sexta-feira, outubro 14, 2016

Da NOS para a Vodafone - 3ª parte

Este pode ser um motivo para substituir antigas placas de rede que obedeçam às normas "g" ou "n" por outras que sejam compatíveis com a norma "ac", as quais, actualmente, podem ser adquiridas por valores que começam pouco abaixo da dezena de Euros, para modelos de linha branca, mas com o mesmo "chipset" de alguns fabricantes conhecidos, e que sejam adquiridos num grossista asiático.

Não sendo necessário, este investimento, de pouca monta, permite obter um muito melhor desempenho dos computadores ligados por "wifi", podendo ser faseado, trocando as placas dos diversos computadores à medida das possibilidades e das necessidades.

Também é possível tirar maior partido das portas Ethernet de 1 Gb utilizando placas que suportem esta velocidade ou ligando a uma delas um "switch", tal como explicamos em textos anteriores, criando assim um segundo grupo de equipamentos ligados por cabo e que, portanto, serão menos vulneráveis a interferências e intrusões, podendo estudar-se configurações que tornem a rede mais segura.

Este "router" permite ainda criar uma rede separada e devidamente isolada para convidados, que podem aceder à Internet mas não aos recursos internos partilhados, como unidades de armazenamento ou impressoras, nem conseguem visualizar outros dispositivos locais, como os computadores residentes, tendo ainda atribuída uma largura de banda que não penaliza os equipamentos da rede principal.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin