segunda-feira, outubro 19, 2015

Quando uma vitória se pode transformar em derrota - 3ª parte

Por outro lado, um acordo com cedências à esquerda resultaria na perda de uma larga franja do eleitorado socialista, a mesma que oscila entre este partido e a direita, correndo o Partido Socialista o risco de ficar esmagado entre um conjunto de partidos de direita e outro de esquerda, numa bipolarização onde o centro, que de alguma forma representa, tenderá a desaparecer.

Assumindo que, ao prescindir do poder, cedências do Partido Socialista à direita seriam bem menores, tal implicaria que estas fossem sobretudo do lado da coligação vencedora, o que a desgastaria e enfraqueceria, preparando-a para uma mais que provável derrota nas próximas eleições que, quase certamente, seriam muito antes do termo de uma legislatura normal.

Em termos de médio prazo, tal seria o cenário mais benéfico para o Partido Socialista, mas dificilmente o líder sobreviveria face ao incumprimento das expectativas, sendo a situação agravada pelo estado financeiro do partido, que já renegociou dívidas e, sem uma injecção de capital, pode ver as finanças colapsar, com consequências completamente imprevisíveis dado que a falência de uma organização política seria inédita entre nós.

Perante este quadro, quando a sobrevivência da liderança e, não do ponto de vista político, mas como figura jurídica, do próprio partido está em causa, admitimos que o cenário que parecia mais improvável até ao dia das eleições poderá ser a realidade, vindo reforçar esta possibilidade a própria calendarização e sequenciação das reuniões entres os vários partidos que poderão fazer parte de uma solução governativa.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin