sexta-feira, agosto 13, 2010

Dois bombeiros mortos em dois dias - 2ª parte

Image Hosted by Imageshack
Bombeiros no combate a um fogo em Portugal

As vertentes organizativas, sobretudo no respeitante à logística, não obstante as melhorias dos últimos anos, continuam a apresentar defeciencias, com manifestas dificuldades que se tornam evidentes nos incêndios de longa duração, onde a falta de condições em termos de repouso e alimentação são patentes.

Apesar de haver uma maior capacidade organizativa, a rotação de pessoal em períodos de maior esforço, continuam a deixar muito a desejar, mas é sobretudo ao não proporcionar períodos de descanso adequados, em extensão e qualidade, num local suficientemente afastado do teatro de operações para que o repouso seja efectivo, bem como ao não fornecer alimentação em quantidade e qualidade, num local que permita um mínimo de tranquilidade, que se verificam as maiores falhas.

Também a falta de enquadramento, que deve ser efectuado por elementos locais, que conheçam o terreno e possam proporcionar orientação, aumenta os riscos, sendo possível situações de desorientação quando numa área desconhecida, sobretudo com limitações de visibilidade e sob a pressão de uma situação de grande risco.

Este problema é patente no número de acidentes graves que ocorrem com elementos que operam fora do seu concelho, do que se pode concluir que o risco aumenta com as sucessivas deslocações de unidades de um ponto do País para outro, adicionando ainda a agravante do cansaço de longas viagens em veículos que não foram concebidos para proporcionar um mínimo de condições, sobretudo com o tempo quente como o que se verifica no Verão.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin