sexta-feira, dezembro 17, 2010

Propriedade das peças substituidas - 2ª parte

Image Hosted by ImageShack
Caixa de velocidades de um Defender Td5

É de realçar que de uma má reparação podem resultar avarias secundárias, algumas difíceis de prever ou de relacionar, que inclusivé podem nem ser imediatas, mas que nem por isso deixam de ser da responsabilidade de quem efectuou o trabalho.

Tendo a peça substituida será possível, mesmo posteriormente, averiguar da sua avaria, caso tal realmente se verifique, mas também a implicação desta falha a nível de outros componentes, sejam mecânicos, sejam electrónicos, sendo a existência das peças substituidas e das facturas das reparações essenciais para uma reclamação fundamentada.

Sem as peças substituidas, e portanto sem ser possível verificar através de uma peritagem independente do seu real estado, o risco de uma reparação ser efectuada por tentativas, com substituição de peças em bom estado, as quais podem posteriormente ser revendidas a terceiros, aumenta muito substancialmente, com o risco de se eternizar enquanto os custos se avolumam.

Sabendo-se que mesmo com provas obter a justa compensação por um trabalho mal efectuado não é fácil, sem estas, exceptuando casos raros em que o prestador dos serviço reconhece o erro e o corrije, tal torna-se virtualmente impossível, acabando por ser o proprietário do veículo a suportar a totalidade dos custos.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin