sábado, agosto 03, 2013

"CB27 e a Emergência" - 2ª parte

Image Hosted by Google Um rádio Alan Midland 48 Excel Multi

Como consequência imediata, verifica-se a impossibilidade da prática de todo o terreno legal nos locais onde os alertas são mais necessários, pelo que quem, contrariando a legislação em vigor o faça, obviamente nunca iria revelar a sua presença, incorrendo em sanções, para dar o alerta.

Antes de dispender quantias na reactivação das estações de CB nos corpos de bombeiros, seria de rever esta legislação absurda, contra a qual nos temos insurgido, e que tem vindo a vulnerabilizar as áreas florestais, cada vez mais abandonadas, com menos vigilância e uma menor transitabilidade, do que resulta um alerta tardio e dificuldades acrescidas no combate aos fogos por terra.

Lamenta-se que, tal como acontece em tantas outras ocasiões, iniciativas de mérito surjam desenquadradas da realidade e alheias ao quadro legal vigente, dando origem a situações de impraticabilidade, que se podem revelar traiçoeiras para quem, na sua boa vontade aja sem conhecer a legislação aplicável, resultando ainda no desperdício de recursos, sempre necessários para outras acções.

Alertamos os nossos leitores que as restrições à circulação continuam em vigor e sugerimos que, caso apoiem o uso do CB como forma de alerta no âmbito dos fogos florestais, antes de algum contributo manifestem junto das entidades competentes o desagrado face à legislação em vigor, que deve ser alterada antes de ser dado o passo proposto no apelo que tem vindo a ser feito.

sexta-feira, agosto 02, 2013

"CB27 e a Emergência" - 1ª parte

Image Hosted by Google Rádio Alan 48 Excel Multi no Defender

Este é o título de um texto publicado em diversos locais onde se apela à reactivação do canal 9 em AM, na banda dos 27 MHz, como forma de comunicação de emergência e alerta em caso da detecção de fogos florestais, propondo-se a reactivação das estações de CB nos corpos de bombeiros e entidades ligadas à Protecção Civil.

Com esta reactivação, seria possível aos praticantes de todo o terreno que transitassem por zonas florestais, caso detectassem um fogo, recorrer aos rádios CB ou mesmo aos PMR 446 para alertar as entidades competentes, de forma a que a ocorrência fosse combatida ainda num estado inicial.

Em muitas destas áreas florestais não existe uma cobertura adequada de rede de telemóvel, pelo que, para dar o alerta, seria necessário uma deslocação até onde a comunicação fosse possível, do que pode resultar um substancial atraso com as consequências que todos podemos adivinhar.

No entanto, surge imediatamente um problema, que parece ter escapado a quem promove a iniciativa, nomeadamente a existência de legislação que restringe a circulação em áreas florestais durante o período crítico de incêndios, impondo sanções severas a quem o faça, pelo que a prática de todo o terreno nestas zonas é ilegal.

quinta-feira, agosto 01, 2013

Na sequência de um pequeno acidente, procuramos para-choques para o Discovery

Image Hosted by Google Estado actual do para-choques do Discovery

Na sequência de um acidente, felizmente sem consequências, no qual um automóvel, ao efectuar uma ultrapassagem, embateu na frente esquerda do nosso Discovery, após efectuada a peritagem, tornou-se necessário adquirir um conjunto de peças, que incluem o pisca esquerdo, a pestana sob o farol esquerdo e o para-choques dianteiro.

Adquirimos o pisca no EBay inglês, através JGS 4x4 Limited e a pestana a um vendedor particular, via um grupo do Facebook, ficando a faltar o para-choques, que pretendemos adquirir ao mais baixo preço possível, eventualmente a quem o tenha substituido por um modelo em metal ou com suporte para guincho.

Agradecemos aos nossos leitores que possuam ou conheçam quem tenha para venda um para-choques conforme o pretendido, de preferência sem faróis de nevoeiro que nos contactem, informando o respectivo preço, e, caso não possuam, que divulguem este apelo entre os seus contactos.

Este não é o método de reparação que pretendiamos, mas dado os atrasos a nível de seguradoras, é o possível dentro do orçamento disponível, ficando depois a faltar a montagem após algumas pequenas reparações a nível dos suportes do para-choques.

quarta-feira, julho 31, 2013

"Hi lift" tem versão dedicada ao socorro




Passados anos aós termos abordado o uso do "high lift" no socorro, o fabricante original disponibilizou um modelo alterado, especificamente modificado e destinado à utilização em missões de socorro, substituindo equipamentos mais dispendiosos e que podem não estar ao alcance de todos.

Esta nova versão inclui modificações, sobretudo em termos de acessórios, com uma base modificada, que permite usar com maior facilidade correntes e cintas, bem como uma peça adicional no topo, que permite fixar mais facilmente um ponto em acções de desencarceramento.

Esta é, no fundo, a utilização essencial do "hi lift" no socorro, ao substituir ferramentas hidráulicas muito específicas, presentes num número limitado de veículos, de forma a permitir um acesso rápido a carroçarias danificadas, elevar veículos ou desviar obstáculos.

Dado que a maioria dos veículos necessitam de um macaco para elevação e o "hi lift" também cumpre esta função, eventualmente com vantagens, este é um acessório que, pelo seu baixo preço, deveria estar presente nos veículos de socorro que intervenham em acidentes de viação, onde pode ter um papel fundamental.

terça-feira, julho 30, 2013

Óculos e promoções para automóveis no Lidl

Image Hosted by Google Óculos com múltiplas lentes no Lidl

A partir de 2ª feira, dia 05 de Agosto, vão estar em promoção nas lojas da cadeia Lidl diversos equipamentos destinados à prática desportiva, entre os quais óculos que, pelas suas características, se podem revelar adequados para a prática da condução, por incluirem lentes de escurecimento, adequadas para ambientes de alta luminosidade e lentes de alta visibilidade, que podem ser usadas de noite.

Estes óculos, com armação e hastes em plástico de alta resistência, incluem três conjuntos de lentes, umas escuras, outras de alta defenição e as terceiras transparentes, destinadas sobretudo a protecção física dos olhos, bem como um estojo de transporte, e custam 5.99 Euros, incluindo uma garantia de 3 anos.

Relembramos que estão em promoção desde esta 2ª feira, dia 29 de Julho, alguns equipamentos que recomendamos, entre os quais um extintor de 1 Kg, os quais podem justificar a sua presença dentro de uma viatura, sobretudo se, nesta época de férias, efectuar viagens mais longas e em locais remotos.

Rebites nas abas do Defender: preços e colocação

Image Hosted by Google Um "clip" ou rebite para abas do Defender

Os preços praticados pela Land Rover para algumas peças é de tal forma elevado que choca os próprios concessionários, facto que verificamos quando pretendemos adquirir uma vintena de "clips" ou rebites em plástico usados para fixar as abas dos Land Rover Defender na carroçaria.

O preço unitário desta simples peça de plástico na Land Rover é de 1.10 Euros, e mesmo tendo o concessionário, que também reconheceu este ser um valor absurdo, efectuar um desconto de 30%, o preço continua demasiadamente elevado, sobretudo comparado com aquele que é praticado em Inglaterra e que ronda os 17 cêntimos por unidade, acrescendo portes que, em encomendas conjuntas, podem ser quase nulos.

Falta agora aplicar os rebites, de forma a segurar na carroçaria a parte interior da aba original, que cortamos de forma a prevenir a entrada de pó e outros detritos, e necessita agora de ser aplicada, complementando assim o efeito das abas mais largas que optamos por colocar no Defender.

Aparentemente, e pelo aspecto da peça, após devidamente posicionada dentro do furo existente para o efeito, deverá ser suficiente efectuar pressão ou martelar no pino, de modo a que o rebite prenda, mas, caso algum dos nossos leitores tenha uma melhor sugestão, seja uma técnica mais adequada ou uma ferramenta mais apropriada, agradecemos que nos contacte.

segunda-feira, julho 29, 2013

Posição de antena num Defender na LRO - 2ª parte

Image Hosted by Google Imagens do artigo da Land Rover Owners

Para além da instalação dos cabos, incluindo a sua extensão, da conectividade, onde incluimos todas as fichas e ligações físicas, bem como de afinações, o local onde a antena se instala é determinante, sendo sempre de escolher um local desimpedido, sem obstáculos que encubram algum dos angulos, e sobre uma superfície plana, que possa reflectir as ondas rádio.

Naturalmente que tal exclui imediatamente qualquer posição encostada à carroçaria do veículo, que encobre parcialmente a antena e dificulta a recepção, pelo menos de alguns angulos, podendo ainda resultar em interferências, agravadas caso esteja muito encostada e perto de cablagens eléctricas.

Para evitar interferências e obstáculos, o posicionamento num local elevado é aconselhável, sendo a recepção reforçada caso a antena se encontre sobre uma superfície uniforme e plana, que pode ser o tejadilho, o mais adequado devido à dimensão, mas também o mais vulnerável, ou o capot, de menor superfície, numa cota mais baixa, mas menos exposto, sobretudo se protegido por cabos para afastamento de ramos.

Qualquer destas posições será bem mais adequada do que a proposta na LRO, onde se dá primazia à protecção da antena e à diminuição do ruido, colocando em segundo plano a função essencial da antena nas comunicações via rádio, sendo que da perda de eficácia desta podem resultar riscos para quem dependa do sistema de rádio para a própria segurança ou para a de terceiros.

domingo, julho 28, 2013

Posição de antena num Defender na LRO - 1ª parte

Image Hosted by Google Imagem da antena num Defender na LRO

Um artigo relativamente ao reposicionamento de uma antena de rádio CB na Land Rover Owners International (LROI), escrito por Neil Watterson, merece um comentário, dado que a opção do editor desta revista nos parece pouco adequada ao fim primário a que se destina este tipo de equipamento.

Na colocação de uma antena existem vários factores a ter em conta, para além da protecção do equipamento e de evitar que este provoque ruídos incómodos, sendo sempre de previlegiar a optimização das condições de recepção, que dependem de alguns factores básicos.

Todos sabemos que uma antena, quando posicionada num local alto, como o tejadilho ou o próprio capot, para além de vulnerável em caso de impactos durante a prática do todo o terreno, provoca ruidos parasitas, podendo ainda vir a colidir com alguns obstáculos, como tectos mais baixos, provocando barulhos incómodos.

A opção do editor da LROI foi colocar a antena sobre o suporte da matrícula, fixando-a através de um suporte de escape, em borracha, que foi reutilizado, numa solução de baixo custo, que posiciona a antena num local algo protegido, sobretudo durante deslocações, mas que é inconveniente a nível de condições de recepção.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin