sábado, maio 24, 2014

"Drones", o futuro no presente - 12ª parte

O mesmo tipo de aeronave pode fornecer imagens em tempo real de uma frente de fogo, permitindo visualizar em profundidade e revelando informações que, de outra forma, estariam inacessíveis, podendo as mesmas ser passadas de forma imediata a outros meios, potenciando a sua intervenção e aumentando a segurança das missões.

Também a nível de busca e salvamento, este tipo de aeronave não tripulada se tem revelado eficaz, oferecendo uma perspectiva aérea sobre zonas irregulares ou de difícil acesso, permitindo a detecção de um desaparecido através de câmaras, que podem ser térmicas, e mesmo largar pequenas cargas, como um equipamento de comunicações ou localização, como forma de estabelecer contacto e georeferenciar a posição exacta.

Em termos de salvamento, caso seja necessário transportar e largar equipamentos, será sempre necessário um modelo mais potente, com maior capacidade de carga, existindo no Irão experiências interessantes em termos de salvamento marítimo, com unidades já operacionais e cujas características podem servir como forma de avaliar outros modelos.

Em locais de maior risco, como junto de falésias ou encostas rochosas, onde uma busca adquire especial complexidade e envolve maiores riscos, ou perante situações consideradas como imprevisíveis, como em locais onde exista perigo de explosão, os "drones" serão sempre uma opção a ter em conta, evitando que o reconhecimento seja efectuado através de missões arriscadas ou que as mesmas sejam adiadas até a situação estar estabilizada, do que podem resultar prejuizos e danos substanciais.

sexta-feira, maio 23, 2014

Land Rover Owners de Junho de 2014 já nas bancas

Image Hosted by Google A capa da Land Rover Owners de Junho de 2014

Já se encontra nas bancas a edição de Maio de 2014 da Land Rover Owners International, surgindo na capa, como reflexo de um dos principais artigos, uma competição entre participante no Camel Trophy e no G4 Challenge, como representantes de duas das mais conhecidas provas em que participam veículos da marca.

Para os leitores portugueses, a descrição dos Defender 130 utilizados pelos Comandos, que foram devidamente adaptados às suas funções como veículo de transporte deste corpo de tropas especiais, tem um especial interesse, revelando uma faceta desconhecido por muitos a nível deste tipo de transformação realizada no nosso País.

Não obstante a presença de outras transformações, como um Defender adaptado a pista de competição ou um Discovery construido a partir de dois modelos e adaptado ao biodiesel, é o modelo militar português aquele que ganha maior destaque, tendo características que o aproximam do WMIK britânico, mas com um armamento mais pesado que pode incluir uma metralhadora de 0.50" e duas de 0.30" ou 5.56 mm.

O guia de compras do Range Rover P38, a descrição de algumas expedições, bem como a extensa publicidade temática, conjugada com a apresentação de produtos, são igualmente interessantes e justificam bem a aquisição daquela que continua a ser a mais importante publicação do universo Land Rover a nível mundial.

quinta-feira, maio 22, 2014

"Drones", o futuro no presente - 11ª parte

Image Hosted by Google Um "drone" dos bombeiros ingleses junto de um Defender usado com centro de controle

Assim, para além da operação, na área da formação, que implica um conjunto de "know how" que vai muito para além do manuseamento do "drone", devendo incluir matérias no âmbito do voo, da meteorologia, da cartografia, da geografia, entre outras, surgirão novas oportunidades profissionais, facto comum num sector que se espera vir a ter uma expansão rápida.

Nesta área, já existem nos Estados Unidos cursos específicos para pilotar "drones", sendo um sector de muito elevada empregabilidade, pelo que o investimento neste tipo de formação e certificação, que pode rondar os três milhares de Euros, incluindo módulos teóricos e práticos, terá, quase certamente, um retorno extremamente rápido resultante da expansão do sector e da actual falta de técnicos qualificados.

É de notar que, actualmente, um "drone" com capacidade para utilização profissional pode ter um preço que começa no milhar e meio de Euros, sendo que pode acrescer perto de outro milhar em acessórios que potenciem a sua utilização, como baterias adicionais, câmaras de diversos modelos, sistemas de comunicações mais eficazes e com maior alcance, para citar alguns dos que entedemos serem essenciais.

Um "drone" nesta gama de preço pode potenciar substancialmente uma equipa que patrulhe uma zona florestal acidentada, fornecendo imagens a partir de uma posição previlegiada ou evitando uma deslocação morosa até locais fora da linha de vista, sendo facilmente transportado e controlado a partir de uma viatura ligeira a qual carece de adaptações substanciais.

quarta-feira, maio 21, 2014

Bandeiras nacionais no Lidl

Image Hosted by Google Uma bandeira nacional

Vão estar à venda nas lojas da cadeia Lidl, a partir desta próxima quinta feira, dia 22 de Maio, bandeiras portugueses e brasileiras, naturalmente a pensar no Campeonato do Mundo, que se aproxima, mas que podem ser utilizadas em expedições ou outras actividades, nomeadamente fora do nosso País.

A bandeira de maiores dimensões, adquirida individualmente, mede 150 x 90 centímetros, e, obviamente, não inclui o mastro, estando disponível por 1.99 Euros, tendo, ao contrário de muitas que temos encontrado, proporções e desenho dos vários elementos constituintes correctamente reproduzidos, mesmo a nível da composição da esfera armilar, o que permitir ver as cores de fundo.

Image Hosted by Google Uma bandeira nacional para veículos

Na versão de menores dimensões, que mede 45 x 30 centímetros e está adaptada a ser usada em viaturas, é incluido um pequeno mastro com suporte e "clip" de fixação, sendo vendida em conjuntos de duas por 1.29 Euros, provavelmente prevendo que se possam perder ou danificar facilmente.

Não sendo de qualidade elevada, algo impossível pelo preço estabelecido, estas bandeiras são adequadas ao fim a que se propõe e a uma utilização ocasional, e o seu escasso peso permite que sejam colocadas nas antenas de CB de um todo o terreno sem que esta dobre.

terça-feira, maio 20, 2014

"Drones", o futuro no presente - 10ª parte

Image Hosted by Google "Drones" ingleses em missão de busca e salvamento

Também é da maior importância para utilização profissional a capacidade para operar para além da linha de vista, mantendo a conexão com a estação de controle em terra, algo que pode requerer uma ligação de dados melhorada, mas que se torna essencial em zonas acidentadas, onde ao acompanhamento do terreno corresponde a perda de visão para o "drone".

Embora para determinados modelos, sobretudo na vertente militar, os operadores de "drones" sejam considerados como pilotos, não obstante operarem as suas aeronaves a milhares de quilómetros de distância, na perspectiva mais comum quem controla um destes equipamentos será considerado sobretudo um operador, dado que o conceito de pilotagem, neste conceito algo restritivo, implica a presença no interior da aeronave.

No entanto, independentemente da designação, esta é uma profissão de futuro, numa área em franca expansão, a qual necessita de ser rapidamente enquadrada e regulamentada, pois se os "drones" apresentam inúmeras vantagens, uma má utilização, deliberada ou negligente, reveste-se dos maiores perigos, alguns deles tão intuitivos que nos abstemos de comentar.

Prevê-se que, a curto ou médio prazo, controlar uma destas aeronaves, pelo menos nalgumas áreas, implique formação e certificações adequadas, para além de um registo centralizado dos operadores e dos "drones" cujas capacidades ou características ultrapassem limites a determinar, os quais só poderão ser operados por quem estiver devidamente qualificado por uma entidade competente para o fazer, de forma algo semelhante ao que hoje sucede com veículos terrestres.

segunda-feira, maio 19, 2014

Mochilas "molle" para três dias - 2ª parte

Image Hosted by Google Uma mochila "molle" para três dias

A mochila tem nas alças e no cinto, largo, almofadado e ajustável, o sistema "molle" e fechos de abertura rápida, e nas costas uma zona de absorção de impactos que também facilita a dispersão da transpiração, ao criar zonas sem contacto, tornando mais confortável o transporte de pesos elevados.

Está incluido uma pega para transporte, protecções para ser pousada sem sofrer danos e um compartimento para um reservatório do tipo "camelback", com um orifício para que a tubagem possa sair e ser devidamente encaminhada de modo a ficar ao alcande de quem a carrega, o qual fica oculto e protegido por uma cobertura fixa por velcro quando não está em uso.

Com dimensões de 53 cm de altura por perto de 35 de largura e 16 de profundidade, a mochila, construida em cordura 600D, à prova de água, é fornecida acompanhada de três sacos acopláveis e destacáveis, que podem ser usados separadamente ou fixos em diversas posições.

Todos os componentes obedecem às normas do sistema "molle", que normaliza as fixações e, portanto, permite adicionar componentes diversos, mesmo que de distintas proveniencias, nos vários locais onde existam ancoragens, o que flexibiliza em muito o uso desta mochila, seja como um todo, seja dos seus vários componentes, autonomizando-os.

domingo, maio 18, 2014

"Drones", o futuro no presente - 9ª parte

Image Hosted by Google Um "drone" de salvamento marítimo iraniano PARS

Qualquer "drone" destinado a um uso profissional, e mesmo a uma utilização mais complexa na área do lazer, tem necessariamente que ter um GPS integrado no seu sistema electrónico, registar dados de navegação e manter canais de comunicação, preferencialmente redundantes, com um sistema de controle que inclua a visualização de imagens em tempo real.

A funcionalidade de retorno ao ponto de partida de forma automática caso perca o controle com o sistema de controle em terra é absolutamente essencial para uma utilização profissional, podendo evitar que a aeronave se perca defenitivamente, seja por acidente, seja mesmo por furto após uma aterragem num local indesejável.

Esta funcionalidade, que implica a existência de GPS interno e do registo de um conjunto de dados de navegação pode, naturalmente, ser desactivada caso o operador readquira o controle do "drone", o qual poderá regressar ao desempenho da sua missão ou retornar ao local de origem por controle manual.

É de ressalvar que o retorno automático ao ponto de partida deve ser feito invertendo os dados de navegação e aferindo-os via GPS, nunca estabelecendo uma linha recta entre a localização actual e o destino, dado que desta forma existe a possibilidade de colisão com um qualquer obstáculo que fora circundado durante o voo controlado pelo operador, pelo que o uso desta expressão por parte do fabricante deve ser analizado em termos do seu conteúdo real.
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin