sábado, janeiro 10, 2009

Minoru 3D "webcam"


Image Hosted by Imageshack
A câmara dupla Minoru 3D

A "webcam" Minoru 3D é a primeira camara que se define como tridimensional, obtendo este efeito graças a um par de câmaras e a óculos, que permitem visualizar imagens numa perspectiva estereoscópica, sugerindo uma profundidade que tenta replicar a realidade.

Estão incluidos cinco pares de óculos com lentes vermelho e azul/roxo, usados para visionamento tridimensional, mas pode ser usada de forma convencional, sem óculos, como uma "webcam" comum.

Esta "webcam" conecta-se a um "interface" USB 2.0 e permite visualizações tridimensionais optimizadas que vão incluem as resoluções 800x600, 640x480(VGA), 352x288, 320x240 pixels, com até 30 "frames" ou imagens por segundo.

Este equipamento pode ser adquirido através da Amazon inglesa, com valores a partir das 49.95 libras, o que equivale a perto de 55 euros, ou por 79.95 euros, resultante de um cambio absurdo, razão pela qual sugerimos aos interessados o pagamento na moeda inglesa e não na europeia.

Apresentamos esta "webcam" sobretudo a título de curiosidade, pois esta só permitirá os resultados adquados caso o sistema funcione correctamente e haja uma disseminação que permita a quem tenha os óculos receber imagens obtidas tridimensionalmente, sem o que estaremos diante de um "gadget" tecnologicamente interessante, mas com pouca ou nenhuma utilidade prática e demasiado dispendioso face a modelos convencionais de maior resolução.

sexta-feira, janeiro 09, 2009

Adicionamos uma ligação para o "blog" "Enfermeiros Unidos"


Image Hosted by Imageshack
Enfermagem em Portugal

Neste início de ano, adicionamos mais uma ligação para um "blog" relacionado com a enfermagem, o "Enfermeiros Unidos", que pretende dar voz aos enfermeiros, abordando todas as áreas da enfermagem e escrito por um conjunto de profissionais do sector.

Deixamos também a informação de que estão abertos os convites para quem pretender colaborar, para o que basta enviar uma mensagem para o endereço enfermagempt@gmail.com, após o que será enviado um convite para colocar os próprios textos.

Desejamos o maior sucesso a este novo "blog" e fazemos votos de que se afirme como factor de unidade e de partilha de informações entre os enfermeiros e outros profissionais ligados às áreas de saúde e do socorro em Portugal.

Dois guardas da GNR suicidam-se com armas de fogo - 2ª parte


Image Hosted by Imageshack
O veículo do militar da GNR que se suicidou em Brancanes

A Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda, para além de se interrogar quanto à eficácia dos programas da GNR de prevenção do suicídio apontou para a obrigatoriedade dos militares deixarem a arma nos postos, algo que consideramos irrealista e de resultados nulos, até porque um dos militares usou uma arma particular.

Se por um lado os militares, salvo os que forem devidamente sinalizados, terão sempre acesso a armas sem supervisão ou acompanhamento, o que acontecerá numa ocasião ou noutra, não será a falta de uma arma que impedirá o suicídio, sendo quase certo que, tomada a decisão, este será concretizado de acordo com as possibilidades existentes ou no momento em que possa obter os meios previstos.

Não se podem confundir uma mera questão de acessibilidade de meios, que sempre existirá para qualquer pessoa, com as razões profundas que determinam a opção pelo suicídio, que no caso concreto não era um pedido de ajuda, mas uma decisão final, o que nos leva a equacionar se houve ou não algum tipo de aviso e qual a atenção com que este terá sido escutado ou interpretado.

Estes dois casos, que surgem quase em simultâneo, ocorrem num período crítico, o de Natal e passagem de ano, quando as emoções são mais fortes, em muitos casos se espera destes profissionais mais do que podem dar, e se perspectiva mais um futuro que, no caso dos militares da Guarda, surge muitas vezes como incerto dada a reestruturação em curso.

quinta-feira, janeiro 08, 2009

Adicionamos uma ligação para o "blog" "Saber fazer e ser. Porque a vida é um direito"


Image Hosted by Imageshack
Formação de enfermeiros

Adicionamos uma ligação para o "blog" "Saber fazer e ser. Porque a vida é um direito", que aborda temas relacionados com a saúde em geral e com temas relacionados com a enfermagem em particular.

Neste "blog" podem ser encontrados textos de reflexão, informações úteis e actualidades relacionadas com um conjunto de temas que são do interesse não apenas dos profissionais ligados à área da saúde, mas à população em geral, pelo que aconselhamos uma visita e a leitura dos textos publicados.

Um beijinho para a Maria João, autora deste "blog" que continuaremos a acompanhar, a quem desejamos um feliz 2009, com tudo de bom.

Dois guardas da GNR suicidam-se com armas de fogo - 1ª parte


Image Hosted by Imageshack
Militares da GNR no fim da formação

Uma militar da Guarda Nacional Republicana (GNR) de 30 anos, casada e com uma filha de quatro anos, que prestava serviço no Núcleo Mulher e Menor do Comando de Évora, suicidou-se na sua casa, em Viana do Alentejo, recorrendo para tal à sua arma de serviço.

Este foi o primeiro suicídio ocorrido este ano na GNR, força na qual o ano passado se verificaram um total de 13 casos e vem relançar a discussão de um problema que continua sem solução à vista e que já abordamos por diversas vezes.

O segundo caso de suicídio de um militar da corporação ocorreu ontem, tendo o corpo sido encontrado pelas 09:30, dentro da sua viatura particular, em Brancanes, no concelho de Olhão.

Este militar, amigo da guarda que se suicidara no dia 5, estivera de serviço durante a manhã e deixara a arma de serviço no quartel, tendo, aparentemente, saido calmamente e sem alguma vez ter revelado qualquer tipo de problemas que apontassem para a possibilidade de suicídio.

Apesar de o recurso a armas de fogo não ser tipicamente femenino, o seu fácil acesso e o conhecimento do uso e dos resultados poderá ter sido decisivo, sendo que a época de Natal e passagem de ano é das mais críticas para quem sofre de depressões, altura em que a incidência atinge valores mais elevados.

quarta-feira, janeiro 07, 2009

Ebuddy, mensagens instântaneas para qualquer rede - 2ª parte


Image Hosted by Imageshack
Écran de contactos no Ebbudy Mobile

Esta plataforma é gratuita, suportada pela publicidade que vai surgindo no écran e não permite algumas funções como, por exemplo, os "winks", nem suporta a possibilidade de "logins" simultâneos, algo possível nas versões mais recentes do Messenger, podendo, no caso de ser usada no telemóvel, ser algo dispendiosa, mas as limitações podem ser compensadas pelas funcionalidades oferecidas.

Esta é uma plataforma que aconselhamos sobretudo a quem pretenda usar mensagens instantâneas no telemóvel e não pretenda recorrer aos serviços oferecidos pelas operadoras, os quais tendem a ser demasiado dispendiosos quando comparados com soluções simples, que se baseiam no simples pagamento do tráfego.

O uso deste tipo de mensagens e de outras funcionalidades em equipamentos móveis terá um substancial impulso neste ano de 2009, com a divulgação de plataformas como a "Android" e a contínua queda de preços dos telemóveis inteligentes, ou "smartphones", mas, para quem pretenda manter o seu actual equipamento, o EBuddy e outros sistemas similares podem permitir quase equiparar modelos com alguns anos às mais recentes novidades do mercado.

Mais equipas profissionais nos bombeiros em 2009 - 3ª parte


Image Hosted by Imageshack
Bombeiro durante o combate a um incêndio

Maior entusiasmo tem a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), que considera que as EIP podem vir a ser um contributo importante no sentido de melhorar a organização das corporações, mas admite que para que tal aconteça, também é necessário profissionalizar os elementos de comando.

Sendo uma necessidade, seja por opção, seja por condicionalismos demográficos, a profissionalização do socorro é um custo que necessita de ser socialmente reconhecido e equiparado a outros que hoje são considerados indiscutíveis, como a segurança, a saúde ou a justiça, relativamente aos quais ninguém coloca em dúvida nem a necessidade, nem as despesas inerentes ao seu funcionamento.

O enorme peso dos voluntários no socorro, que permitiram ao longo de anos poupar uma verba incalculável ao Estado português, à custa de muitos sacrifícios pessoais e nem sempre da maior eficácia, necessita hoje de ser encarado como tendencialmente em fase de redução, podendo um dia a situação inverter-se e passar a desempenhar um papel de complementaridade relativamente a um maior pendor para o profissionalismo, assumindo-se sem complexos esta evolução e os custos inerentes.

Um socorro eficaz, moderno, com a capacidade de resposta a que todos temos direito, obriga a suportar investimentos, que se irão reflectir, inevitavelmente, nas contas públicas, mas será o único caminho a seguir para evitar o colapso de um sistema que, sobretudo nas zonas mais desertificadas do Interior, começa a ser demasiadamente evidente para poder continuar a ser ignorado.

terça-feira, janeiro 06, 2009

Ebuddy, mensagens instântaneas para qualquer rede - 1ª parte


Image Hosted by Imageshack
Écran do Ebbudy Mobile

Para quem use diversos programas de mensagem instântanea nem sempre é fácil encontrar uma forma de conciliar e coordenar os vários tipos de ligação, agregar listas de correio ou usar uma plataforma que garanta mobilidade e portabilidade.

O Ebuddy, um sistema baseado na Internet e que não obriga a instalar nenhum programa nos computadores e tem uma versão para correr em telemóveis, pode ser uma solução a ter em conta, devido à capacidade de estabelecer contactos simultaneos com as várias redes de mensagens instantaneas, incluindo o Messenger, o Google Talk, o AIM, o ICQ, o MySpace e o Yahoo, e necessite de, mesmo a custo de algumas funções, opte pela mobilidade.

Abrindo uma conta no EBuddy é fácil agregar as diversas contas de mensagem instantânea e podem-se consolidar as listas de endereços, que passarão a aparecer juntos, dialogando de forma transparente com os utilizadores das vários redes ou serviços, que surgirão de forma unificada.

Dado que não obriga a instalar qualquer programa, correndo num vulgar "browser", o E-Buddy é compatível com praticamente qualquer sistema operativo e as duas versões da aplicação disponíveis para telemóveis podem ser instaladas nos modelos mais recentes, com Java, ou em equipamentos mais antigos, que assim podem também usar mensagens instantâneas.

MAI promete nova legislação para os bombeiros em 2009


Image Hosted by Imageshack
Quartel e veículos de bombeiro, alguns de idade avançada

Durante a cerimónia de tomada de posse dos novos orgãos sociais da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), realizada anteontem em Esposende, o ministro da Administração Interna prometeu concluir durante este ano um conjunto de legislação destinada a defender os interesses dos bombeiros.

A legislação abordará vertentes relacionadas com os contratos de trabalho, protecção nas doenças profissionais, bonificação do tempo de serviço, acidentes em serviço de voluntariado e seguros de acidentes pessoais.

Na altura, foi ainda adiantado que até 2013 serão investidos 150.000.000 de euros de verbas comunitárias e outros 45.000.000 do orçamento do Estado português destinados a infra-estruturas e reequipamento, mas faltou uma calendarização da atribuição destas verbas, pelo que se desconhece quando poderão ser utilizadas.

Efectivamente, para além de uma promessa a nível legislativo, que o presidente da LBP, Duarte Caldeira, considerou ser importante para o enquadramento do sector, tudo nos pareceu demasiado vago e indefenido, atirando para datas incertas a satisfação de necessidades básicas para a operacionalidade das corporações, o que impede, desde já qualquer tipo de planeamento ou, sequer, de previsão.

É típico entre nós, a falta de melhor, legislar, mas a regulamentação, essencial para a concretização e entrada em vigor das leis, tende a demorar e a implementação no terreno, que exige outro tipo de recursos, raramente é tão célere como as peças legislativas, muitas vezes de má qualidade, com as quais se pretende demonstrar algum trabalho ou enviar uma mensagem de preocupação que não se traduz na prática.

Ficamos à espera de ver qual a legislação a ser elaborada neste ano e, com maior expectativa, quando estarão disponíveis todos os intrumentos legislativos e os recursos financeiros que permitam a sua implementação, sendo que o prazo adiantado, de até 2013, corresponde ao fim da próxima legislatura ou início da seguinte, pelo que é um horizonte temporal e político que carece de quaisquer comentários adicionais.

segunda-feira, janeiro 05, 2009

A Cruz - 3ª parte


Image Hosted by ImageShack
A Cruz - 9ª imagem




Image Hosted by ImageShack
A Cruz - 10ª imagem




Image Hosted by ImageShack
A Cruz - 11ª imagem




Image Hosted by ImageShack
A Cruz - 12ª imagem




Image Hosted by ImageShack
A Cruz - 13ª imagem

Mais equipas profissionais nos bombeiros em 2009 - 2ª parte


Image Hosted by Imageshack
Bombeiros num incêndio urbano

Apesar do expectavel aumento do número de equipas, muitas questões permanecem em aberto, indo desde questões relacionadas com o financiamento até a questões operacionais e organizacionais, que incluem as sensíveis questões relacionadas com férias e outras ausências, o pagamento de horas extraordinárias e a cobertura em termos de horário, algo que, com apenas cinco elementos, se torna algo de completamente irrealista.

Relativamente a esta questão, a mesma foi abordada em dois textos onde se critica a falta de realismo e a via adoptada para a constituição destas equipas com base municipal e não concentrando-as a nível distrital, onde poderia igualmente estar disponível uma reserva de equipamentos mais especializados cuja existência dificilmente se justifica a um nível organizativo inferior.

Acrescem as descrepâncias salariais relativamente a outros elementos, ponto que pode levantar conflitualidades internas com outros profissionais cujo vencimento é muito inferior, bem como a articulação com os restantes membros das corporações, incluindo aqui voluntários e membros do comando.

A própria Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) continua a criticar a evolução de um projecto que considera adulterado face ao inicialmente previsto, não obstante a adesão de um número significativo de municípios que conviria verificar se o fizeram por questões relacionadas com o socorro ou por mera opção partidária, de modo a dar cobertura local a uma iniciativa governamental que pode aliviar alguma despesa do poder central.

domingo, janeiro 04, 2009

Equipa ou bombeiro de Intervenção Permanente - 2ª parte


Image Hosted by Imageshack
Elementos da Força Especial de Bombeiros

As contas que apresentamos são conhecidas por todos, podendo ser usados como exemplos diversas entidades que mantenham serviços em permanência, as quais incluem desde as forças militares, militarizadas ou de segurança até ás urgências hospitalares, passando por serviços de vigilância, nos quais é possível observar quer os efectivos necessários, quer os custos de operação envolvidos, pelo que não constituirão novidade e serão facilmente verificáveis.

Propusemos por diversas vezes que a implementação de unidades permanentes começasse a nível distrital, com maiores efectivos, do que resultam economias de escala e uma maior facilidade em termos organizativos, podendo fazer variar o número de elementos disponíveis de acordo com as necessidades do momento sem que a isso corresponda em alguns períodos a interrupção do serviço e ultrapassando o problema de coordenar efectivos demasiadamente reduzidos.

Obviamente, implementar uma estrutura profissionalizada a nível distrital, mesmo que resultasse em vantagens operacionais, tem uma implicação óbvia em termos financeiros, nomeadamente a perda da contribuição das autarquias, resultando num maior encargo directo para o erário público e uma despesa acrescida do Estado que seria difícil de camuflar.

Temos, pois, mais uma situação em que economicismo e aparências assumem a primazia, podendo esta iniciativa no sentido de uma maior profissionalização do socorro representar um custo elevado sem que a tal corresponda uma melhoria do desempenho operacional, com o agravante de se correr o risco de situações de conflitualidade das quais podem resultar uma diminuição do número de voluntários, ainda hoje e, quase certamente por muitos anos, o sustentáculo do socorro em Portugal.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin