quarta-feira, setembro 23, 2015

Auxiliares de flutuação - 3ª parte

Recorrer a um colete não insuflável evita que, por simples comodidade ou preguiça, o equipamento não seja devidamente insuflado, ou que, pura e simplesmente, ou não seja utilizado, ou apenas o seja em caso de necessidade, podendo não ser possível proceder ao seu enchimento com a rapidez necessária para que cumpra o seu objectivo.

Um auxiliar de flutuação, tal como o próprio nome indica, não garante, só por sí, a flutuabilidade, destinando-se a complementar uma posição adequada por parte do utilizador, mantendo-o à superfície apenas se este optar por boiar, mas podendo não ser capaz de evitar o afundamento caso, por exemplo, mergulhe ou esteja na vertical.

Um modelo como o da imagem, feito em tecido poliester Oxford 240 D, representa uma ajuda de até 7.5 quilos, que podemos, para melhor compreensão, imaginar que impede um bloco de ferro com o mesmo peso de afundar, o que pode ser o suficiente para manter uma pessoa à superfície, tendo em conta a densidade e a forma do corpo humano, dependendo da posição em que se encontra.

Como complemento, é incluído um pequeno apito, com cordão, que pode ser transportado no pequeno bolso, tendo três fechos de abertura rápida, que fixam correias em torno do tronco, e duas de fixação inferior, o que evita que o colete saia da sua posição, mas também acrescenta diversos pontos pelos quais o utilizador pode ser agarrado por um eventual salvador.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin