sábado, fevereiro 10, 2018

Os CTT, uma empresa a evitar - 2ª parte

Por outro lado, se a existência desta carta tivesse sido introduzida no sistema no dia 15, conforme a imagem anexa, nunca no dia 22 a resposta dos CTT seria a de ir verificando o "site", algo que foi feito periodicamente, sem que nele constasse qualquer pedido, sendo óbvio que a menção a esta suposta carta nunca esteve presente até dia 29 ou muito próximo desta data.

Assim, em data incerta, mas demonstravelmente após dia 22 de Janeiro e quase certamente a 30, surge nos CTT uma carta, cujo registo só é válido a 31, altura em que o registo aparece, e que teria sido enviada a 15 de Janeiro, algo que entra em contradição com os documentos e dados disponíveis.

A resposta escrita às reclamações, cujas averiguações estariam concluídas, nunca chegou, pelo que nos interrogamos quanto à veracidade da informação que consta da mensagem cuja imagem incluímos, sendo de por em causa a sua existência, dado que a resposta, face aos atrasos no serviço postal, podia ter sido enviada por correio electrónico, evitando assim demoras acrescidas.

Ocorre imediatamente que foram introduzidos dados à posteriori, que nada têm a ver com a realidade, e que relativamente à sua introdução apenas ter suspeitas, sempre baseadas nos dados que nos foram sendo facultados pela empresa e pelo acompanhamento que fizemos da situação.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin