sábado, janeiro 03, 2015

Projectos para 2015 - 2ª parte

Também no início do ano, será efectuado um conjunto de pequenas reparações e manutenção, essenciais para manter nas condições adequadas os Land Rover de que dispomos, algo que, sendo absolutamente necessário, acaba sempre por pesar no orçamento e implicar alguma disponibilidade.

O projecto de colocar um sistema de armazenamento de carga no porta-bagagens do Discovery, que apresentamos neste "blog" está igualmente previsto para arrancar no primeiro trimestre, tendo-se ao longo destes meses trabalhado no sentido de, sem perder funcionalidades, o simplificar tanto quanto possível, substituindo algumas das peças em madeira por estruturas em metal.

Assim, a maior dificuldade será a de fazer o molde da superfície em madeira, que, com excepção de alguns acabamentos, será a única peça neste material, com toda a estrutura de suporte e acondicionamento para os "jerry cans" a ser em metal, optando-se por usar exclusivamente parafusos, de modo a que exista facilidade em desmontar o sistema em caso de necessidade.

Dependendo dos resultados de candidaturas de projectos, que deverão começar a ser conhecidos no final do primeiro trimestre, será decidido qual o sentido do progresso a nível das alterações nos veículos, mas a ideia de fazer uma maquete funcional do "site" com a descrição de um exemplo de um local abandonado, incluindo informações locais a nível de pontos de interesse, turismo e hotelatia, bem como trajectos e visitas a realizar.

sexta-feira, janeiro 02, 2015

Chegou a vaga de frio...

Alertamos para a presente vaga de frio, que afecta o território continental, durante a semana passada, numa altura em que a tecnologia actual ainda não permitia prever que os valores iriam baixar de 0 na quase totalidade do País, facto raro e que tem, naturalmente, impacto em todos quantos têm que enfrentar temperaturas abaixo do habitual.

Independentemente dos alertas e avisos, a preparação para uma vaga de frio continua a ser defeciente, sobretudo no Litoral Sul, onde as temperaturas tendem a ser mais amenas e, consequentemente, existe uma menor habituação e menos adequação dos recursos, seja a nível individual e dos agregados familiares, seja das entidades oficiais, para enfrentar estas situações.

Em Lisboa, que pela sua localização geográfica perto do mar, tende a ter temperaturas amenas, os perto de 0 graus que se mediram durante a madrugada de ontem, para além de constituirem uma situação relativamente rara, vieram revelar um conjunto de fraquezas e de falta de preparação em diversas vertentes, entre as quais a social, afectando a crescente parte da população que vive em permanente estado de carência, entre os quais o cada vez maior número de sem abrigo.

O plano municipal, em Lisboa, passa, como habitualmente, pela abertura ou disponibilização de espaços onde aqueles que não têm abrigo, se possam refugiar, fornecendo algumas refeições e vestuário, mas falta uma visão mais global, que abranja questões relacionadas com o fornecimento de serviços essenciais ou a circulação em condições anómalas, bem como com a manutenção de vias, essencial quando as temperaturas baixam e se forma geada ou gelo.

quinta-feira, janeiro 01, 2015

Feliz 2015

No início de mais um ano, queremos agradecer a presença dos nossos amigos e leitores e fazemos votos de um 2015 muito feliz, durante o qual os vossos sonhos se tornem realidade.

Não obstante ser quase instintivo fazer nesta altura um balanço do ano, ou fazer algumas previsões ou mesmo planeamento para o ano que agora começa, optamos por nesta época nos concentramos sobretudo naquilo que esta tem de mais positivo em termos de convívio, de solidariedade e de esperança num amanhã melhor.

Agradecemos aos nossos leitores a sua presença e apoio, bem como as sugestões, colaboração e incentivos, que nos ajudam não apenas a continuar, mas a corrigir a trajectória, de modo a melhor corresponder aquilo que melhor serve os propósitos que, desde o início deste "blog", nos propomos atingir.

A todos, desejamos um feliz ano de 2015 com muita alegria e paz

quarta-feira, dezembro 31, 2014

Projectos para 2015 - 1ª parte

Aproxima-se o final do ano e, tal como em anos anteriores, esta época também se destina a preparar alguns dos projectos que prevemos realizar nos primeiros meses de 2015, os quais dependem da disponibilidade e, nalguns casos, dos limites orçamentais que atribuimos a este tipo de iniciativa.

Existem contingências e limitações, inerentes a questões profissionais e ao próprio período que o País atravessa e que implicam moderação e uma especial atenção a questões orçamentais, sabendo-se que pode surgir imprevistos, algo comum quando os projectos dependem, pelo menos parcialmente, de factores externos, como fornecedores e transportes de longa distância, sobre os quais o controle é mínimo.

Esperamos que durante o mês de Janeiro chegue o conjunto de peças que permitirão ao Discovery passar a ter um melhor desempenho, para o que iremos modificar a bomba de injecção, através da substituição do pino e de uma regulação diferente, com o que se espera obter um acréscimo de potência, essencial em situações de deslocação em terrenos acidentados.

A mesma será antecedida, por questões de precaução, pela adição de um sistema de monitorização da temperatura interna do motor, que inclui a sonda e um mostrador, o qual será instalado na consola central, substituindo a gaveta destinada a pequenos objectos a qual se encontra tapada, não tendo, actualmente, qualquer utilidade prática.

terça-feira, dezembro 30, 2014

ANECRA quer que factura de revisão seja obrigatória na IPO - 1ª parte

A Associação Nacional de Empresas de Comércio e Reparação Automóvel (ANECRA) quer que seja obrigatório apresentar por altura da Inspecção Periódica Obrigatória (IPO) a factura da revisão, feita de acordo com os critérios e periodicidade estabelecidos pelo fabricante, sem o que o veículo não poderia ser aprovado, ficando impedido de circular.

A diminuição de receitas das oficinas, como resultado da crise, que leva muitos automobilistas a reduzir na manutenção dos veículos, resultou no encerramento de numerosos estabelecimentos, facto que se agravou devido às deduções fiscais que podem ser efectuadas recorrendo a facturas de reparação, o que implica que muitos trabalhos não facturados, deixam de o ser, acabando com uma receita isenta de impostos que equilibrava as contas de muitos estabelecimentos.

Esta última vertente é, consideramos, a que está na raiz de uma proposta que consideramos abusiva, tentando esta associação, por via administrativa, compensar a perda de receitas obtidas de forma fraudulenta de alguns associados, que, de acordo com os motivos que motivaram uma alteração legislativa que, entre outros, visou este sector, resultavam da não declaração de proveitos, pretendendo obrigar os proprietários de veículos a recorrer aos seus serviços, mesmo quando os podem realizar autonomamente.

Mesmo do ponto de vista prático, esta medida é praticamente inaplicável, eliminando do circuito pequenas oficinas, que seriam as mais prejudicadas por não disporem nem dos equipamentos necessários para efectuar diagnósticos dos veículos mais sofisticados, nem escala para gerar preços competitivos, sendo óbvio que daria origem, cumulativamente, a novos tipos de fraude.

segunda-feira, dezembro 29, 2014

O capacete Emerson ACH MICH 2000 - 3ª parte

O interior é almofadado, como forma de aumentar o conforto e absorver impactos, e ajustável, sendo o ajuste complementado através do sistema de correias, regulável por fivelas, que, partindo de 4 pontos distintos, se unem sob o queixo do portador, fechado por um sistema de abertura rápido que permite remover facilmente o capacete.

Com um peso de 700 gramas, este capacete tem uma largura interna de 17 centímetros e um comprimento de 22, sendo ajustável para uma cabeça que tenha entre os 56 e os 59 centímetros de diametro, o que corresponde a um tamanho médio, compatível com a maioria dos possíveis utilizadores, mas que convém verificar antes de adquirir.

Existem diversos acessórios para estes capacetes, incluindo câmaras, com o suporte frontal compatível com o sistema de montagem, suportes para os "rails" laterais que permitem montar uma lanterna ou a câmara nesse local, protecções adicionais para a cara, coberturas em diversos padrões ou correias de fixação diferentes, para apenas citar alguns dos mais populares.

A versão mais económica desta réplica do capacete Emerson está disponível em diversas cores, correspondentes a padrões militares, e custa, com óculos de protecção destacáveis transparentes, perto de uma trintena de Euros, incluindo portes a partir da Ásia, um valor aceitável face à flexibilidade de uso que permite, sobretudo para quem pratique actividades que impliquem o uso de capacete, com os modelos mais sofisticados e dispendiosos a custar sensivelmente o dobro.

domingo, dezembro 28, 2014

Aproxima-se a "fiscalidade verde" - 2ª parte

Se no caso dos combustíveis fósseis, o aumento pode ser de 6 cêntimos por litro, algo extremamente pesado e que não passa de receita fiscal que não podemos associar de forma directa a uma redução noutra área que beneficie o conjunto da população com a mesma abrangência e generalidade, outros aumentos, como resultado indirecto, devem igualmente ser tidos em conta, podendo estes ter um impacto muito superior ao do propagandístico e algo ridículo aumento do preço dos sacos de plástico.

Não sendo contra uma fiscalidade amiga do ambiente e da sustentabilidade, a implementação deste modelo, tal como é efectuado, pode parecer politicamente correcta nos seus princípios, mas na prática apenas aumenta injustiças, transferindo a carga fiscal a ela inerente de uma classe social economicamente mais favorecida para aqueles que têm menos recursos e são incapazes de tirar partido dos avanços tecnológicos.

Assim, ao invés de seguir princípios de proporcionalidade, em que o aumento da carga fiscal resulta de maiores rendimentos e consumo, tal como está legalmente estabelecido na Constituição, a "fiscalidade verde" distorce esta regra, onerando aqueles que, tendo menos rendimentos, deveriam ser isentados do pagamento de impostos sobre os bens que possuem e que vão a custo mantendo, por impossibilidade de os substituir ou deles prescindir.

Por ser dúbio que esta legislação, nas suas vertentes mais injustas, que consideramos francamente ilegais, seja revogada ou alterada, aconselhamos os nossos leitores a, caso possível, se abasteçam de um conjunto de bens que, certamente verão o seu preço a ser aumentado, nalguns casos de forma absurdamente desproporcionada, sem que daí advenham reais vantagens, dado o escasso peso nos valores globais envolvidos.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin