sexta-feira, novembro 18, 2016

Rebites roscados - 2ª parte

O processo de aplicação acaba por ser semelhante ao de rebites convencionais, sendo necessário efectuar um furo equivalente à medida exterior, tipicamente com um diâmetro 2 milímetros superior ao da roscagem interior, após o que se coloca no alicate o adaptador com a dimensão correcta e que é introduzido no rebite.

Com o rebite no seu local defenitivo e no adaptador, apertando o punho do alicate, o rebite é deformado, sendo apertado contra as superfícies, com as estrias laterais a evitar que rode após aplicado, bastando no final verificar se a fixação é sólida, sem qualquer tipo de movimento, oscilação ou rotação.

É de notar que se pode improvisar o alicate de aplicação, recorrendo a um parafuso comprido, duas porcas, uma delas de maior dimensão, que serve de apoio, e um par de anilhas, fazendo o aperto recorrendo a uma vulgar conjunto de chaves que bloqueiam o conjunto enquanto rodam a porca de menores dimensões, numa operação um pouco mais complexa, mas que permite poupar o preço do alicate.

A sequência é colocar no parafuso a porca menor, uma anilha, a porca maior, outra anilha e, finalmente o rebite, enroscado até que o parafuso saia um pouco, sendo de colocar um pouco de lubrificante entre os vários componentes, dado que irá haver um encosto e atritos entre eles por apenas uma das porcas se mover.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin