quarta-feira, novembro 10, 2010

Criminalização da política? - 2ª parte

Image Hosted by ImageShack
Uma inauguração de uma estrada

No fundo, a menos que este ciclo vicioso, que ao invês de punir, premeia a incompetência e mesmo um conjunto de crimes, sejam eles devidamente tipificados, ou o sejam apenas de facto, como, por exemplo, o de quem promete o que sabe não poder cumprir ou para obter uma vantagem pessoal, sacrifica o interesse público, seja interrompido, dificilmente se pode inverter a degradação da imagem da política junto do cidadão comum.

Como forma não apenas de melhorar a imagem, mas sobretudo para premiar o mérito e expulsar os incompetentes, responsáveis pelo actual estado do País, manifestamente não basta deixar de eleger quem comete erros grosseiros, mas antecipar que quem não está à altura de um cargo, deixa de a ele concorrer, evitando assim enfrentar sérias consequências, é imperativa a alteração do actual quadro legal, passando as sanções para outro patamar.

Quando sabemos que um gestor, independentemente do grau da sua responsabilidade, muitas vezes devido a factores externos que podem, inclusivé, resultar de decisões governamentais, pode responder pessoalmente pelos pelos resultados da empresa, torna-se óbvio que o mesmo nível de responsabilização deve ser extendido a quem gere o património de todos de forma incompetente, prejudicando não apenas os funcionários de uma empresa, mas todo um País.

Apenas uma legislação benévola e desresponsbilizadora, feita pelos próprios, tem evitado que todo um conjunto de crimes sejam virtualmente impossíveis de punir, como a corrupção, ou completamente impossíveis, como a gestão criminosa de bens públicos, algo que, manifestamente terá que mudar, tal como acontece, por exemplo, na Islândia, onde, peranta uma situação de ruina, se optou por esta via.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin