sexta-feira, janeiro 05, 2007

É necessário uma resposta mais pronta dos meios de socorro aéreos


Image Hosted by ImageShack
Helicóptero Merlin da Força Aérea

Em consequência do naufrágio ocorrido na Nazaré, de que resultou a morte de três tripulantes e o desaparecimento de igual número, o Governo português pretende estudar métodos para melhorar os meios de salvamento.

Esta afirmação foi feita pelo ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, após uma reunião de cerca de uma hora e meia com José Festas, armador da embracação naufragada e representante da "Comissão Para o Salvamento de Homens no Mar".

Segundo o ministro da Defesa, "não quer dizer que as coisas estejam mal, mas devemos fazer uma análise dos meios existentes e se for necessário melhorá-los. É esta a nossa vontade", salientando que estão em análise os relatórios da Força Aérea e a Marinha relativos às acções de socorro efectuadas após o naufrágio do barco "Luz do Sameiro".

Também o ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira também abordou este assunto no final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, ao afirmar que "o Governo acompanha com preocupação a situação".

Também o Parlamento irá analisar o sucedido, com reuniões onde estarão presentes os responsáveis pelo socorro e representantes dos pescadores, de modo a averiguar as circunstâncias em que ocorreu esta perda de vidas humanas e apontar pistas para uma intervenção mais eficaz dos meios disponíveis.

Com base nos relatórios, o Ministério Público decidiu investigar o acidente de modo a verificar da existência ou não da necessidade de um processo judicial.

A necessidade de uma resposta mais efectiva, capaz de acorrer com maior rapidez a uma situação de emergência é particularmente óbvia, mas a forma de a implementar poderá ser mais difícil, sobretudo tendo em conta as características operacionais dos meios de salvamento existentes e a sua distribuição geográfica.

É da maior importância que os relatórios agora entregues apontem não apenas para as falhas, mas também na forma de as evitar, equacionando as eventuais alterações que agilizem os procedimentos de salvamento.

Entre as questões a colocar estarão, certamente, a disposição dos meios no território nacional, o grau de prontidão, e os próprios equipamentos a utilizar nas várias situações, já que surgem interrogações quanto ao tempo necessário para colocar no ar os EH-101 "Merlin", cuja sofisticação obriga a um conjunto de procedimentos necessáriamente demorados.

Sendo este modelo de helicóptero uma franca melhoria relativamente aos SA-330 "Puma", com capacidade para operar durante a noite ou em condições atmosféricas mais adversas, será de equacionar a distribuição, mesmo que temporária de aparelhos menos sofisticados e de menor custo, mas que em situações de bom tempo possam intervir com maior rapidez.

Certo é que têm que ser introduzidas alterações de modo a evitar que situações semelhantes se repitam, garantindo, tanto quanto possível, a segurança dos pescadores e dos próprios tripulantes dos meios de salvamento, que acabam por ser empurrados para situações de solução impossível nas quais arriscam a própria vida.

1 comentário:

Direct Current disse...

Bem, vou-lhe dizer que a resposta já está pronta, mas devido a este acidente, têm sido restringido a informação para o novo plano operacional da protecção civil.