sexta-feira, julho 13, 2018

A Nanocom de 1ª geração - 4ª parte

Comparada com as Nanocom Evolution, o modelo inicial tem óbvias limitações, nomeadamente pelo facto de não poder ser utilizada como consola de informação suplementar, com apresentação de informação em tempo real, ou pela rapidez com que é efectuada a ligação a um computador, sendo patente que as duas centenas de Euros de diferença no preço correspondem a uma evolução real a nível do "hardware", enquanto as formas de licenciamento se revelam mais favoráveis no primeiro modelo.

Em contrapartida, este modelo é compacto e resistente, muito fácil de acondicionar e de transportar, sendo fácil colocar a Nanocom com os cabos dentro de uma pequena caixa estanque, que pode ser adquirida por um preço baixo, e que pode ficar acondicionada debaixo de um dos assentos do Defender ou atrás destes, embora neste último caso fique mais exposta em caso de assalto.

Convém registar o equipamento, para o que pode ser necessário contactar o fabricante, de modo a que o número de identificação volte a ficar disponível, o que facilita em muito o suporte, abrindo caminho para a participação nos foruns, onde muitas das questões relativas a este modelo são abordadas e respondidas, evitando-se assim a espera de uma resposta pessoal por parte da Blackbox.

Obviamente, qualquer opinião será discutível, mas o nosso conselho vai no sentido de, caso necessitem de um equipamento de diagnóstico para Land Rover que inclua os Td5 e seja possível encontrar uma Nanocom de 1ª geração por um preço que se aproxime das duas centenas de libras, que não percam a oportunidade de o adquirir.
Enviar um comentário