quinta-feira, maio 08, 2014

"Drones", o futuro no presente - 4ª parte

Image Hosted by Google Um dos comandos disponíveis para o DJI Phantom 2

Recentemente, as forças armadas nacionais começaram igualmente a utilizar aviões não tripulados, sendo conhecido o Tekever AR4 "Light Ray" da Marinha, cuja estreia, infelizmente, não foi muito auspiciosa, um modelo capaz de vigiar perto de uma vintena de quilómetros ao longo de 2 a 3 horas, mas que pode igualmente transportar 2 kg de carga útil.

Obviamente estes são exemplos de modelos dispendiosos, servindo para demonstrar que uma substancial diferença a nível de concepção ou de dimensões é perfeitamente aceitável e justificável, desde que adaptados às missões a que se propõe, optando-se sempre por uma relação qualidade/preço favorável, desde que obedecendo aos requisitos exigidos.

A adequação do "drone" às condições em que irá actuar é essencial, sendo óbvio que é inútil investir num modelo que não cumpra os requisitos das missões que irá desempenhar, numa tentativa vã de realizar alguma poupança a qual se irá traduzir não apenas na inutilidade da aquisição e desperdício de verbas, como na ideia de que existem meios que, efectivamente, não têm utilidade prática.

São características essenciais a capacidade de operar sob condições meteorológicas adversas, embora sabendo que, tal como sucede com qualquer aeronave, estas podem condicionar, limitar ou mesmo impedir a sua utilização, bem como a capacidade para operar sobre terrenos difíceis, nomeadamente aqueles que, pela sua configuração, potencia factores meteorológicos, como chuva intensa, ventos fortes ou cruzados ou correntes de ar ascendentes ou descendentes.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin