sábado, setembro 21, 2013

Demoras nas alfândegas já atingem os três meses - 2ª parte

Image Hosted by Google Oferta de envio a partir de Espanha

Estas situações, que decorrem dos atrasos devido aos processo alfandegários, e torna-se quase impossível apurar se a responsabilidade se deve aos CTT ou à Autoridade Tributária e Aduaneira, mas tal, neste caso, também será irrelevante num País onde a Justiça não funciona, nem as entidades em falta são punidas, têm consequências graves para o Estado, nomeadamente a nível de perda de receitas fiscais.

Ao adquirir noutro país comunitário, as receitas fiscais ficam nesse mesmo país, e não em Portugal, verificando-se que surgem cada vez mais empresas baseadas nesses países que têm como objectivo a venda noutros mercados, nomeadamente no mercado português, oferecendo produtos provenientes da Ásia a preços muito competitivos.

Quando falamos deste tipo de preços, não nos referimos a promoções típicas daqueles que vendem cupões de desconto, que, por exemplos que temos, anunciam reduções de preço na ordem dos 60% em produtos que continuam a custar o triplo do que nos é pedido na Ásia, mas a vendas directas com envio a partir, por exemplo, de Espanha, e com portes de correio incluidos.

É óbvio que a menor carga fiscal noutros países comunitários, que vão obter francos benefícios desta opção que lhes permite ficar com receitas destinadas a outros países, bem como uma muito maior facilidade nas importações, aliado a uma centralidade que facilita os envios para vários países, tem consequências, sendo a base de empresas que podem abafar aquelas que optam por ter sede em Portugal.

sexta-feira, setembro 20, 2013

Land Rover Owners de Outubro de 2013 já nas bancas

Image Hosted by Google A capa da Land Rover Owners de Outubro de 2013

Já se encontra nas bancas a edição de Outubro de 2013 da Land Rover Owners International, com o nosso destaque a ir para o artigo evocativo dos 30 anos do Defender 110, onde se comparam as várias versões deste modelo cuja produção, tal como da restante linha de Defender, parece aproximar-se do seu fim.

Para além deste artigo, que inclui dicas, análises e comparações, também o que aborda os Defender eléctricos, a troca de motores num 90, a forma de diminuir alguns dos ruidos que os utilizadores de Land Rover bem conhecem, ou como evitar entradas de água nos tectos de abrir dos Discovery são bastante interessantes.

Também não deixam de ser de leitura interessante os artigos sobre expedições, muitas vezes não tanto pelos locais escolhidos, mas pelas técnicas ou preparações, bem como o que descreve um Range Rover Classic com motor BMW de 5 litros, ou mesmo um conjunto de artigos técnicos.

Vários outros artigos, como a reconstrução de um velho Serie 3, com um excelente resultado, a apresentação de diversos novos produtos e a publicidade temática, onde surgem diversas novidades, merecem a nossa atenção, num número que, tal como tem sido hábito, ultrapassa as 250 páginas e oferece muitas horas de leitura aos adeptos da marca.

quinta-feira, setembro 19, 2013

Chaves "flip" para Discovery I e Freelander - 2ª parte

Image Hosted by Google As modificações devidamente assinaladas

Também é necessário efectuar outra pequena alteração no interior, dado que os 3TXB dos Discovery e Defender diferem do 3TXD dos Freelander ao possuirem um componente a mais, pelo que se torna necessário desbastar um pouco do suporte interior de modo a que o circuito integrado encaixe devidamente.

A finalização é extremamente simples, bastando mandar cortar a chave de acordo com a existente, após o que se procede à transferência do circuito integrado, aconselhando-se nessa altura a proceder à troca da bateria, dado que, infelizmente, caso não tenha sido modificado, este comando necessita de ser colado, o que dificulta a substituição da pilha.

Image Hosted by Google A "flip" para Discovery I finalizada

Por um preço que ronda a dúzia de Euros, os proprietários de Discovery I e dos Freelander com o comando de 2 botões 3TXB podem assim dispor de um comando com aspecto bem mais recente, mais prático de transportar, sugerindo-se que sejam efectuadas as modificações sugeridas, de forma a ser possível abrir sem partir.

Brevemente, e dependendo da disponibilidade do nosso fornecedor em Inglaterra para obter uma lâmina adequada, iremos efectuar uma conversão semelhante para o Defender, o que será bem mais rápido e prático graças à experiência e aos testes efectuados com o comando destinado ao Discovery.

quarta-feira, setembro 18, 2013

Morreu devido queimaduras o presidente da junta da Queirã

Image Hosted by Google Joaquim Mendes

Morreu esta 3ª feira no Hospital da Prelada, no Porto, o Presidente da Junta de Freguesia da Queirã, Joaquim Mendes, que ficou gravemente queimado no dia 23 de Agosto, quando tentava transportar água para os bombeiros que combatiam um incêndio perto dessa localidade.

Joaquim Mendes foi um dos dois feridos nesse fogo, que destruiu duas viaturas, uma dos bombeiros e outra da própria junta, quando, juntamente com alguns bombeiros ficou encurralado, como resultado de uma súbita mudança da direcção do vento, tendo ficado com queimaduras em perto de 60% do corpo.

Image Hosted by Google Os veículos queimados no incidente

Com esta morte, que resulta directamente do combate aos fogos, sobre para nove o número de vítimas mortais dos incêndios de Agosto, sendo Joaquim Mendes a primeira e até agora única vítima que não era bombeiro, mas que participava activamente nas operações, apoiando o combate aos fogos.

Para além de homenagear o presidente da junta da Queirã, queremos lembrar todos aqueles que, por vezes com grande risco e tantas vezes defendendo bens alheios, combateram os incêndios directamente ou auxiliaram os bombeiros, fornecendo o apoio de que tanto necessitaram e nem sempre chegou pelas vias oficiais.

terça-feira, setembro 17, 2013

Morattab Pazhan - 3ª parte

Image Hosted by Google O interior do Morattab Pazhan

Está disponível um para-choques composto por um sistema tubular duplo, com suporte de guincho, e mesmo com um guincho da Warn, que pode ter como extras uma protecção tipo "bull bar" ou "A-bar", e que também pode incluir luzes adicionais, bem como diversas opções, que vão desde o fecho centralizado a vidros eléctricos, passando pelo mais que necessário no Irão, ar condicionado.

O preço da versão 130 "double cab" no Irão, a que se mantém actualmente em produção, segundo as informações de que dispomos, ronda os 15.000 Euros para a configuração base, um valor que se pode considerar como extraordinariamente competitivo, mas que, caso fosse importado, facilmente seria proibitivo, em virtude de uma carga fiscal absurda.

Por outro lado, os consumos de um motor de 3 litros, independentemente do seu desempenho, são sempre bastante elevados, e, se no Irão, onde a gasolina é barata e os veículos a gasóleo são proibidos, tal é irrelevante, entre nós pode limitar em muito o uso deste tipo de veículo equipado com um depósito de 85 litros que rapidamente se esvazia.

Admitindo que os consumos sejam algo limitadores, caso não fosse a absurda carga fiscal, o Pazhan seria uma alternativa interessante relativamente aos Defender 130, sobretudo quando destinados a fins específicos, como a transformação em veículos ligeiros de combate a incêndios, dado que a sua excelente resistência e baixo preço os tornam bastante competitivos e adequados para este tipo de função.

segunda-feira, setembro 16, 2013

Morattab Pazhan - 2ª parte

Image Hosted by Google O Morattab Pazhan num declive

A direcção deste GLD 3000 é assistida hidraulicamente, a caixa de velocidades manual, também da Hyundai, é de 5 velocidades, mas, ao contrário dos Defender, pode-se optar por tracção apenas às rodas traseiras, ou integral, com distribuição de 75% da potência no eixo traseiro e 25% no dianteiro, ou uma distribuição de 50% para cada eixo.

Os pneus são P245/75R16, com a suspensão a ser mais sofisticada que o habitual, nomeadamente a nível dos amortecedores, complementadas por eixos extremamente resistentes, que lembram os Dana, pelo que o comportamento e capacidade de sobrevivência fora de estrada, mesmo em terrenos difíceis é excelente.

O arranjo das luzes é diferente, com excepção dos faróis principais, surgindo as restantes unidades, que nos Defender estão separados em pequenas luzes circulares, agora agrupadas em unidades rectangulares, de maior dimensão, e reposicionadas, sendo este, par além do para-choques, grelha e "roll bar", particularmente espesso, os elementos que imediatamente o diferenciam do modelo inglês.

O interior é simples e funcional, mas bem mais sofisticado do que o dos Defender originais, com aplicações em madeira, estofos de melhor qualidade, inclinómetro embutido numa consola central, porta-luvas fechado, um sistema de ventilação que exclui os antigos "flaps" que provinham do tempo dos Serie, entre outras diferenças que os iranianos consideram como melhoramentos.

domingo, setembro 15, 2013

Chaves "flip" para Discovery I e Freelander - 1ª parte

Image Hosted by Google Uma chave "flip" para Discovery I e Freelander

Vários modelos de Land Rover, sobretudo os construidos na última metade da década de 90, usam um comando de dois botões, o 3TXB, e a chave em separado, algo que pode não ser muito prático, pelo que procuramos uma solução de baixo custo, do tipo "flip", onde a chave dobra e fica alojada embutida no comando.

Deve-se ter especial atenção quanto ao formato exacto da lâmina da chave, que tem que possuir uma configuração idêntica, sem o que esta não pode ser cortada de acordo com o pretendido, tornando o comando inútil para o fim a que se destina, e que sendo semelhante a outras, como as dos Defender, são incompatíveis.

Image Hosted by Google O interior do comando, tal como vem de fábrica

Este comando tem um problema de concepção, dado que se destina a que as duas partes principais sejam coladas, o que pode ser evitado, mediante uma alteração, que consiste em efectuar dois furos na parte inferior, por onde entram parafusos, colando porcas, devidamente alinhadas, no interior da parte oposto.

Aconselhamos ainda a reforçar um pouco o orifíco de entrada, podendo-se colocar no interior uma anilha metálica, e devendo-se fazer os vários testes antes da colagem defenitiva, que sugerimos seja feito recorrendo a resina de dois componentes, da qual a Araldite é exemplo, e que assegura uma colagem eficaz.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin