domingo, setembro 29, 2013

O "conto do vigário" dos nossos tempos - 4ª parte

Image Hosted by Google Lista de endereços usados em fraudes

No entanto, uma pesquisa mais atenta, pode revelar que usam nomes e fotos provenientes de redes sociais, sendo comum o roubo de identidade ou a construção de um personagem baseado em alguém existente, tal como usar nomes ou partes da história de vida de personagens reais, algumas das quais identificáveis através de uma pesquisa.

Por outro lado, alguns dos nomes escolhidos variam entre os mais comuns que se podem encontrar, o que dificulta a sua identificação no meio de milhares de nomes semelhantes, ou são francamente absurdos, chegando ao ridículo, tentando uma conotação com o fim a que se destinam, mas não fazendo qualquer sentido para países europeus que usam a mesma língua.

A maioria dos utilizadores escreve em inglês, com óbvios erros, detectáveis mesmo por quem não tem o inglês como lingua nativa, sendo as falhas mais flagrantes detectáveis sobretudo a nível da construção frásica, dado que os erros ortográficos podem ser detectados por um simples sistema de correcção, pelo que podemos estar diante de uma sequência de palavras correctamente escritas, mas também de um texto com pouco ou nenhum sentido.

Normalmente, este tipo de utilizador afirma ser proveniente de países anglófonos, como a Inglaterra, Estados Unidos ou Austrália, mas que, por razões de vária ordem, normalmente profissionais ou relacionada com apoio familiar, na altura encontra-se em África, sobretudo na Costa do Marfim ou Gana.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin