sábado, junho 05, 2010

LBP preve Verão difícil

Image Hosted by Imageshack
Bombeios no combate a um fogo florestal em Portugal

O crescimento da vegetação durante um Inverno longo e rigoroso e a gestão caótica do espaço florestal levam a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) a prever um Verão difícil em termos de fogos florestais

Com uma estrutura fundiária muito fragmentada, sobretudo a Norte, terrenos pouco limpos, ausência de faixas de contenção e um crescimento desordenado, são poucas as barreiras naturais e muito o combustível acumulado ao longo dos últimos meses, facilitando a propagação das chamas em zonas onde as acessibilidades tendem a ser difíceis.

Num ano em que o iníco da "Fase Bravo" foi adiado, por alegadas questões meteorológicas, o presidente da LBP considera que os bombeiros se prepararam adequadamente para enfrentar os fogos de Verão e que as principais dificuldades derivam dos conhecidos problemas estruturais da floresta portuguesa e das condições meteorológicas que se vierem a verificar.

Adimitimos que este seja um Verão difícil, que ficará em termos de área ardida muito longe dos piores anos, como 2003 e 2005, dado que a descontinuidade evita fogos da mesma dimensão, mas este poderá se um ano em que tal, como em 2009, a tendência para reduzir a área ardida seja invertida, sobretudo se a análise tiver em conta a devastação de anos anteriores.

sexta-feira, junho 04, 2010

Pinos de reboque no EBay - 2ª parte

Image Hosted by Imageshack
O pino de reboque instalado no Defender

O facto de ser vendido com duas porcas também foi relevante, dado que permite apertar em torno de uma das linguetas do sistema de engate, evitando assim deformá-lo, algo que tende a acontecer após uso prolongado caso as porcas apertem no exterior de ambas as linguetas, forçando-as no sentido do interior.

Na foto, pode-se ver a opção escolhida como forma de posicionar as porcas, ambas encostadas e pressionado a lingueta inferior, bem como a posição do "clip" de segurança e a proporção do pino face ao sistema de reboque do Defender, após ter sido cortado, de modo a diminuir a sua extensão.

Este modelo, ou um equivalente, custa uma quinzena de libras no EBay inglês, a que acrescem portes para Portugal, os quais, pelo peso, justificam uma encomenda conjunta de várias unidades, do que resulta um valor final inferior ao normalmente praticado no mercado nacional.

Menos 5 mortos nas estadas nos primeiros cinco meses de 2010 - 1ª parte

Image Hosted by Imageshack
Um acidente rodoviário em Portugal

Segundo os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) terão morrido durante os primeiros cinco meses do ano, em Portugal continental, um total de 264 pessoas, menos cinco do que no período homologo de 2009.

Tal como em anos anteriores, os números da ANSR apenas contabilizam as vítimas que dão entrada já sem vida nos hospitais, esperando-se para Julho que aquelas que morrem nos 30 dias subsquentes ao acidente passem a ser incluidas nas estatísticas.

A ligeira diminuição do número de vítimas mortais, que fica abaixo dos 2%, não terá qualquer significado estatístico real, dado que um só acidente grave pode inverter a situação, tendo-se verificado igualmente diminuições a nível de feridos graves, numa percentagem mais significativa que ronda os 8.7% e ligeiros, esta última de forma marginal.

Sem entrar em considerações estatísticas complexas, nem diminuir a importância dos números pelo sofrimento que traduzem, convém analisar um pouco os dados revelados e reflectir sobre a realidade nacional.

quinta-feira, junho 03, 2010

Pinos de reboque no EBay - 1ª parte

Image Hosted by Imageshack
Um pino de reboque adquirido no EBay

Existem numerosos modelos de pinos de reboque, com e sem bola, que podem ser adquiridos por um valor módico no EBay e são compatíveis com os Land Rover, pelo que o que hoje apresentamos é apenas um, entre uma imensidão de opções à disposição dos interessados.

Naturalmente que dois critérios de selecção são imediatos e intuitivos, o da compatibilidade com o sistema de reboque, seja em diametro, seja em extensão, e a capacidade para rebocar o atrelado com o peso pretendido, podendo-se optar pela existência ou não de uma bola superior.

Este modelo concreto destina-se a engates com o oríficio de 50 mm e permite atrelar reboques de até 1.250 kg, é vendido com duas porcas de fixação e um "clip" de segurança, sendo que, no nosso caso, optamos por encurtar o comprimento, refazendo o orifício para o "clip".

Decidimos cortar o pino de modo a evitar que uma extensão inútil para o propósito a que se destina se pudesse prender nalgum obstáculo ou tornar-se demasiado agressivo em caso de um impacto, tentando assim reduzir danos caso tal sucedesse.

quarta-feira, junho 02, 2010

Portugal na "Land Rover Owners"

Image Hosted by Imageshack
Um Defender numa paisagem portuguesa

No número de Junho da "Land Rover Owners International" (LRO) está incluido um artigo sobre o nosso País, com descrição sumária de algumas características do território, de percursos a efectuar e de um pouco do que entre nós se pode encontrar.

Neste artigo, que é extremamente lisonjeiro para Portugal, com elogios que vão desde as paisagens e a gastronomia, passando pela simpatia das populações, cuja ausência em várias zonas do Interior é reconhecida pelo cronista da LRO, até à reconhecida capacidade técnica dos mecânicos portugueses ou a facilidade de contactos, o autor demonstra um inequívoco apreço pelo nosso País e pelas condições para a prática do todo o terreno.

Se bem que para a maioria dos portugueses que praticam todo o terreno as novidades sejam poucas, o reconhecimento das condições existentes por parte de alguém proveniente de um país com tradição na área e onde os Land Rover abundam, é gratificante, tal como o é a afirmação final de que quem nos visita, certamente voltará.

Bombeiros receiam que investimento no GIPS dite fim de corporações - 5ª parte

Image Hosted by Imageshack
Bombeiros no transporte de um doente

Mas se duvidamos da viabilidade de um modelo onde parte das missões de uma corporação transitam para o GIPS, ou para outra força ou entidade, o próprio recrutamento e o apoio das populações pode ser posto em causa, comprometendo ainda mais a sobrevivência das corporações.

A capacidade de recrutamento, que depende do leque de missões a desempenhar pelos interessados em integrar os bombeiros, sem a vertente do combate às chamas, que sendo a mais perigosa, também poderá ser a mais atractiva para muitos, certamente diminuirá substancialmente, sendo este factor tanto mais grave quanto mais desertificada for a região onde está sedeada a corporação.

Igualmente grave será o sentir das populações locais, para quem os bombeiros sem a missão de combate aos fogos dificilmente merecerá o mesmo apoio, pelo que duvidamos que o volume contributivo das mesmas se mantenha e possa colmatar o sempre deficitário transporte de doentes e a redução de apoios autárquicos, inevitável neste quadro operacional.

A falta de verbas, a diminuição de apoios financeiros a todos os níveis e a própria incapacidade de manter os efectivos, caso se verifique a perda da vertente de combate aos fogos, poderá facilmente determinar o fim de numerosas corporações, independentemente do modelo de financiamento adoptado, já que do desinteresse das populações locais decorre, inevitavelmente, o fim da capacidade mobilizadora essencial ao voluntariado e a sangria de efectivos para além dos limites necessários à manutenção da capacidade operacional.

terça-feira, junho 01, 2010

Lançado primeiro satélite da nova geração do GPS

Image Hosted by Imageshack
Um satélite de GPS

Após algumas semanas de adiamento devido a problemas técnicos e meteorológicos, foi lançado o primeito de doze satélites que farão parte da nova geração do sistema de posicionamento global ou GPS.

Esta nova rede de doze satélites destina-se a actualizar a rede actual, que começa a sofrer de problemas de idade e irá aumentar a precisão dos sinais enviados para os receptores

Após o lançamento do GPS IIF-1, prevê-se que o segundo satélite desta geração seja lançado no final do corrente ano, confirmando assim que as dúvidas do governo americano quanto à viabilidade deste sistema terão sido ultrapassadas.

Este melhoramento há muito que se impunha, seja para aumentar a precisão, seja como forma de compensar o surgimento de problemas em alguns dos satélites mais antigos e vem antecipar-se ao lançamento do Galileo, cujas supostas vantagens sobre o GPS são assim reduzidas ou eliminadas.

Bombeiros receiam que investimento no GIPS dite fim de corporações - 4ª parte

Image Hosted by Imageshack
Bombeiros durante um treino

Podemos, finalmente, reflectir um pouco sobre o que seria o destino das corporações caso a vertente de combate aos fogos florestais lhes fosse retirada, sobretudo para aquelas que estão localizadas em zonas rurais e cujo pendor passaria, naturalmente para a área de socorro e evacuação ou transporte de doentes, complementada por uma pequena percentagem de missões em caso de desastres naturais, como inundações, ou no surgimento de situações inopinadas nas quais, tipicamente, se chamam os bombeiros.

Excluindo o combate aos fogos das duas competências, e obviamente cortando as verbas a tal destinadas, torna-se difícil perspectivar o futuro de numerosas corporações, seja do ponto de vista operacional, seja financeiro, seja no próprio enquadramento local e na capacidade de recrutamento, mobilização ou mesmo angariação de fundos.

Mesmo no respeitante ao socorro de doentes, a crescente implementação de meios do Instituto Nacional de Emergência Médica, não obstante numerosos meios estarem sedeados em corporações, tem vindo a empurrar cada vez mais os bombeiros para missões de transporte não urgente, função que encontra alternativa em ambulâncias particulares e, como sabemos, é francamente deficitária para as corporações.

Assim, privadas do combate aos fogos e de parte substancial das missões de socorro, do que inevitavelmente resultaria o corte das verbas a tal atribuidas, com uma actividade operacional baseada em missões deficitárias, complementadas pela esporádica e imprevisível intervenção em situações de catástrofe natural ou pequenos serviços, não será difícil de prever uma substancial redução de efectivos, a desmotivação geral e uma insustentabilidade operacional e financeira que poucos modelos de gestão poderiam ultrapassar.

segunda-feira, maio 31, 2010

Porta-chaves com painel solar por um Euro

Image Hosted by Imageshack
Um porta-chaves com painel solar

Entre os presentes baratos, úteis, ecológicos e com alguma tecnologia, que os torna interessantes e, inclusivé, motivo de conversa, encontramos um pequeno porta-chaves com iluminação, alimentado pela energia solar.

Este modelo de porta-chaves com luz tem um pequeno painel solar que recarrega a bateria interna em perto de cinco horas de exposição aos raios solares, após o que proporciona até duas horas de iluminação.

A iluminação é proporcionada por três "leds" 15000MCD, de potência perfeitamente aceitável para as funções a que se destinam, como iluminar o interior de uma viatura ou uma fechadura, activados por um simples interruptor de pressão na face oposta à do painel solar.

Com uma dimensão de apenas 60 x 35 x 11 mm e um peso de 20 gramas, este sistema tem uma vida útil estimada em cinco anos, correspondente à duração do painel solar, podendo ser adquirido no EBay por um valor abaixo de um Euro, incluindo os portes de envio para Portugal.

Bombeiros receiam que investimento no GIPS dite fim de corporações - 3ª parte

Image Hosted by Imageshack
Um incêndio florestal em Portugal

Desta forma, o investimento no GIPS surge aos olhos do Governo como mais seguro, não obstante a relação entre o custo e o desempenho ser inferior à das verbas investidas nos bombeiros, as quais, no actual enquadramento de comparticipações financeiras, necessitam de ser revistas.

A própria LBP e as autarquias com corpos de bombeiros sapadores reconhecem a necessidade de um novo modelo de financiamento, que não passa necessariamente pelo aumento de verbas, mas pela sua racionalização, estabelecendo critérios diferentes para as comparticipações vindas do erário público.

No entanto, independentemente do sistema de comparticipações, e mesmo de alguma ideias que consideramos perigosas, como a implementação de taxas municipais para suportar a protecção civil, o facto é que a aposta continua a ser no sentido de uma menor conflitualidade ou capacidade reivindicativa, previlegiando as instituições onde tal terá menos possibilidades de acontecer.

Obviamente, é mais fácil atribuir verbas do que gerí-las de forma racional ou criar o quadro legal que estabeleça o seu uso adequado, e quando a tal acresce uma maior facilidade de controle através de uma hierarquia rígida e, mesmo que indirectamente, dependente do poder político, estamos perante uma perigosa combinação que, em detrimento do erário público ou da eficácia, resulta na escolha que pior serve as comunidades em que actuam estas forças e o contribuinte em geral.

"One Laptop Per Child" vai produzir "tablet" de 75 dólares

Image Hosted by Imageshack
Um OLPC "tablet"

O projecto "One Laptop Per Child" (OLPC), liderado por Nicholas Negroponte, que propusera um "laptop" de 100 dólares destinado sobretudo a crianças de países menos desenvolvidos, vai apresentar um "tablet PC" cujo preço é estimado em 75 dólares

O novo "equipamento, que reunirá as características de um computador portátil, um "tablet" e um leitor de "e-books" terá um processador ARM, um écran de 9 polegada e construido inteiramente em plástico inquebrável, devendo ser apresentado em Janeiro de 2011, em simultâneo com o Consumer Electronics Show (CES).

O novo "tablet" XO-3 apresenta um preço ainda mais baixo que o seu predecessor, sendo semi-rígido, extremamente fino, equipado com uma câmara, com capacidade multi-toque e à prova de água, de modo a poder ser utilizado em circunstâncias extremas.

Este poderá ser, a concretizar-se, uma projecto interessante, mas não podemos esquecer que os preços previstos para os OLPC têm mais que duplicado e continuam a surgir no mercado alternativas interessantes a preços muito baixos, sob o formato de "netbooks" com sistemas operativos Windows Mobile.

domingo, maio 30, 2010

Bombeiros receiam que investimento no GIPS dite fim de corporações - 2ª parte

Image Hosted by Imageshack
Um incêndio florestal em Portugal

Podemo-nos interrogar relativamente à opção de previlegiar o GIPS em detrimento dos bombeiros, sobretudo daqueles que são profissionais, os quais terão, em princípio, maior experiência no combate aos fogos quando comparados com os militares da GNR, ou qual a razão pela qual não se investe mais nos voluntários, que, para além de constituirem a maioria dos efectivos que enfrentam as chamas, têm uma relação custo eficácia mais vantajosa.

Se a opção é por uma força profissional, faria mais sentido profissionalizar um maior número de bombeiros, recrutando entre os voluntários mais experientes, que têm uma experiência de combate aos fogos superior aos militares da GNR, pelo que, naturalmente, não terá sido este o critério, o que leva a equacionar outras possibilidades.

A inegável vantagem de uma força militar relativamente aos bombeiros profissionais, tendo em conta que durante as missões de combate aos fogos os GIPS dificilmente desempenharão funções na área da segurança ou manutenção da ordem pública, terá a ver com questões directamente relacionadas com a estrutura hierárquica e o estatuto dos elementos, nomeadamente em termos de obediência e na relação com o poder político.

É manifesto que o sistema hierárquico e o grau de obediência de uma força militar, que tipicamente obedece sem protestar e tem um maior grau de reserva, é tentador para o poder político que assim evita críticas, reivindicações ou qualquer forma de luta ou resistência, mesmo que face a opções francamente injustas.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin