas próprias comunicações, criando dificuldades adicionais no socorro das vítimas.

Sem por em causa a intensidade dos elementos naturais, que deverá ser analizado comparativamente com situações anteriores e à luz da evolução do clima, devemo-nos centrar essencialmente na responsabilidade da intervenção humana e na forma como as decisões ou opções recentes podem ter influido no trágico número de vítimas.

Uma análise deste tipo obriga, em nome do rigor, a destrinçar as causas individuais que contribuiram para a existência de cada vítima, de forma a que se possa concluir se estamos diante de algo inevitável em função do grau de imprevisibilidade ou se resultam de decisões erradas e cujas consequências agora são sentidas.

domingo, fevereiro 21, 2010

Alterações no interior do Defender - 2ª parte

Image Hosted by ImageShack
O Kington no interior do Defender

Apesar de as antenas magnéticas não serem as nossas preferidas, e dado que a carroçaria do Defender é em alumínio, nem sequer as mais fáceis de utilizar, o facto de termos uma disponível permite, caso necessário, utilizá-la para adicionar um segundo rádio AM de que dispomos, algo que por vezes se torna necessário em locais onde as condições apresentem maiores dificuldades ou seja necessário manter comunicações em simultâneo em AM e FM.

Também adicionamos o saco interior do "camel back", que prendemos na rede divisória do compartimento de carga, de modo a que o tubo de bebida ficasse ao alcance dos assentos do condutor e central, ficando em aberto a possibilidade de instalar um segundo reservatório ao alcance do passageiro do assento direito.

Um último item adicionado foi o suporte do extintor, que, não sendo obrigatório, deveria estar presente em todos os veículos automóveis e colocado num local de fácil acesso para o condutor e, se possível, para os passageiros.

Brevemente, entre outros items, iremos adicionar o "hi-lift", recorrendo aos dois suportes provenientes do exército inglês que adquirimos no EBay, passando depois ao suporte de "jerry cans" e à caixa metálica sobre os bancos.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin