quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Metade do investimento para as forças de segurança vai para o SIRESP - 2ª parte

O custo associado à inclusão no sistema, gerido por uma parceria público-privada, não faz sentido face a todos os sistemas e novas tecnologias existentes, sendo apenas justificado pela segurança e disponibilidade de uma rede fechada, utilizada unicamente pelas entidades ligadas à segurança e ao socorro, mas que não responde positivamente às necessidades destas, que muitas vezes recorrem a redes de comunicações convencionais.

O SIRESP não usa as numerosas torres dos operadores dissemindadas por todo o País, nem em situações de emergência resultante da falha ou inacessibilidade da sua infraestrutura, e quando estas seriam a única alternativa viável, pelo que muitos utilizadores recorrem a simples telemóveis, cada vez com mais funcionalidades implementadas, como substituto dos dispendiosos terminais disponibilizados pelo Estado.

A implementação de redes privadas recorrendo aos sistemas montados pelos operadores, algo que não oferece uma complexidade excessiva, disponibilizando os canais de comunicação adequados para o fluxo de dados que suportam as funcionalidades necessárias às comunicações de emergência, pode ser uma alternativa ou um complemento, dispensando parte destes investimentos que nos surgem como demasiado volumosos.

Aliás, o progresso dos equipamentos de comunicações ao dispor de todos, em termos de funcionalidades e capacidades, aliado ao decréscimo de preço, o aparecimento de novas plataformas e programas para todos os fins, incluindo aqui comunicações encriptadas ou geo referenciação, permite que estes consigam suprir muitas das falhas do SIRESP, sendo uma alternativa quando este não está disponível.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin