sexta-feira, junho 21, 2013

Fluido não aquoso para radiadores da Evans - 1ª parte

Image Hosted by Google O esquema de funcionamento da solução não aquosa

A maioria dos veículos é refrigerada por um líquido que tem como base a água, do que resultam, para além das conhecidas funcionalidades, um conjunto de problemas que derivam do ponto de ebulição e da reação no contacto com metais ferrosos.

Dado que o ponto de ebulição da água é de 100º, e muitos motores funcionam perto desta temperatura, é comum haver gases no interior do circuito, resultando num aumento da pressão, e que pode dar origem a fugas ou rupturas de diversos componentes, como juntas, radiadores ou condutas.

A própria presença de vapor, resultando de temperaturas particularmente elevadas no interior do motor, reduz em muito a eficiência do circuito, levando facilmente a um maior aquecimento, que provoca por sua vez um efeito recíproco, onde perda de eficiência e aumento da temperatura interagem de forma perigosa.

Por outro lado, o facto de os líquidos refrigerantes convencionais terem uma base aquosa implica o perigo de corrosão em diversos componentes, bem como a possibilidade de acumular pequenas partículas daí resultantes, que podem provocar entupimentos ou variações de pressão.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin