sábado, dezembro 20, 2008

Substituir ou reparar - 1ª parte


Image Hosted by ImageShack
Aspecto do interior do espelho após a reparação

A reparação automóvel em Portugal baseia-se, essencialmente, na fácil mas dispendiosa aplicação de peças novas de substituição, sendo o país em que existe um menor recondicionamento e reparação de peças danificadas ou equipamentos avariados e batendo o triste record em termos de preços cobrados ao consumidor.

Acresce ainda uma fiscalidade absurda, uma manifesta falta de "stocks" de peças para modelos menos comuns, em parte resultando da deslocalização de muitas marcas e, consequentemente, uma imobilização prolongada das viaturas, com todos os custos que tal implica para quem delas usufrui ou para as seguradoras, caso sejam estas a suportar um prejuizo que recairá nas apólices dos respectivos segurados.

Concretizando, um acidente simples, resultando da queda de uma pedra durante umas obras num prédio partiu o suporte interno, feito em alumínio, do espelho retrovisor de um Alfa Romeo 155, peça que é apenas vendida pela marca inteira por um preço que ronda os 325 euros, a que acresce a mão de obra na oficina.


Image Hosted by ImageShack
Aspecto do interior do espelho após a reparação

Como alternativa, existe a possibilidade de obter uma nova numa sucata, procurar no EBay ou numa loja "on-line" ou, o que será o mais económico, proceder a uma reparação feita em casa, recorrendo a peças ou sobras existentes e a resina epóxida, com o conjunto a ser reforçado por rebites.

Obter esta peça no EBay é uma solução financeiramente mais favorável, mas com preços muito variáveis, que vão desde a trintena de euros de um espelho em segunda mão até perto de noventa para um novo, a que acrescem cerca de vinte e cinco para portes a partir de um país europeu, mas pode demorar algum tempo até que o item seja encontrado e, obviamente, que se vença o leilão.

sexta-feira, dezembro 19, 2008

Microsoft lança correcção para o Internet Explorer


Image Hosted by ImageShack
Logo do Internet Explorer 8.0

A Microsoft disponibilizou uma correcção de segurança, que visa proteger os utilizadores do Internet Explorer da possibilidade de um ataque permita o controle remoto por parte de "hackers".

Apesar de a Microsoft ter apenas conhecimento de vulnerabilidades na versão 7 do Internet Explorer, o fabricante admite que a mesma falha possa afectar as versões 5.01, 6, e a 8.0 Beta 2, recentemente disponibilizada e em fase experimental.

A correcção será efectuada nos moldes habituais, através do Microsoft Update, sendo efectuada de modo automática para quem tenha o computador configurado para aceitar correcções ou actualizações do sistema, mas necessitando de intervenção manual para quem tenha optado por desactivar as actualizações automáticas.

Tribunal de Contas detecta anomalias na ANPC - 2ª parte


Image Hosted by ImageShack
Um incêndio florestal durante a noite

Por seu lado, o Governo optou por não se pronunciar, mantendo-se afastado desta questão, com o TC a recomendar a criação de um sistema de controle que, de acordo com o previsto, encontrará eco no futuro Centro de Recursos de Protecção Civil, a criar em 2009, onde serão integrados estes funcionários cujo vínculo contratual é algo complicado.

O recurso a subterfúgios contratuais, sobretudo quando estão em causa os vínculos de quem desempenha missões relacionadas com o socorro e, em muitos casos, corre risco de vida, surge como mais do que inadequado, ultrapassando os limites do aceitável e podendo considerar-se como incompatível com a dignidade e o respeito que merece quem assume esta responsabilidade individual e colectiva.

Reforçamos a ideia de que a protecção civil deve ser considerada ao nível, por exemplo, da manutenção da ordem pública e, portanto, ser considerado como uma missão de Soberania, com as especificidades inerentes, que implicam responsabilidades acrescidas e devem ser compensadas com igual número de previlégios.

O futuro Centro de Recursos de Protecção Civil, para além de estruturar os recursos e clarificar as contas pode dar um contributo importante, mas, só por sí, não resolve os problemas de base e que residem na filosofia com que este tipo de missões são encaradas e que implica uma substancial mudança de perspectiva e de mentalidades.

Antes de uma solução formal, é importante perspectivar e enquadrar as missões no âmbito da protecção civil em termos conceptuais, atribuindo-lhes e a quem nelas participa o estatuto inerente à responsabilidade e ao risco assumido, sendo que esta redefenição deve ser efectuada antes da tomada de opções políticas que apenas reorganizam sem repensar.

quinta-feira, dezembro 18, 2008

"Browsers" falham testes de segurança


Image Hosted by ImageShack
Um écran do Firefox, um dos vencedores

Um teste de segurança realizado pela consultora de segurança Chapin Information Services revela que os "browsers" mais utilizados não protegem devidamente as "passwords" dos utilizadores, permitindo o seu acesso indevido.

O pior resultado foi para a versão "beta" do Google Chrome e para o Safari 3.2, com apenas dois resultados positivos nos vinte e um testes efectuados, enquanto o Internet Explorer 7.0 teve cinco e o Opera 9.62 e o Firefox 3.0.4 passaram em sete.

O Chrome revelou-se particularmente perigoso, ao falhar na verificação da localização dos pedidos de "passwords" e no próprio destino para onde são enviadas, para além de ser vulnerável a processos que podem manipular as "passwords" sem a intervenção do seu utilizador.

Os testes realizados avaliam o grau de protecção que os "browsers" oferecem contra "hackers" ou ataques de "phishing" no sentido de obter as "passwords" dos utilizadores, verificando que, na sua globalidade são pouco eficazes e que a segurança reside, essencialmente, em quem os utiliza.

Faltou testar a nova versão do Internet Explorer, a 8.0, actualmente ainda "beta", mas que oferece uma protecção superior à versão anterior e, na nossa opinião e após alguns meses de utilização, demonstra uma robustez e fiabilidade que justifica, pelo menos, ser testada pelos nossos leitores.

INEM reforça dispositivo no Algarve


Image Hosted by ImageShack
Uma VMER do INEM

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) está a reforçar os seus meios no Algarve com a entrada em serviço de duas ambulâncias de Suporte Básico de Vida (SBV), já operacionais e duas Suporte Imediato de Vida (SIV), a entrar ao serviço em 2009.

As ambulâncias SIV serão baseadas em Loulé e Vila Real de Santo António, enquanto as duas ambulâncias SBV ficam no Centro de Saúde de Silves e no Hospital do Barlavento, em Portimão, estando previsto que deixem de operar apenas 16 horas por dia e passem a estar permanentemente disponíveis.

Este reforço surge integrado no projecto de requalificação das Urgências no Algarve e visa obter tempos de intervenção por parte dos meios do INEM de entre os dez e os vinte minutos, num esforço de compensar o encerramento de diversos Serviços de Atendimento Permanente, o que ocorreu sobretudo em zonas do Interior.

Por outro lado, a existência de meios intermédios, posicionados entre as Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação e as ambulâncias de socorro comuns, liberta as primeiras para situações nas quais são efectivamente indispensáveis, permitindo uma melhor gestão de meios e um socorro mais eficaz.

Sendo um reforço importante, não podemos deixar de enfatizar que os meios de socorro não substituem as urgências e que só através de um planeamento cuidado e de um equilíbrio de recursos fixos e móveis é possível assegurar não apenas uma intervenção rápida e adequada, mas também a qualidade de que esta se deve revestir.

O encerramento de serviços encerra, no entanto, uma mensagem preocupante para as populações que, independentemente dos meios de socorro, se sentem abandonadas e preteridas a favor dos residentes nos grandes centros urbanos, resultando num maior abandono do Interior e num processo contínuo onde a uma menor densidade populacional correspondem menos serviços que, por sua vez, irão levar a um ainda maior despovoamento.

quarta-feira, dezembro 17, 2008

Folheto do Fórum Aventura Sobre Rodas


Image Hosted by ImageShack
Folheto do Fórum Aventura Sobre Rodas

Já está disponível o folheto do Fórum Aventura Sobre Rodas, que se destina a divulgar este fórum através da sua colocação no vidro dos veículos todo o terreno que os membros encontrarem estacionados.

O folheto pode ser impresso a preto e branco, de modo a ser económico numa folha A4 e dividido em 3, pelo que por cada dezena de folhas impressas se consegue um total de 30 folhetos para distribuir.

Mesmo para que pertença a outros fóruns ou clubes, fica aqui o convite para participar na divulgação do Fórum Aventura Sobre Rodas, porque todos não seremos demais para defender a prática do todo o terreno livre e respeitador da Natureza, lutando contra as restrições e imposições que ameaçam esta actividade.

Professor morre à espera do INEM - 2ª parte


Image Hosted by ImageShack
Transporte de uma vítima pelo INEM

A morte deste professor na passada sexta-feira levanta, mais uma vez, um conjunto de questões, nomeadamente a nível do desempenho operacional das ambulâncias de socorro, do desenho da rede hospitalar e do número e disponibilidade das VMER, actualmente essenciais, conjuntamente com as ambulâncias de Suporte Imediato de Vida, apesar das limitações destas, e que constituem os únicos meios de socorro adequados para situações de média gravidade.

Embora se possa imputar esta morte ao atraso no socorro por parte do INEM, a verdade é que se deve ir mais longe e analisar a formação e qualificações dos tripulantes das ambulâncias de socorro e o equipamento e medicamentos ao seu dispor, do que resultaria uma distribuição diferente das missões e uma maior adequação dos meios a cada intervenção.

A futura criação de uma categoria de profissionais de emergência, ou paramédicos, com 1.500 horas de formação em vez das actuais 210 e a inclusão de um conjunto de meios nas ambulâncias de socorro, evitaria o inevitável recurso às VMER, nem sempre disponíveis e muitas vezes com uma tripulação com qualificações muito superiores às necessárias, mas cuja presença é inevitável dada a inexistência de um escalão de formação intermédio.

A existência de desfibriladores automáticos externos, tal como proposto pelo INEM, em conjunto com o treino e qualificação das tripulações requerido pelo Sindicato dos Técnicos de Ambulância de Emergência (STAE) e uma rede de cuidados de saúde planeada de modo a que se possa realizar um conjunto de intervenções sem a necessidade de deslocações prolongadas, são obviamente essenciais para evitar a perda de vidas humanas nestas condições.

Igualmente importante, e tantas vezes esquecido, é a complementaridade entre INEM e bombeiros, que são detentores da maior frota de ambulâncias de socorro em Portugal, e cuja importância tende a ser minimizada por parte de quem organiza o dispositivo e efectua um planeamento que ignora realidades básicas.

Sem uma integração adequada de todos os meios, respeitando todos os intervenientes e valorando-os de acordo com as suas capacidades e meios, o socorro em Portugal continuará a apresentar defeciências das quais continuarão a resultar a perda de vidas humanas que, de outra forma, poderiam ser salvas.

terça-feira, dezembro 16, 2008

Novas versões de desenvolvimento do Oziexplorer CE


Image Hosted by ImageShack
Écran do OziExplorer CE

Nos últimos dias foram disponbilizadas três novas versões de desenvolvimento do Oziexplorer CE, concretamente as 2.20d, 2.21d e 2.22d, destinadas a PDA's ou outros equipamentos que corram versões do Microsoft Windows Mobile 5 e 6, Pocket PC 2000, Pocket PC 2002 e Pocket PC 2003 e Windows CE OS 3, 4 or 5 Core e Handheld PC 2000.

Esta versão implementa novos sistemas de rotação de mapas, mais parametrizáveis, maior capacidade de "zoom", reconexão automática com o GPS, caso a ligação se perca, um novo botão para aceder a uma seta que aponta o Norte, visualização de mais parâmetros, entre outras novidades e melhoramentos.

Foram ultrapassados alguns erros ou "bugs", com o motor de ajuda do Oziexplorer CE a passar a ser usado nas várias plataformas que usam este produto, razão que justica que os utilizadores deste popular programa venham a testar esta nova versão de desenvolvimento e a enviar o seu "feeback" aos programadores.

Professor morre à espera do INEM - 1ª parte


Image Hosted by ImageShack
Uma ambulância de socorro do INEM

A morte de um professor de 51 anos da Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida, em Espinho, de 51 anos, alegadamente devido a falta de assistência médica competente em tempo útil, relançou a questão das qualificações do pessoal adstrito às ambulâncias de socorro e aos meios actualmente disponíveis.

O socorro prestado pelos Bombeiros Voluntários de Espinho, que acorreram ao local em três minutos, revelou-se insuficiente para salvar a vítima, em paragem cardiorrespiratória, que entrou no Hospital Santos Silva, em Gaia, já sem vida, não obstante os esforços e as manobras realizadas durante todo o percurso.

Na altura, a VMER, Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Gaia estava a socorrer vítimas, num menor estado de gravidade, mas que obrigavam a uma intervenção que obrigava a conhecimentos acima dos normalmente ministrados aos tripulantes das ambulâncias de socorro, tendo o Centro de Orientação de Doentes Urgentes dado instruções aos bombeiros para não esperar pelos meios do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e proceder ao transporte imediato da vítima.

Segundo os bombeiros, foram seguidos os procedimentos protocolares, incluindo as manobras de suporte básico de vida, mas para além de falta de meios, o centro de saúde local disse a um aluno que aí de deslocou a pedir ajuda, não dispunha de nitratos, que são comprimidos administrados sob a língua em situações de urgência cardíaca.

A falta de medicamentos neste centro, onde abastece uma ambulância do INEM, é de estranhar, tal como o são as declarações de alguns colegas da vítima, que terão, sem sucesso, tentado contactar o 112, ou os relatos do próprio Instituto que refere que a operadora não chegou a ter a oportunidade de dar instruções a quem fez o contacto.

segunda-feira, dezembro 15, 2008

Google Chrome tem versão defenitiva


Image Hosted by ImageShack
Écran da versão defenitiva do Google Chrome

O Google Chrome deixou de ser Beta com o lançamento da sua primeira versão defenitiva, que terá mais estabilidade, segurança reforçada e uma maior compatibilidade com o "software" dos "sites" visitados

A rapidez com que o Google apresentou uma versão defenitiva é surpreendente, pois é normal testar seus produtos, mesmo os mais conhecidos como o Gmail, durante anos, revelando assim a preocupação deste importante motor de pesquisas com a actual hegemonia do Internet Explorer e, em menor escala, do Firefox.

O Google afirma que o seu "browser" já é utilizado por mais de 10.000.000 de utilizadores e garante que é o ambiente ideal para correr as cada vez mais numerosas aplicações que disponibiliza "on-line", pelo que é de esperar um substancial esforço na divulgação do Chrome que passa pela negociação com diversos fabricantes de computadores para que seja préinstalado nos discos.

Ainda não testamos a versão final durante o tempo necessário para ter uma opinião defenitiva, pelo que apenas podemos aconselhar os nossos leitores a efectuar a experiencia, mas recordamos que a versão Beta era extremamente instável, com erros permanentes a surgirem e sem a estabilidade necessária para uma utilização séria, pelo que a abordagem da nova versão deve ser feita com os devidos cuidados e sempre com uma alternativa pronta para ser utilizada.

Estudo revela perfil dos incendiários - 2ª parte


Image Hosted by ImageShack
Descarga de um bombardeiro pesado

A maioria dos incendiários, mais de 55% do total analisado, corresponde a indivíduos do sexo masculino, solteiros, de meia idade, vivendo em casa dos pais e que sofrem de desequilibrios mentais ou problemas psicológicos, muitas vezes ligado ao consumo excessivo de álcool.

Um segundo perfil engloba 43% dos casos, e consiste maioritariamente em homens com idade superior a a 46 anos, muitos dos quais têm antecedentes criminais violentos e que aje por vingança dirigida contra o o proprietário do terreno.

Finalmente, o último perfil, com apenas 3% dos casos analisados, engloba indivíduos sem antecedentes criminais, motivados sobretudo por benefícios económicos e pessoais.

Foi salientado que Portugal não é um País de pirómanos, dado que a maior parte dos incêndios derivados de acção humana não são intencionais, bem como a necessidade de aprofundar os estudos, detalhando-os e dotando a PJ de instrumentos que ajudem a limitar o número de suspeitos e identificar os responsáveis por estes actos.

Apesar de haver numerosos inquéritos inconclusivos e de uma manifesta precipitação por parte da opinião pública em apontar para causas criminosas onde exista intencionalidade, dos 7.513 inquéritos que a PJ realizou desde 2004 resultaram apenas 240 detenções por incêndio florestal, o que aponta ou para incapacidade de investigar as causas ou para um baixo número de incendiários.

Sendo um crime de difícil investigação, a existência de perfís pode contribuir para o sucesso das mesmas, mas será essencial que existam os meios suficientes para a recolha de indícios antes de estes desaparecerem ou serem contaminados, altura a partir da qual pouco mais haverá a fazer do que esperar pela confissão do responsável.

domingo, dezembro 14, 2008

O Google Earth facilita o terrorismo? - 2ª parte


Image Hosted by Imageshack
Uma imagem de um monumento indiano no Google Earth

Mas a contrapartida, uma sociedade onde a informação é controlada, onde os direitos básicos de cidadania não são respeitados, onde a própria liberdade individual é posta em causa, não será aceitável e constitui um preço a pagar inadmissível e que revolta quem defenda uma sociedade livre e onde os direitos humanos sejam respeitados.

Obsurecer ou desfocar imagens de alvos potenciais pode, eventualmente, levantar ligeiras dificuldades de planeamento, mas antes de existirem mapas digitais já havia atentados que, na maior parte dos casos, não implicam uma precisão para a qual as novas tecnologias são necessárias, dado que estes visam normalmente alvos civis indiscriminados.

Por outro lado, temos as inegáveis vantagens de uma cartografia actualizada, dinâmica, precisa e fiável, essencial para que todo um conjunto de soluções que podem ir desde a elaboração de um simples trajecto ao planeamento de uma via de comunicações, passando pela localização de indivíduos ou equipamentos, que representam um valor acrescentado em termos económicos e na própria segurança e protecção da vida humana.

A proposta que hoje mencionamos surge na Índia, mas existem indícios inquietantes de uma mesma predisposição a nível nacional, sendo a lamentável recente alteração da chamada lei das armas um exemplo da reacção de um Estado fraco, incapaz de proteger os seus cidadãos sem por em causa direitos ou princípios básicos de direito, como a proporcionalidade e a adequação, recorrendo a expedientes legislativos que não compensam a incapacidade na acção.

Este texto pretende ser, sobretudo, um alerta para os perigos de recorrer ao proibicionismo ou a um controle excessivo como forma de compensar, sem o conseguir, a incapacidade de adoptar as medidas adequadas, dentro de um quadro legal equilibrado, esquecendo os efeitos colaterais que sempre resultam de uma restrição da liberdade.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin