terça-feira, junho 07, 2011

Sondagens e resultados - 2ª parte

Image Hosted by ImageShack
Um debate eleitoral

Mesmo sem dados que o consubstanciem, e realmente desconhecemos qualquer estudo neste sentido, prevalece em nós a ideia de que não se verificou uma real mudança no sentido de voto, mas tão somente um assumir de posições contra o poder instituido à medida que a percepção de que este ia mudar foi crescendo.

Esta possibilidade difere em muito da teoria de que existe uma colagem dos indecisos aos possíveis vencedores, algo que é muitas vezes defendido por diversos especialistas, mas que nos surge como algo de francamente marginal, sobretudo porque, perante o secretismo do voto, o seu sentido pode ser facilmente anunciado posteriormente sem receio de um desmentido.

Em contrapartida, o assumir de uma posição, há muito decidida e interiorizada, à medida que as consequência de desafiar o poder reinante, que infelizmente sempre teve atitudes descricionárias, premiando os apoiantes e prejudicando os opositores, vão sendo atenuadas pela sua previsível derrota e subsquente mudança, surge como lógica e plausível, mesmo que contrariando numerosas teorias.

Na verdade, quando o líder de uma força partidária tem uma taxa de rejeição de 70%, não é crível que esse partido alcance resultados que excedam os 30% complementares, sendo este uma dado que não pode deixar de ser tido em contra e que serve de mecanismo de correcção face a sondagens cujos resultados são, no mínimo, dúbios.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin