segunda-feira, fevereiro 26, 2018

Falta de telefone impede pedido de socorro - 1ª parte

Passou quase meio ano após os incêndios que, em Outubro passado, devastaram grande parte do território nacional e, em vastas áreas, infraestruturas absolutamente essenciais, nomeadamente a nível de comunicações, não foram repostas, deixando as populações, sobretudo as mais idosas, particularmente vulneráveis.

Esta triste realidade permaneceu quase ignorada, inclusivé pelo poder político e pelas estruturas ligadas ao socorro até que surgiu a notícia de um falecimento resultante da impossibilidade de pedir socorro atempadamente, com o marido da vítima, já idoso, a deslocar-se dois quilómetros a pé para poder efectuar uma chamada telefónica.

Esta situação veio despertar o País para o que se passa em muitas zonas atingidas pelos fogos, onde as infraestruturas não foram repostas, com os diversos operadores a optar por soluções alternativas, nomeadamente à distribuição de telemóveis, em vez de proceder à dispendiosa reparação que permitiria repor a situação existente antes dos incêndios.

Não obstante a oferta por parte do operador de telemóveis, é inegável que os mais idosos sentem uma maior confiança nos telefones fixos, com que sempre lidaram e a cujo funcionamento se habituaram, sendo manifesto que desconfiam das novas tecnlogias, não apenas em termos de funcionalidade, mas também pelo receio de serem surpreendidos pelos preços das comunicações.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin