sábado, agosto 21, 2010

Arderam 92.000 hectares até meados de Agosto - 2ª parte

Image Hosted by Imageshack
Um incêndio em Portugal

Devemos, no entanto, lamentar o facto de existir quem, de forma demagógica, proceda a este tipo de comparação, que carece de objectividade nem esconde o facto de, na União Europeia, Portugal ser responsável por 60% da área ardida este ano.

Também de pouco adianta apontar para questões climáticas, sabendo-se desde há muito que o clima está efectivamente a mudar e uma eventual imprevisibilidade é, em sí mesma, previsível e obriga a um planeamento ajustado a esta nova realidade, contemplando um sistema mais flexível e com uma maior rapidez de resposta.

Mesmo o elevado número de ignições, cujas causas apontam essencialmente para a negligência, enquanto a rápida propagação se deve, essencialmente, ao actual estado das florestas e matos, bem como a um Verão particularmente quente, só marginalmente pode constituir uma justificação que, quando o clima for favorável, era menorizado pelo poder político, ansioso por recolher os louros de uma falsa vitória.

No entanto, também é de salientar que apontar para o Ministério da Administração Interna, para a Autoridade Nacional de Protecção Civil ou para o dispositivo de combate, exigindo-lhes satisfações por uma situação cuja génese está na manifesta ausência de prevenção, imputáveis sobretudo à estrutura do Ministério da Agricultura e às autarquias, revela falta de conhecimento da realidade e em nada contribui para uma solução de fundo.
Enviar um comentário
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin