quinta-feira, janeiro 26, 2012

LBP equaciona suspender transporte de doentes não urgentes - 2ª parte

Image Hosted by ImageShack
Uma ambulância de transporte

Naturalmente que, trabalhando com centros de custos separados, é sempre possível confinar o problema à sua área específica, mas da paralização desta podem resultar despedimentos e um mal estar interno que se reprecute a todos os níveis e leva sempre a alguma conflitualidade.

Mas um custo maior será pago pelos próprios doentes, por razões óbvias, e pelo Estado, que ao tentar uma poupança que priva doentes do tratamento de que necessitam, irá colocar em causa o seu estado de saúde, que se degradará por falta de continuidade nos cuidados de que necessitam, revertendo o processo curativo, do que resultam consequências gravosas.

Se o regredir do estado dos doentes, obrigando a duplicar o tratamento inicial e respectivo seguimento é óbvio, tal como o dilatar do período de baixa, com perdas de receitas para o Estado, o degradar da saúde de alguns doentes terá impacto no socorro, quando a sua situação clínica implicar não um tratamento de continuidade, mas um de urgência.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin