sábado, maio 24, 2014

"Drones", o futuro no presente - 12ª parte

O mesmo tipo de aeronave pode fornecer imagens em tempo real de uma frente de fogo, permitindo visualizar em profundidade e revelando informações que, de outra forma, estariam inacessíveis, podendo as mesmas ser passadas de forma imediata a outros meios, potenciando a sua intervenção e aumentando a segurança das missões.

Também a nível de busca e salvamento, este tipo de aeronave não tripulada se tem revelado eficaz, oferecendo uma perspectiva aérea sobre zonas irregulares ou de difícil acesso, permitindo a detecção de um desaparecido através de câmaras, que podem ser térmicas, e mesmo largar pequenas cargas, como um equipamento de comunicações ou localização, como forma de estabelecer contacto e georeferenciar a posição exacta.

Em termos de salvamento, caso seja necessário transportar e largar equipamentos, será sempre necessário um modelo mais potente, com maior capacidade de carga, existindo no Irão experiências interessantes em termos de salvamento marítimo, com unidades já operacionais e cujas características podem servir como forma de avaliar outros modelos.

Em locais de maior risco, como junto de falésias ou encostas rochosas, onde uma busca adquire especial complexidade e envolve maiores riscos, ou perante situações consideradas como imprevisíveis, como em locais onde exista perigo de explosão, os "drones" serão sempre uma opção a ter em conta, evitando que o reconhecimento seja efectuado através de missões arriscadas ou que as mesmas sejam adiadas até a situação estar estabilizada, do que podem resultar prejuizos e danos substanciais.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin