sexta-feira, maio 20, 2011

Começou a "Fase Bravo" com menos efectivos - 3ª parte

Image Hosted by ImageShack
Um fogo florestal em Portugal

No entanto, mais do que o possível aumento da área ardida e os prejuizos resultantes, preocupa-nos o risco resultante para os efectivos que, em terra, tentarão dominar as frentes de incêndio em locais menos acessíveis e podem vir a ser encurralados pelas chamas, situação que tende a resultar em tragédia.

Agrava o problema a diminuição de verbas atribuidas às corporações, pelo que o nível de operacionalidade, e mesmo de manutenção de alguns meios, pode aumentar o risco sempre presente em cada missão, com uma maior possibilidade de falhas nos equipamentos, sobretudo naqueles que estão sujeitos a maiores desgastes.

A redução de meios aéreos pode ter consequências difíceis de prever, mas será intuitivo que a sua conjugação com as condições no terreno e a meteorologia, e lembramos que se tem verificado um aquecimento ao longo dos últimos anos, devia ter levado a uma menor diminuição no número de efectivos aéreos.

Esta é uma questão particularmente preocupante, que deverá ser acompanhada com especial atenção, de forma a serem adoptadas medidas preventivas, que incluam desde a revisão de tácticas e procedimentos até ao reforço de meios, de forma a manter a eficácia do dispositivo e níveis de segurança tão altos quanto possíveis.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin