terça-feira, fevereiro 28, 2012

Multiplicam-se os incêndios de Inverno - 2ª parte

Image Hosted by Imageshack
Um incêndio florestal em Portugal

Os dados dos anos mais recentes vêm contrariar estatísticas antigas, onde um Agosto tipicamente devastador sobressaia, no meio de um Julho e Setembro igualmente complicados, após o que a tendência para a diminuição do número de ocorrências e da área ardida era óbvio.

Recentemente, esta regularidade, que facilitava em muito o planeamento e a mobilização de meios, não obstante estes serem por vezes insuficientes face à acumulação de fogos em períodos específicos, deixou de existir, com os incêndios a ocorrerem em pleno Inverno com uma frequência que muitos julgariam impossível.

E se por um lado este Outono e Inverno pode parecer quase excepcional devido à secura destes últimos meses, numa perspectiva evolutiva, recorrendo aos dados dos anos mais recentes, a surpresa não será tão grande, podendo-se encarar como um desvio numa continuidade, que não será mais do que um acelerar de uma tendência conhecida.

Mesmo com alguma imprevisibilidade, a projecção das tendências e indicadores permitem apontar num dada direcção e, mesmo que com uma margem de erro algo elevada, prever a evolução meteorológica, de forma a que esta possa ser incluida não apenas no planeamento das operações de combate aos fogos, mas na previsão do quadro macro económico a nível nacional, sobretudo no respeitante à produção agrícola.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin